Seguir o O MINHO

Barcelos

Vespa asiática: Autarca substitui proteção civil e elimina ninhos com 20 quilos em Barcelos

Cerca de 100 vespeiros destruídos nos últimos quatro anos

em

Domingos Sousa e António Pereira seguram um ninho com perto de 20 quilos. Foto: DR

António Pereira, presidente da Junta de Quintiães e Aguiar, no concelho de Barcelos, cansou-se de esperar pelas autoridades para eliminar vespeiros de vespa velutina, vulgo asiática, e decidiu investir 1.600 euros em equipamento para esse efeito, tendo já eliminado 94 ninhos deste inseto invasor.

A O MINHO, o autarca explica que, em 2015, e face ao aparecimento de vários ninhos na união de freguesias local, decidiu investir cerca de 1.000 euros para equipar um jipe que já pertencia à junta de freguesia de forma a incinerar ninhos durante a noite, como era, então, recomendado.

Foto: António Pereira / O MINHO

Desde 2018 que os vespeiros são eliminados com recurso a outro método, em horário diurno, e foi necessário novo investimento, desta feita de 600 euros, para compra de produtos, equipamento, escadas e material adequado para garantir a segurança durante o processo de eliminação.

“Já há quatro anos que fazemos isto, ao todo eliminámos 94 ninhos, 25 dos quais neste ano, e os dois últimos, na freguesia de Quintiães, pesavam entre 15 a 20 quilos e os discos internos atingem 40 centímetros de diâmetro”, assegura António Pereira.

Foto: António Pereira / O MINHO

O autarca tem sido acompanhado por Domingos Sousa, apicultor de Quintiães, que se disponibilizou a ajudar na captura desta espécie invasora que chegou ao Alto Minho em 2011, mas já se espalhou por quase todo o país, causando no último mês grande alarido na região de Lisboa.

Domingos Sousa e António Pereira seguram um ninho com perto de 20 quilos. Foto: DR

A população procura os ninhos e nós vamos lá destruí-los quase no dia seguinte

António Pereira conta que, em 2017, organizou uma ação de sensibilização com os habitantes da união de freguesias de Quintiães e Aguiar, de forma a que os populares procurassem vespeiros nas árvores, comunicando posteriormente ao autarca.

“Há muita confusão sobre a quem comunicar o avistamento, por isso decidimos que a própria junta iria encarregar-se da destruição desta praga”, sublinha. A acompanhar o autarca e o apicultor, está ainda o genro de António Pereira, que ajuda na caça. 

Foto: António Pereira / O MINHO

Alguma demora por parte da Proteção Civil de Barcelos em responder a um número elevado de avistamentos levou a que António Pereira aprendesse a fazer uma solução com recurso a vários ingredientes, entre os quais um biocida natural, para envenenar os vespeiros.

“Antigamente quemávamos durante a noite porque era o recomendado, mas algumas vespas que andavam fora acabavam por sobreviver e faziam novos ninhos, duplicando ou triplicando a praga”, explica.

Foto: António Pereira / O MINHO

“Agora utilizamos o método injetável com recurso a escadas ou algo similar a uma cana de pesca, e tem sido infalível”, acrescenta, explicando ainda que esta solução leva 1 mililitro de veneno e 49 mililitros de água e atrativo [groselha, cerveja preta e açúcar], por cada vespeiro.

Junta já comprou um drone para facilitar a injeção do biocida

A última aquisição de António Pereira, para a junta, foi a de um drone, para que seja mais simples de chegar aos ninhos mais altos de forma a injetar a solução venenosa.

“Alguns ninhos estão a 30 metros de altura e se for num eucalipto, deitámos abaixo, mas nem sempre há essa hipótese por isso decidimos investir num drone, daqueles mais baratos, a ver se criamos aqui um mecanismo para que seja o próprio drone a injetar o veneno”, conta.

Mas esta solução está ainda em testes e não houve qualquer resultado prático. “No domingo passado o drone despenhou-se, porque é um daqueles baratos, mas estamos ainda a testar”, diz.

Não somos nós que temos de eliminar os ninhos

A responsabilidade da aniquilação desta praga cabe às autoridades municipais, sendo que, em Barcelos, está a cargo dos serviços de Proteção Civil.

O MINHO falou com fonte daquele segmento autárquico que nos esclareceu que nem sempre é possível dar, com o devido tempo, a resposta pedida pela população, e que qualquer ajuda é sempre bem-vinda.

Foto: António Pereira / O MINHO

António Pereira explica que já se começa a passar, na freguesia, a ideia de que é a junta que tem de eliminar estes vespeiros, “mas isso não é verdade”.

Ninhos com 40 centímetros de diâmetro

Embora esta praga esteja ainda a ser estudada por diversos meios académicos e científicos, como é o caso da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro ou do Laboratório Ibérico de Nanotecnologia, António parece ter feito uma descoberta que ainda não estava registada: ninhos com 20 quilos e 40 centímetros de diâmetro.

Foto: António Pereira / O MINHO

Atualmente, na designação oficial destes ninhos, a medida máxima é de 30 a 35 centímetros de diâmetro, mas em Barcelos já chegam aos 40.

“Encontramos dois, neste mês de setembro, com essa desenvoltura. Estavam num local chamado Vale de Farnados, em Quintiães, e assustam pela dimensão. Um deles chegámos a abrir para poder registar o diâmetro de cada disco”, revela.

António Pereira garante que irá continuar a “dar cabo” destes vespeiros durante os próximos tempos, tendo já auxiliado algumas freguesias vizinhas, como é o caso de Creixomil, onde esta praga tem dado sérios problemas aos apicultores, que se queixam da baixa de produção de mel face ao medo, e até morte, das abelhas.

Este inseto invasor chegou a Portugal em 2011, ao que tudo indica, proveniente de um navio de carga, onde terá entrado de forma clandestina. Até 2015, a praga ficou confinada aos distritos do Norte de Portugal, mas tem-se espalhado por todo o país, sendo já considerada uma praga invasora pelas entidades governamentais, que apoiam financeiramente as Câmaras Municipais por cada ninho destruído.

Populares