Seguir o O MINHO

Alto Minho

Preparado plano para evacuação de aldeias ameaçadas pelo fogo em Ponte de Lima

Incêndio alastrou a Viana

em

Foto: Reinaldo Queiroz e Tiago Carvalho

O comandante dos Bombeiros Voluntários de Ponte de Lima disse hoje ter sido preparado um plano para a eventual evacuação de aldeias situadas no percurso das três frentes ativas do incêndio que teve início às 00:57 em Poiares.


Em declarações à Lusa, o comandante Carlos Lima disse que as três frentes ativas do incêndio localizam-se nas freguesias de Poiares e Vitorino de Piães, no concelho de Ponte de Lima, tendo chegado esta manhã à freguesia de Carvoeiro, no concelho de Viana do Castelo.

De acordo com a página da Internet da Proteção Civil, pelas 14:45 aquele incêndio estava a ser combatido por oito meios aéreos, para além de 131 homens e 39 viaturas.

Cinco meios aéreos combatem incêndio que já passou de Ponte de Lima para Viana

Carlos Lima adiantou que o intenso calor que se faz sentir é o “principal obstáculo” ao trabalho dos bombeiros, notando que o plano de evacuação, feito em articulação com a GNR, está apenas planeado caso venha a ser necessário e não foi ainda implementado.

“Apesar de algum vento, o principal obstáculo são as altas temperaturas”, explicou.

O responsável observou que o incêndio tinha, ao início da tarde, “três frentes ativas não dominadas” no concelho de Ponte de Lima, distrito de Viana do Castelo.

Durante a manhã de hoje, cinco meios aéreos, quatro pesados e um de coordenação, estavam a combater um incêndio que começou às 00:58, em Poiares, Ponte de Lima, passando de manhã para Carvoeiro, em Viana do Castelo, disse a proteção civil.

Novo incêndio lavrou durante toda a noite em Ponte de Lima

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, contactada pela Lusa cerca das 10:30, adiantou que o fogo tinha “uma frente ativa” e que, “para já, não há habitações em risco”.

Mais de uma centena de concelhos de 14 distritos de Portugal continental apresentam hoje um risco máximo de incêndio, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Em risco máximo estão mais de 100 concelhos dos distritos de Viana do Castelo, Braga, Porto, Vila Real, Bragança, Viseu, Aveiro, Guarda, Coimbra, Leiria, Castelo Branco, Santarém, Portalegre e Faro.

Na quarta-feira, fonte da Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil (ANEPC) disse à Lusa que todos os distritos de Portugal continental estão em estado de alerta especial laranja, o segundo mais grave de uma escala de quatro, devido ao elevado risco de incêndio rural.

O estado de alerta especial laranja, que determina o reforço da monitorização e o grau de prontidão do Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Rurais (DECIR), significa que o grau de risco é elevado e que se está numa “situação de perigo, com condições para a ocorrência de fenómenos invulgares que podem causar danos a pessoas e bens, colocando em causa a sua segurança”.

Segundo a ANEPC, estão previstos para os próximos dias uma subida gradual da temperatura máxima, noites tropicais, baixa humidade relativa do ar e vento fraco a moderado.

No aviso à população, a ANEPC recorda que, até 30 setembro, é proibido fazer queimas e queimadas, usar fogareiros e grelhadores em todo o espaço rural, fumar ou fazer qualquer tipo de lume nos espaços florestais, lançar balões de mecha acesa e foguetes e fogo-de-artifício.

A Proteção Civil refere ainda que é proibido fumigar ou desinfestar apiários e usar motorroçadoras, corta-matos e destroçadores nos dias de risco máximo de incêndio.

Anúncio

Alto Minho

Sobe para 21 número de infetados no Lar da Cruz Vermelha em Valença

Covid-19

em

Foto: DR

O presidente da Câmara de Valença disse que o número de infetados por covid-19 no Lar da Cruz Vermelha subiu de 15 para 21, após terem sido hoje conhecidos os resultados dos testes feitos a utentes e funcionários.

Ao final da tarde de hoje, contactada pela Lusa, fonte da Unidade Local de Saúde do Alto Minho (ULSAM)afirmou que a instituição registava 15 casos de infeção pelo novo coronavírus.

Já ao início da noite, o autarca Manuel Lopes referiu que “o número subiu para os 21, 16 utentes e cinco funcionários, depois de terem sido conhecidos os resultados dos testes realizados a todos os idosos e trabalhadores da instituição”.

“Os idosos já estão isolados. As instalações do lar foram desinfetadas no domingo. Nenhum dos infetados está hospitalizado”, esclareceu o autarca social-democrata.

A Lusa contactou a instituição sediada no distrito de Viana do Castelo, mas até ao momento sem sucesso.

Segundo os dados que constam da Carta Social, disponível na página oficial do Gabinete de Estratégia e Planeamento da Segurança Social na internet, o Lar da Cruz Vermelha de Valença tem capacidade para acolher 75 idosos.

De acordo com o aviso publicado na página oficial da instituição no Facebook, hoje consultada pela Lusa, as visitas ao lar foram suspensas no passado dia 07.

“Devido à pandemia [de] covid-19, como medida de prevenção, as visitas estão canceladas a partir de segunda-feira (07/09/2020) até nova decisão”, lê-se na publicação.

Segundo dados divulgados na sexta-feira pela ULSAM, o concelho de Valença tinha, àquela data, 41 casos ativos.

A ULSAM é constituída por dois hospitais: o de Santa Luzia, em Viana do Castelo, e o Conde de Bertiandos, em Ponte de Lima. Integra ainda 12 centros de saúde, uma unidade de saúde pública e duas de convalescença, e serve uma população residente superior a 244 mil pessoas, contando com 2.500 profissionais, entre os quais 501 médicos e 892 enfermeiros.

Surto em lar da Cruz Vermelha de Valença com 15 infetados

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 961.531 mortos e mais de 31,1 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.920 pessoas dos 69.200 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Alto Minho

Marcelo lamenta morte de copiloto do avião que caiu a combater fogo de Lindoso

Piloto espanhol morreu esta segunda-feira

em

Foto: DR

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lamentou hoje a morte do copiloto do avião ‘Canadair’ que caiu enquanto combatia um incêndio na zona do Parque Nacional da Peneda-Gerês, em agosto.

De acordo com uma nota publicada no portal da Presidência da República na Internet, Marcelo Rebelo de Sousa “apresentou hoje sentidas condolências aos familiares do copiloto”, Maximiliano Plaza Bretón, de nacionalidade espanhola, que ficou “ferido na sequência do trágico acidente do avião ‘Canadair’ a 08 de agosto, enquanto combatia um incêndio no Gerês ao lado do piloto português, Jorge Jardim, que infelizmente faleceu no local”.

“O Presidente da República enaltece o profissionalismo de todos aqueles que, em particular nos últimos meses, têm prestado um serviço de equipa e o auxílio imprescindível no combate aos terríveis incêndios que tanto têm fustigado o nosso país”, lê-se na mesma nota.

A morte do copiloto do avião ‘Canadair’ foi noticiada hoje por meios de comunicação espanhóis.

Morreu segundo piloto do avião que caiu a combater incêndio de Lindoso

Segundo o jornal A voz da Galiza, o homem, de 38 anos, foi encontrado hoje morto na sua casa, em Babilafuente, na província de Salamanca, onde se encontrava a recuperar dos ferimentos graves provocados pela queda do avião ‘Canadair’ no dia 08 de agosto.

Por sua vez, o jornal Faro de Vigo avança, citando o diário La Gaceta, que se aguardam os resultados da autópsia para determinar as causas da morte.

A queda do avião que combatia um incêndio no Parque Nacional da Peneda-Gerês, em Lindoso, concelho de Ponte da Barca, no distrito de Viana do Castelo, provocou a morte do piloto, de nacionalidade portuguesa, de 65 anos.

No dia do acidente, o copiloto foi transportado para o Hospital de Braga e no dia 15 de agosto foi transferido para o hospital Virgen de la Vega, em Salamanca, onde acabou por ser operado, refere o Faro de Vigo.

Continuar a ler

Alto Minho

Monção aprova voto de pesar pela morte do bispo de Viana

Óbito

em

Foto: dkixot / Até Brilhas

A Câmara de Monção aprovou hoje, por unanimidade, um voto de pesar pela morte do bispo de Viana do Castelo e cumpriu um minuto de silêncio por Anacleto Oliveira, vítima de um acidente de viação.

“O trágico falecimento de D. Anacleto Oliveira constitui uma perda irreparável para toda a região do Alto Minho, deixando-nos como legado uma atividade pastoral e cívica preponderante para o fortalecimento dos valores religiosos e humanistas na nossa região”, destaca o voto de pesar aprovado pelo executivo daquele concelho do distrito de Viana do Castelo.

O voto de pesar pela morte do bispo Anacleto Oliveira foi proposto pelo presidente da Câmara de Monção, António Barbosa, (PSD) e aprovado, por unanimidade, pelo executivo municipal, em reunião realizada hoje à tarde, no auditório da biblioteca municipal.

No documento, a Câmara refere que a morte do bispo “deixou um sentimento de profunda tristeza e enorme consternação na comunidade eclesiástica e na população”, destacando o seu “”papel espiritual relevante, sempre marcado por uma postura afável, serena, dialogante e cooperante”.

A diocese de Viana do Castelo informou hoje que as exéquias do bispo Anacleto Oliveira, vítima de um acidente de viação, vão iniciar-se na terça-feira devido ao atraso na libertação dos seus restos mortais.

Em declarações à agência Lusa, fonte da diocese de Viana do Castelo explicou que as cerimónias em honra de Anacleto Oliveira previstas para terem início hoje, na Sé Catedral da capital do Alto Minho, “foram canceladas devido ao atraso na libertação dos restos mortais do bispo, imprevisto alheio à diocese de Viana do Castelo”.

Aquela fonte acrescentou que, por ser “de todo imprevisível a hora de chegada do corpo do bispo a Viana do Castelo, [hoje] apenas se realizará uma cerimónia de caráter íntimo e privado”.

Na terça-feira, as portas da Sé Catedral de Viana do Castelo abrirão às 08:00.

Segundo a diocese, “a parte da manhã será destinada à oração livre e espontânea dos fiéis que, segundo uma entrada controlada e condicionada ao espaço disponível, poderão recolher-se em súplica e ação de graças junto dos restos mortais de D. Anacleto Oliveira”.

Às 15:00 “celebrar-se-á uma missa exequial, presidida pelo arcebispo primaz de Braga, D. Jorge Ferreira da Costa Ortiga, com a presença dos restantes bispos pertencentes à Conferência Episcopal Portuguesa, o presbitério da diocese de Viana do Castelo e os representantes dos diversos movimentos eclesiais, assim como autoridades civis e militares, segundo os lugares disponíveis e identificados dentro da Sé Catedral”.

Segundo a mesma fonte, o presidente da República confirmou hoje que irá marcar presença naquelas cerimónias na terça-feira à tarde.

Numa nota hoje enviada às redações, e devido à pandemia de covid-19, o administrador diocesano de Viana do Castelo apelou aos fiéis para que “participem à distância nas suas exéquias, que terão lugar na Sé Catedral”.

“Infelizmente continuamos confinados por causa da covid-19 e, por isso, sujeitos e obedientes à legislação estatal. Quer isto dizer que o espaço interior da Sé, com a demarcação exigida por lei, será reduzido. A convocatória que persisto em fazer será, por isso, para que, na hora da concelebração eucarística, liguem as redes de comunicação social com o fim de acompanhar da melhor forma possível as cerimónias fúnebres, que serão transmitidas, em direto, pela Rádio Renascença, pelo Facebook da Diocese e da Viana TV”, reforça Sebastião Ferreira.

O administrador diocesano apela ainda “aos milhares de jovens e (já) menos jovens que, durante os decorridos 10 anos, em visitas pastorais ou fora delas, pelo ministério episcopal de D. Anacleto, receberam, das suas mãos, o Sacramento da Confirmação (Crisma) para que o recordem na sua memória e no seu coração, com o propósito de se prepararem para a Jornada Mundial da Juventude”.

O funeral do bispo de Viana do Castelo realiza-se na quarta-feira, às 15:00, no cemitério das Cortes, em Leiria, terra natal de Anacleto Oliveira. Nessa manhã, a partir das 10:00, o corpo do bispo estará em câmara ardente na Sé Catedral de Leiria.

Anacleto Oliveira, de 74 anos, morreu na sexta-feira, na sequência do despiste do automóvel que conduzia na Autoestrada 2 (A2) perto de Almodôvar, no distrito de Beja.

Continuar a ler

Populares