Seguir o O MINHO

País

Prémio nacional dá 30 mil euros para projeto de combate ao abandono escolar

Candidaturas abertas até 30 de abril

em

Foto: REN / Arquivo

O Prémio Agir promovido pela empresa Redes Energéticas Nacionais (REN) entra na sua sexta edição e vai distinguir projetos ligados ao combate ao abandono Escolar e a promoção do sucesso escolar.


A empresa procura, para a edição deste ano, de projetos inovadores que se constituam como boas práticas, “capazes de induzir nas crianças e jovens o gosto pela escola e pela aprendizagem e ajudem a elevar a perceção do valor social da escolaridade e do sistema de ensino”, justifica a empresa em comunicado.

Do total de candidaturas são selecionados três projetos e os prémios também já estão definidos: ao primeiro classificado é atribuído um valor monetário de trinta mil euros, a segundo quinze mil euros e ao terceiro cinco mil euros.

As candidaturas de projetos deverão ser apresentadas até 30 de abril de 2019.

Anúncio

País

Red Hot Chili Peppers confirmados no Alive

Confirmações

em

Anthony Kiedis, dos Red Hot Chili Peppers. Foto: Facebook

O festival Alive, que se realiza entre 07 e 10 de julho de 2021 no Passeio Marítimo de Algés, em Oeiras, vai contar com Red Hot Chili Peppers, Angel Olsen e Moses Sumney no cartaz, anunciou hoje a organização.

Em comunicado divulgado quando falta um ano para o evento que, tal como a maioria dos outros festivais de verão, se viu forçado a cancelar a edição de 2020 devido à pandemia de covid-19, a organização acrescentou ainda os nomes de Alt-J, Two Door Cinema Club, Caribou, Parcels, Black Pumas, Fontaines D.C., Nothing But Thieves, Hobo Johnson and The Lovemakers, Alec Benjamin, Seasick Steve e Sea Girls.

Os bilhetes para 2021 já se encontram à venda e a organização recorda que quem tinha bilhete para este ano e quer estar presente no próximo tem de trocar o ingresso, “mediante lotação disponível”.

A 365 dias da 14ª edição, os Red Hot Chili Peppers juntam-se ao cartaz no dia 8 de julho de 2021, para uma atuação no…

Publicado por NOS Alive em Quarta-feira, 8 de julho de 2020

Os norte-americanos Red Hot Chili Peppers regressam, assim, a Portugal, quatro anos depois da passagem pelo SBSR, em Lisboa, tendo agora de volta às suas fileiras o guitarrista John Frusciante, que integrou a banda nos momentos de maior sucesso, como foram os discos “Blood Sugar Sex Magic” e “Californication”.

O anúncio do adiamento da 14.ª edição do NOS Alive para 2021 foi feito no dia 19 de maio, tendo como primeira confirmação os portugueses Da Weasel.

A lei que estabelece a proibição da realização de “festivais e espetáculos de natureza análoga” até 30 de setembro, promulgada pelo Presidente da República com reparos sobre “a garantia do princípio da igualdade”, foi publicada em Diário da República no final de maio.

A lei “que estabelece medidas excecionais e temporárias de resposta à pandemia da doença covid-19 no âmbito cultural e artístico, festivais e espetáculos de natureza análoga” foi aprovada no parlamento com os votos a favor do PS, PSD, PAN, BE e da deputada não inscrita Joacine Katar Moreira. Sem votos contra, a proposta de lei contou com a abstenção do CDS, PCP, PEV e Iniciativa Liberal.

No entanto, os espetáculos “podem excecionalmente” acontecer naquele período, em recinto coberto ou ao ar livre, com lugar marcado, seguindo as regras estabelecidas pela Direção-Geral da Saúde.

O diploma estabelece que o consumidor não terá direito à devolução do preço do bilhete para os espetáculos que estavam marcados entre 28 de fevereiro e 30 de setembro de 2020 e que foram reagendados por causa da pandemia da covid-19.

Os espetáculos abrangidos por esta lei “devem, sempre que possível ser reagendados”, sendo que o reagendamento do espetáculo não dá lugar à restituição do preço do bilhete, nem pode implicar o aumento do respetivo custo para quem à data do reagendamento já fosse seu portador”.

No entanto, no caso dos “festivais e espetáculos de natureza análoga”, o consumidor pode pedir a troca do bilhete por um vale “de igual valor ao preço pago”, válido até 31 de dezembro de 2021, e que pode ser utilizado na “aquisição de bilhetes de ingresso para o mesmo espetáculo a realizar em nova data ou para outros eventos realizados pelo mesmo promotor”.

Caso o vale não seja usado até 31 de dezembro de 2021, “o portador tem direito ao reembolso do valor do mesmo”, podendo pedi-lo a partir de 01 de janeiro de 2022, e “no prazo de 14 dias úteis”.

Continuar a ler

País

Lagarde admite usar programa de estímulos para combater alterações climáticas

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, admitiu usar o programa de compra de ativos do BCE no valor de 2,8 biliões de euros para combater as alterações climáticas, disse hoje numa entrevista ao jornal Financial Times.

“Quero explorar todas as vias disponíveis para combater as mudanças climáticas”, disse, numa entrevista em vídeo.

Segundo o jornal, esta é a primeira vez que Lagarde assume compromissos para implementar uma agenda mais “verde” nas ações do banco e que a medida tornaria o BCE o primeiro dos principais bancos centrais a usar um programa de compra de ativos com este objetivo.

O Banco, disse Lagarde ao FT, “precisa de analisar todas as linhas de negócios e operações para enfrentar as mudanças climáticas, porque no final do dia, o dinheiro fala mais alto”.

O BCE vai analisar formas de abordar as mudanças climáticas no âmbito da revisão estratégica lançada por Lagarde no início do ano e que recomeçou recentemente após ter sido suspensa quando a pandemia covid-19 surgiu em março.

Ativistas ambientais têm feito pressão sobre o BCE para alterar o programa de compra de ativos e vender obrigações “castanhas”, emitidas por empresas cuja atividade ainda produzir emissões de carbono elevadas, e aumentar as compras de títulos “verdes”.

No sábado, a economista já tinha previsto que a crise económica vai “mudar profundamente” a economia e conduzir a mais ecologia, mais digitalização e à alteração de métodos de trabalho, e que a Europa está em “excelente posição”.

“Na produção, no trabalho e no comércio, o que estamos a viver acelerará as transformações e provavelmente levará a uma evolução em direção a um modo de vida mais sustentável e mais verde”, disse, durante uma intervenção por videoconferência nas reuniões económicas de Aix-en-Seine, em Paris.

Perante estas transformações, “a Europa está numa posição excelente para pôr em marcha esta transição”, disse, sublinhando que o continente “já abriga o maior setor de economia circular e de inovação ecológica do mundo”, e que o euro foi a primeira moeda usada para a emissão de títulos verdes.

Continuar a ler

País

Políticos e especialistas reúnem-se hoje pela décima vez no Infarmed

Covid-19

em

António Costa: Foto: Twitter / António Costa

O chefe de Estado, primeiro-ministro, presidente da Assembleia da República, líderes partidários, patronais e sindicais reúnem-se hoje pela décima vez com especialistas para avaliar a situação epidemiológica da covid-19 em Portugal, no Infarmed, em Lisboa.

Estas sessões, que começam com apresentações técnicas e depois têm uma fase de perguntas, foram uma iniciativa do primeiro-ministro, António Costa, com um objetivo de partilha de informação, e ultimamente têm-se focado mais na Área Metropolitana de Lisboa, onde tem surgido a maioria dos novos casos de infeção pelo novo coronavírus.

O presidente do PSD, Rui Rio, considerou em entrevista ao Porto Canal, divulgada no sábado, que estas reuniões no Infarmed “começam a ter pouca utilidade” e deveriam “dar uma fotografia objetiva e curta” da situação, seguida de “conselhos técnicos”.

Após a última reunião, há duas semanas, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que habitualmente faz uma síntese das conclusões aos jornalistas, relatou que vários especialistas recomendaram a opção por “medidas concretas e específicas para áreas geográficas também específicas”, ao “nível de freguesia”, em vez de “medidas genéricas”.

O chefe de Estado considerou que esse foi “um dos pontos mais interessantes” dessa sessão, e afastou cenários de descontrolo da propagação da doença em Portugal e de rutura ou pré-rutura do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Entretanto, o Governo tomou decisões nesse sentido, colocando a generalidade do território nacional em situação de alerta devido à pandemia de covid-19, com exceção da Área Metropolitana de Lisboa, onde 19 freguesias continuaram em situação de calamidade e as restantes passaram a contingência.

Nestas sessões no Infarmed – Autoridade Nacional do Medicamento e Produtos de Saúde, em Lisboa, participam ainda, por videoconferência, os conselheiros de Estado.

A pandemia de covid-19, doença provocada por um novo coronavírus detetado em dezembro do ano passado no centro da China, atingiu 196 países e territórios e já fez mais de 500 mil mortos a nível global, segundo a agência de notícias francesa AFP.

Em Portugal, os primeiros casos foram confirmados no dia 02 de março e até agora morreram 1.629 pessoas num total de 44.416 contabilizadas como infetadas, de acordo com o relatório de terça-feira da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

Populares