Seguir o O MINHO

País

Portugal ultrapassa hoje os mil casos de covid-19 diários

Anunciou secretário de Estado em Braga

em

Foto: DR / Arquivo

Portugal passou esta quinta-feira a barreira dos mil casos diários de covid-19, revelou o secretário de Estado adjunto e da Saúde, António Lacerda sales, numa cerimónia em Braga.


O boletim da DGS referente a esta quinta-feira só é divulgado ao início da tarde.

É a primeira vez que tal acontece desde abril.

Esta é a terceira vez em que Portugal ultrapassa os mil casos por covid-19 desde o início da pandemia, sendo a primeira a 31 de março (com 1035 casos) e a segunda a 10 de abril (com 1516 casos).

Anúncio

País

Violência sexual contra crianças continua tabu mas perigos na net são cada vez maiores

Abuso sexual de menores

em

Foto: Ilustrativa / DR

Uma em cada cinco crianças já tenha sido vítima de violência sexual, um tema tabu que quase sempre acontece no seio das famílias, mas que é cada vez mais visível nas redes sociais.

Quarta-feira assinala-se o Dia Europeu da Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e o Abuso Sexual e a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ) realiza um webinar sobre “Prevenir comportamentos de risco das crianças: imagens e/ou vídeos de cariz sexual de crianças produzidos pelos próprios”.

De acordo com a presidente da CNPDPCJ, o tema foi pensado pelo Conselho da Europa e pretende trazer para a discussão o desafio das novas tecnologias e dos novos perigos a que as crianças e os jovens se estão a expor, muitas das vezes sem saberem, ao partilharem fotografias ou vídeos seus, de cariz sexual, e disseminando-os através da internet.

“Os abusos sexuais continuam a ser uma realidade completamente invisível, continua a ser um assunto tabu, mas dados internacionais ou pelo menos de estudos realizados no âmbito do conselho da Europa dizem que uma em cada cinco crianças já foi vítima de abusos sexuais”, apontou Rosário Farmhouse.

Segundo a responsável, 80% destes casos de violência sexual acontecem no “círculo de confiança da criança, na família ou adultos de referência, com quem a criança convive e em quem confia e que acabam depois por desenvolver comportamentos abusivos”.

De acordo com Rosário Farmhouse, “há um tabu muito grande” em relação aos crimes sexuais contra as crianças, as quais são também manipuladas a não contar aquilo por que estão a passar.

“Como aquilo está a ser perpetrado por alguém da sua confiança, tantas vezes acabam por não dizer ou quando dizem nem sempre os outros adultos querem ouvir ou acreditar que seja verdade”, alertou.

Uma situação que levou a responsável a defender que é preciso uma atenção especial no momento de capacitar as crianças de que têm direito ao seu corpo, à sua privacidade e à sua intimidade e têm o direito de dizer não.

Pediu também que os adultos estejam atentos para perceber que “se uma criança tentar contar segredo como este, têm de apoiar e têm de fazer caminho”, lembrando que existem linhas telefónicas para denunciar, como por exemplo, uma da Polícia Judiciária que funciona 24 horas.

Relativamente às redes sociais, Rosário Farmhouse explicou que a opção do Conselho da Europa por este tema teve a ver com o facto de as crianças passarem muitas horas em frente aos écrans e a proteção das crianças ser hoje muito diferente do que era há alguns anos.

“Antes os pais não deixavam as crianças irem para a rua com medo de que encontrassem um estranho e hoje podem estar em perigo no próprio quarto a falar com pessoas que não conhecem e tantas vezes deixam-se fotografar e ser filmadas. Ou às vezes até conhecem e são amigos e pensam que estão a mandar só para uma pessoa e torna-se viral”, alertou.

Segundo a responsável, “os perigos dos abusos sexuais através da internet são cada vez maiores” e, apesar de esta ser uma preocupação por parte do Conselho da Europa, a verdade é que também em Portugal há casos.

“Soube de uma situação real de uma criança com nove anos que a mãe foi encontrar já a despir-se para a câmara, para alguém que não conhecia e com quem tinha feito amizade virtual”, contou.

Por isso, afirmou, estes casos de violência sexual contra crianças e jovens também acontecem em Portugal, “em casa das famílias em Portugal, nos quartos das famílias em Portugal”.

“Temos de ter todos cuidado e estar atentos e acima de tudo comunicação com as crianças, conversar com elas, as escolas já têm muito estas temáticas, mas as famílias falarem sobre estes perigos e criar uma relação de confiança com a criança para que ela também se sinta segura a falar de algumas coisas que possam ter acontecido e de que ela não gostou”, defendeu Rosário Farmhouse.

Acrescentou que como estes casos se passam muitas vezes nestes círculos de confiança, a própria criança tem dificuldade em reconhecer que está exposta ao perigo.

Continuar a ler

País

Violência sexual contra crianças continua tabu mas perigos na net são cada vez maiores

Dia Europeu da Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e o Abuso Sexual

em

Uma em cada cinco crianças já tenha sido vítima de violência sexual, um tema tabu que quase sempre acontece no seio das famílias, mas que é cada vez mais visível nas redes sociais.

Quarta-feira assinala-se o Dia Europeu da Proteção das Crianças contra a Exploração Sexual e o Abuso Sexual e a Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Proteção das Crianças e Jovens (CNPDPCJ) realiza um webinar sobre “Prevenir comportamentos de risco das crianças: imagens e/ou vídeos de cariz sexual de crianças produzidos pelos próprios”.

De acordo com a presidente da CNPDPCJ, o tema foi pensado pelo Conselho da Europa e pretende trazer para a discussão o desafio das novas tecnologias e dos novos perigos a que as crianças e os jovens se estão a expor, muitas das vezes sem saberem, ao partilharem fotografias ou vídeos seus, de cariz sexual, e disseminando-os através da internet.

“Os abusos sexuais continuam a ser uma realidade completamente invisível, continua a ser um assunto tabu, mas dados internacionais ou pelo menos de estudos realizados no âmbito do conselho da Europa dizem que uma em cada cinco crianças já foi vítima de abusos sexuais”, apontou Rosário Farmhouse.

Segundo a responsável, 80% destes casos de violência sexual acontecem no “círculo de confiança da criança, na família ou adultos de referência, com quem a criança convive e em quem confia e que acabam depois por desenvolver comportamentos abusivos”.

De acordo com Rosário Farmhouse, “há um tabu muito grande” em relação aos crimes sexuais contra as crianças, as quais são também manipuladas a não contar aquilo por que estão a passar.

“Como aquilo está a ser perpetrado por alguém da sua confiança, tantas vezes acabam por não dizer ou quando dizem nem sempre os outros adultos querem ouvir ou acreditar que seja verdade”, alertou.

Uma situação que levou a responsável a defender que é preciso uma atenção especial no momento de capacitar as crianças de que têm direito ao seu corpo, à sua privacidade e à sua intimidade e têm o direito de dizer não.

Pediu também que os adultos estejam atentos para perceber que “se uma criança tentar contar segredo como este, têm de apoiar e têm de fazer caminho”, lembrando que existem linhas telefónicas para denunciar, como por exemplo, uma da Polícia Judiciária que funciona 24 horas.

Relativamente às redes sociais, Rosário Farmhouse explicou que a opção do Conselho da Europa por este tema teve a ver com o facto de as crianças passarem muitas horas em frente aos écrans e a proteção das crianças ser hoje muito diferente do que era há alguns anos.

“Antes os pais não deixavam as crianças irem para a rua com medo de que encontrassem um estranho e hoje podem estar em perigo no próprio quarto a falar com pessoas que não conhecem e tantas vezes deixam-se fotografar e ser filmadas. Ou às vezes até conhecem e são amigos e pensam que estão a mandar só para uma pessoa e torna-se viral”, alertou.

Segundo a responsável, “os perigos dos abusos sexuais através da internet são cada vez maiores” e, apesar de esta ser uma preocupação por parte do Conselho da Europa, a verdade é que também em Portugal há casos.

“Soube de uma situação real de uma criança com nove anos que a mãe foi encontrar já a despir-se para a câmara, para alguém que não conhecia e com quem tinha feito amizade virtual”, contou.

Por isso, afirmou, estes casos de violência sexual contra crianças e jovens também acontecem em Portugal, “em casa das famílias em Portugal, nos quartos das famílias em Portugal”.

“Temos de ter todos cuidado e estar atentos e acima de tudo comunicação com as crianças, conversar com elas, as escolas já têm muito estas temáticas, mas as famílias falarem sobre estes perigos e criar uma relação de confiança com a criança para que ela também se sinta segura a falar de algumas coisas que possam ter acontecido e de que ela não gostou”, defendeu Rosário Farmhouse.

Acrescentou que como estes casos se passam muitas vezes nestes círculos de confiança, a própria criança tem dificuldade em reconhecer que está exposta ao perigo.

Continuar a ler

País

AR preparada para votar evetual renovação da emergência 6.ª feira

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Assembleia da República pré-agendou para sexta-feira às 09:00 o debate e votação de uma eventual renovação do estado de emergência, caso esta venha a ser decidida pelo Presidente da República.

A informação consta de uma carta enviada pelo presidente da Assembleia da República, Ferro Rodrigues, às várias bancadas e serviu para desconvocar uma conferência de líderes inicialmente marcada para hoje, para fixar agendamentos.

De acordo com fontes de vários grupos parlamentares, a intenção é que o plenário já marcado para sexta-feira para debater a proposta de Orçamento do Estado para 2021 na especialidade seja antecipado uma hora, para as 09:00, tendo como primeiro ponto o debate da renovação do estado de emergência, caso chegue ao parlamento um pedido de autorização do chefe do Estado nesse sentido.

O debate de há quinze dias sobre o estado de emergência teve uma duração inferior a uma hora, seguindo-se a votação do decreto presidencial.

O atual período de 15 dias de estado de emergência, que foi aprovado no parlamento com votos a favor de PS, PSD e CDS-PP, abstenções de BE, PAN e Chega e votos contra de PCP, PEV e Iniciativa Liberal, termina às 23:59 da próxima segunda-feira, 23 de novembro.

Para renovar por mais 15 dias este quadro legal para a adoção de medidas de contenção da covid-19, Marcelo Rebelo de Sousa tem de ter ouvido o Governo e de ter autorização da Assembleia da República, processo que deverá decorrer até sexta-feira.

O estado de emergência, que nunca antes tinha sido aplicado em Portugal em democracia, esteve em vigor entre 19 de março e 02 de maio, com duas renovações consecutivas, por um total de 45 dias.

Pode ser decretado em situações de calamidade pública para permitir suspender o exercício de alguns direitos, liberdades e garantias, que têm de estar especificados na respetiva declaração.

Ao decretar este novo período de estado de emergência, o Presidente da República descreveu-o como “muito limitado, sem confinamentos compulsivos” e disse que iria ser “reavaliado no final de novembro, na sua existência, no seu âmbito e no seu conteúdo”.

Ao abrigo do decreto presidencial que está em vigor, o Governo restringiu a circulação nos concelhos com maior taxa de incidência de covid-19, proibindo deslocações entre as 23:00 e as 05:00 nos dias de semana e a partir das 13:00 no anterior e no próximo fim de semana.

Em Portugal, onde os primeiros casos de infeção com o novo coronavírus foram detetados no dia 02 de março, já morreram pelo menos 3.472 pessoas devido à covid-19 em 225.672 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

Populares