Seguir o O MINHO

País

Portugal regista todos os anos mais de 60 mil novos casos de diabetes

Programa Nacional para a Diabetes

em

Foto: DR / Arquivo

Portugal regista 60 mil a 70 mil novos casos de diabetes todos os anos – a maioria do tipo II – e cerca de 8% da população está registada como tendo a doença, disse hoje a diretora do Programa Nacional para a Diabetes.

De acordo com Sónia Duval, Portugal apresenta uma prevalência desta doença acima da média da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (que congrega 36 países), contribuindo para essa realidade fenómenos como o sedentarismo, alguns hábitos alimentares e a obesidade e excesso de peso da população.

Na apresentação de dados estatísticos que irão constar do Relatório do Programa Nacional para a Diabetes, que será divulgado até final do ano, Sónia Duval indicou que a prevalência da diabetes em Portugal é de 9,9 contra 6,4 de média da OCDE.

Estes elementos foram divulgados numa sessão realizada no auditório do INFARMED/Instituto da Farmácia e do Medicamento, em Lisboa, na presença do secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, que, à semelhança de Sónia Duval, indicou que a percentagem de mortes por diabetes em Portugal tem vindo a reduzir, mas a admissão hospitalar devido a esta doença tem aumentado.

Sónia Duval e António Sales sublinharam que o verdadeiro problema das diabetes está nas complicações e consequências desta doença que pode provocar a cegueira, doenças renais, enfartes, acidentes vasculares cerebrais (AVC) e amputações de membros.

Os dois responsáveis alertaram para a importância das ações e campanhas de educação e saúde, tendo Sónia Duval referido que a informação e a literacia sobre o assunto deve começar nas escolas ou até na gravidez, junto da mãe e da família da futura criança.

Promover a atividade física e através da literacia informar as pessoas sobre os comportamentos de risco que podem levar à doença foram outros conselhos deixados por Sónia Duval.

Relativamente aos hábitos alimentares dos portugueses, Sónia Duval salientou que é positivo que haja o hábito de comer fruta, mas apontou para o défice no consumo de vegetais, associado a outros erros alimentares que conduzem à obesidade e ao excesso de peso da população em geral.

Quanto à doença propriamente dita, a diretora do Programa Nacional da Diabates notou que 90% dos casos em Portugal são de diabetes tipo II, ou seja, aquela que atinge sobretudo uma faixa etária acima dos 40 anos de idade.

O relatório do Programa Nacional para a Diabetes – segundo Sónia Duval – está muito perto de estar concluído, sendo os custos da diabetes em Portugal, nomeadamente do internamento, um dos pontos que falta terminar.

A sessão contou também com a apresentação do `dashboard´ da Diabetes por Isabel Alves, da direção de Serviços de Informação e Análise – Divisão de Epidemiologia e Estatística, e Ana Filipa Martins, adjunta do Programa Nacional para a Diabetes.

Anúncio

País

Presidente da República diz que investimento angolano é bem vindo se respeitar a “legalidade”

Luanda Leaks

em

Foto: Presidência / Arquivo

O Presidente da República afirmou, esta terça-feira, que é bem-vindo a Portugal o investimento de todo o mundo desde que respeite a legalidade, a propósito do caso “Luanda Leaks”, que remeteu para o poder judiciário e reguladores.

Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado sobre esta investigação de um conjunto de órgãos de comunicação, em que foram detalhados esquemas financeiros da empresária angolana Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, num hotel de Jerusalém, onde se encontra para participar no 5.º Fórum Mundial do Holocausto.

“Eu disse, em geral, que o investimento vindo desse país, como de outros países, como de cidadãos de todo o mundo, é bem-vindo, naturalmente no respeito da constitucionalidade e da legalidade. Continua a ser bem-vindo”, respondeu aos jornalistas.

O Presidente da República, que tinha sido confrontado com anteriores declarações suas sobre o investimento angolano em Portugal, acrescentou: “Aliás, ainda esta semana o primeiro-ministro falou disso, da importância do investimento externo e do crescimento em Portugal. Isso eu mantenho completamente”.

Quanto à atuação das autoridades portuguesas face ao caso “Luanda Leaks”, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que “aparentemente” esta é “uma matéria que envolve poderes do poder judiciário, das instituições judiciais de investigação e de decisão, e dos supervisores, e dos reguladores – que são independentes e devem ser independentes”, e não o poder político.

“Cabe agora, naturalmente, a esses poderes analisarem o que devem fazer, como devem fazer, se tiverem de o fazer. O Presidente da República não vai dizer o que é que pensa da intervenção do Ministério Público, o que é que pensa da intervenção de um tribunal num determinado caso, o que é que pensa da intervenção de uma entidade reguladora, que são muitas, que podem ter a ver com estas atividades”, defendeu.

Continuar a ler

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO/Arquivo

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta terça-feira, 21 de janeiro: 10, 11, 24, 36 e 46 (números) e 3 e 5 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 17 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Marcelo Rebelo de Sousa e Presidente de Israel acertam troca de visitas de Estado

Presidente da República

em

Foto: Twitter

O Presidente da República acertou, esta terça-feira, uma troca de visitas de Estado com o seu homólogo israelita, Reuven Rivlin, e manifestou a vontade de regressar a Israel para a inauguração da futura praça Aristides de Sousa Mendes.

Em declarações aos jornalistas, num hotel de Jerusalém, depois de ter sido recebido por Reuven Rivlin na residência oficial do Presidente do Estado de Israel, Marcelo Rebelo de Sousa considerou que este encontro “correu muito bem” e que se verificou “uma aproximação” de posições entre os dois sobre a situação regional.

O chefe de Estado, que chegou esta terça-feira a Jerusalém para participar no 5.º Fórum Mundial do Holocausto, na quinta-feira, assinalou que “não havia a vinda de um Presidente português a Israel desde o Presidente Mário Soares, há 25 anos”.

Marcelo Rebelo de Sousa disse que convidou o seu homólogo israelita “a visitar Portugal, se possível até ao fim do ano”, adiantando que, a concretizar-se essa visita, que depende do “calendário apertado” de Reuven Rivlin, ficou acertado que fará depois uma visita recíproca a Israel.

Questionado se voltará a Israel para inaugurar a futura praça com o nome de Aristides de Sousa Mendes em Jerusalém, o Presidente da República respondeu que o seu plano era “ter agora participado na inauguração da praça” ou, pelo menos, “na primeira pedra que fosse colocada”, lamentando: “Mas infelizmente ainda não há praça”.

“É evidente que, vindo a resolver-se esse problema em tempo ou de calhar coincidentemente com a minha visita a Israel ou de justificar uma presença noutra circunstância, eu terei muito prazer e muita honra”, acrescentou.

“Se for, quando for, melhor, se coincidir com esta troca de visitas de Estado, melhor ainda”, reforçou Marcelo Rebelo de Sousa, que termina este seu mandato em março de 2021.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

PASSATEMPO

ÚLTIMAS

Reportagens da Semana

Populares