Seguir o O MINHO

Futebol

Portugal reforça sexto lugar no ranking da UEFA com ajuda do SC Braga

Lugar ‘milionário’

em

Foto: DR /Arquivo

Portugal reforçou, na quinta-feira, o ‘milionário’ sexto lugar do ‘ranking’ de clubes da UEFA, destacando-se da Rússia, ao somar dois triunfos e um empate na terceira jornada da fase de grupos da Liga Europa em futebol.

Depois de ter assumido na quarta-feira o lugar que vale três equipas na ‘Champions’ em 2021/22, duas com entrada direta, face ao triunfo do Benfica sobre o Lyon (2-1), para a Liga dos Campeões, as equipas portuguesas voltaram hoje a superiorizar-se às russas.

Face aos triunfos do SC Braga (2-1 no reduto do Besiktas) e do Sporting (1-0 ao Rosenborg) e ao empate do FC Porto (1-1 com o Rangers), Portugal totalizou 1,000 pontos, passando a somar 44,849.

A ‘colheita’ lusa ainda poderia ter sido mais favorável, já que os ‘dragões’ estiveram a vencer, tal com o Vitória, que liderou por 1-0 e 2-1 na casa do Arsenal, antes de cair por 3-2, face a dois livres diretos, aos 80 e 90+2 minutos, ambos do suplente marfinenses Nicolas Pépé.

Por seu lado, a Rússia, que só havia acumulado derrotas na ‘Champions’ – pelo Lokomotiv Moscovo (1-2 com a Juventus, na terça-feira) e o Zenit (1-2 com o Leipzig) -, conseguiu hoje apenas um triunfo, pelo Krasnodar (2-0 fora ao Trabzonspor).

A vitória valeu aos russos 0,333 pontos, para um total de 43,883. A outra formação que está na fase de grupos da Liga Europa, o CSKA Moscovo, caiu por 1-0 na receção ao Ferencvaros.

As formações lusas estão em maioria (cinco contra quatro) na fase de grupos e todos os pontos que somarem (dois por vitória e um por empate) são divididos por cinco (0,4 por vitória e 0,2 por empate), enquanto os russos têm de dividir os seus por seis (0,333 por triunfo e 0,166 por igualdade).

Portugal, que já sabe que em 2020/21 (sétimo nas contas entre 2014/15 a 2018/19) manterá a situação atual – uma entrada direta na ‘Champions’ e outra na terceira pré-eliminatória -, está bem posicionado para acabar a presente temporada no sexto posto e conseguir, em 2021/22, recuperar uma segunda entrada direta.

– ‘Ranking’ da UEFA dos últimos cinco anos:

1. Espanha 90,855

2. Inglaterra 79,605

3. Alemanha 62,355

4. Itália 61,225

5. França 52,415

6. PORTUGAL 44,849

7. Rússia 43,883

8. Bélgica 35,500

9. Holanda 33,350

10. Ucrânia 32,500

Anúncio

Desporto

Jogador do Famalicão, Pedro Gonçalves, doa material de proteção a hospital e bombeiros

Depois de ter doado um ventilador

em

Foto: DR / Arquivo

O jogador do Famalicão Pedro Gonçalves, da I Liga de futebol, vai oferecer, juntamente com o empresário Jorge Pires, 2.500 máscaras e 50 fatos de proteção ao Hospital de Chaves e Bombeiros de Vidago, após terem doado um ventilador.

O anúncio foi divulgado hoje na página na rede social Facebook de Jorge Pires e a oferta deve-se à “notória falta de material de proteção” nos profissionais de saúde do Hospital de Chaves e dos Bombeiros de Vidago face à pandemia covid-19.

O médio de 21 anos Pedro Gonçalves e o seu empresário Jorge Pires são naturais de Vidago, concelho de Chaves, distrito de Vila Real.

A oferta será de 2.500 máscaras cirúrgicas e ainda de 50 fatos de proteção, que “serão distribuídas por estas duas entidades”.

Na nota é ainda pedido à população de Vidago para que “ajudem os bombeiros nesta fase de extrema necessidade”.

Pedro Gonçalves, juntamente com os seus empresários Jorge Mendes e Jorge Pires, e ainda o jogador do Desportivo de Chaves André Liberal, anunciou em 24 de março a doação de um ventilador para o Hospital de Chaves.

O flaviense representa o Famalicão desde o início da temporada e soma 31 jogos oficiais e seis golos, após duas temporadas na equipa inglesa do Wolverhampton.

Pedro Gonçalves fez formação no Vidago, Desportivo de Chaves e Sporting de Braga, em Portugal, representando durante duas temporadas o Valência, de Espanha.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou perto de 866 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil.

Dos casos de infeção, pelo menos 172.500 são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 187 mortes, mais 27 do que na véspera (+16,9%), e 8.251 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 808 em relação a terça-feira (+10,9%).

Dos infetados, 726 estão internados, 230 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 43 doentes que já recuperaram.

Portugal, onde os primeiros casos confirmados foram registados no dia 02 de março, encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril.

Continuar a ler

Desporto

Fernando Gomes reúne-se com presidentes dos 34 clubes profissionais

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e os presidentes da Liga e dos clubes das competições profissionais vão reunir-se hoje, após o encontro da UEFA com as suas filiadas devido à pandemia de covid-19.

Fonte ligada ao processo confirmou à Lusa a realização durante a tarde de hoje deste encontro de Fernando Gomes com os 34 presidentes de clubes da I Liga e da II Liga, para a qual foi convidado o presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), Pedro Proença.

Esta reunião ocorre no mesmo dia em que a UEFA, que rege o futebol europeu, se reuniu com as 55 federações nacionais, na qual o diretor-executivo Tiago Craveiro foi o representante da FPF, e um dia depois de Gomes ter-se reunido com os representantes das 22 associações distritais e regionais.

Na sexta-feira, a FPF decidiu cancelar as provas dos escalões de formação, que estavam suspensas desde 10 de março, dois dias antes de o organismo regulador do futebol português ter decidido suspender também as competições de seniores.

A FPF optou por concluir “as competições nacionais de todos os escalões de formação de futebol e futsal, masculinas e femininas, não resultando das mesmas qualquer efeito desportivo imediato”, acrescentando que “não serão atribuídos títulos nas referidas competições, nem aplicado o regime de subidas e descidas”.

Os jogos da I Liga e II Liga de futebol estão suspensos, por tempo indeterminado, desde 12 de março.

Após 24 das 34 jornadas, o FC Porto lidera o principal escalão, com 60 pontos, mais um do que o campeão Benfica, enquanto o Nacional segue no primeiro lugar da II Liga, com 50 pontos, no mesmo número de jogos, mais dois do que o Farense.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de covid-19, já infetou mais de 865 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 43 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, registaram-se 187 mortes e 8.251 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde (DGS).

Continuar a ler

Desporto

Sindicato alerta para “dramas humanos” devido a salários em atraso a jogadores

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A pandemia de covid-19 tem sido usada como justificação da gestão desportiva irresponsável dos clubes e estão a surgir “dramas humanos” devido a incumprimentos salariais, disse hoje à Lusa o presidente do Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol (SJPF).

Joaquim Evangelista revela que estão a surgir “dramas humanos”, com “a privação de recursos financeiros para que jogadores, em especial os estrangeiros, satisfaçam as necessidades mais básicas, como a alimentação”.

“Neste momento a situação é preocupante, temos muitos pedidos de apoio, em especial no Campeonato de Portugal (CP) e não vemos da parte dos clubes a capacidade, ou mesmo o interesse, em responder eficaz e solidariamente”, alerta Joaquim Evangelista.

A Federação Portuguesa de Futebol (FPF) está ao corrente e em articulação diária, para se poder responder com o Fundo de Garantia Salarial, no imediato, mas o SJPF quer mais: “É momento de os dirigentes do CP serem chamados a assumir os compromissos a que se vincularam”, acrescenta.

Para o dirigente, a pandemia de covid-19 foi usada como pretexto “para justificar uma gestão desportiva irresponsável, que já resultava de momento anterior” e a situação verifica-se nas competições profissionais e no CP.

“A situação salarial nas competições profissionais não é tão complexa, ainda, porque, felizmente, os mecanismos de licenciamento introduzidos ajudam a mitigar este tipo de situação”, realça.

Sobre o pagamento dos salários de março, Joaquim Evangelista explica que “alguns clubes já realizaram ou garantiram o pagamento”, mas há casos de clubes que “mesmo sem fundamento legal estão a adiar ou a pressionar os jogadores para aceitarem os cortes”.

“Estamos a monitorizar, com preocupação, existem muitos casos de incumprimento já registados, isso podemos confirmar”, aponta.

Com a pandemia de covid-19 houve ainda pedidos de ajuda ao SJPF por parte de jogadores estrangeiros para abandonarem o país.

Segundo Joaquim Evangelista, os “pedidos de informação” não foram em grande número e o sindicato ajudou os jogadores a contactar as embaixadas dos respetivos países em Portugal.

“Procurámos perceber as condições de um voo de retorno ao país de origem ou repatriamento, em caso de abandono, e articular algumas informações úteis com o SEF, se necessário”, explica.

Considerando que Portugal tem respondido com segurança a esta crise e que dá aos cidadãos que vivem no país, apesar do medo natural, alguma tranquilidade, o responsável do sindicato garantiu que continuará atento.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 828 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram mais de 41 mil. Dos casos de infeção, pelo menos 165 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, que está em estado de emergência desde as 00:00 de 19 de março e até às 23:59 de 02 de abril, registaram-se 160 mortes e 7.443 casos de infeções confirmadas, segundo o balanço feito na terça-feira pela Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Populares