Seguir o O MINHO

País

Portugal em quarto lugar na apreensão de haxixe na Europa

Canábis mantém-se como a “mais amplamente utilizada” droga na Europa

em

Foto: DR

Portugal foi o quarto país europeu com maior quantidade de haxixe apreendida em 2017, segundo um relatório internacional hoje divulgado, que alerta para os perigos de uma fraca regulação da canábis para fins medicinais.


A canábis mantém-se como a “mais amplamente utilizada” droga na Europa, correspondendo a 38% do mercado de drogas ilícitas na União Europeia (UE), refere o relatório do Conselho Internacional de Fiscalização de Estupefacientes.

Dados de 2016 indicam que foram realizadas na UE mais de 760 mil apreensões de produtos de canábis, sendo 420 mil de canábis em erva, 22 mil apreensões de plantas e mais de 300 mil de resina de canábis (haxixe).

Portugal surge como o quarto país da Europa que em 2017 apreendeu maior quantidade de haxixe, com 14,8 toneladas.

A Espanha, como principal ponto de entrada para a resina de canábis produzida em Marrocos, surge como o país com mais produto apreendido, com 333 toneladas, seguido de França, com 57 toneladas e de Itália com 18,7 toneladas.

Depois do quarto lugar de Portugal, surge a Grécia, com 6,3 toneladas e o Reino Unido 6,3 toneladas. Todos os restantes países reportaram menos de três toneladas de haxixe apreendido em 2017, incluindo Suécia, Noruega, Polónia ou Rússia.

No relatório hoje divulgado, o Conselho Internacional de Fiscalização de Estupefacientes avisa que programas de canábis para uso terapêutico mal regulados podem levar a um aumento do consumo de canábis para fins recreativos.

O organismo das Nações Unidas manifesta ainda a sua preocupação com a criação de legislação sobre uso não medicinal de canábis que é contrária às convenções de controlo de droga e pode pôr em risco a saúde pública.

Para o Conselho Internacional, a perceção do risco da canábis pode ser suavizada por programas de canábis para fins terapêuticos que não sejam suficientemente regulados, podendo contribuir para a legalização do uso da canábis.

O relatório alerta que uma fraca regulação da canábis para fins terapêuticos pode ainda “reduzir a preocupação do público com o perigo associado ao uso da canábis”.

O documento indica que “a legalização da canábis para fins recreativos (…) representa um desafio significativo para a saúde e bem-estar, particularmente entre os mais jovens”.

Anúncio

País

Banco de Portugal “deve voltar a ser uma instituição de referência”, diz Centeno

Economia

em

Mário Centeno. Foto: DR / Arquivo

Mário Centeno disse hoje, no parlamento, que o Banco de Portugal deve voltar a ser uma instituição de referência e não se pode fechar numa torre de marfim, nem caracterizar a sua ação “pelo antagonismo ou isolacionismo”.

“Conheço bem o Banco de Portugal. O Banco de Portugal deve voltar a ser uma instituição de referência em Portugal e na Europa, já que congrega muitos dos melhores técnicos formados nas universidades portuguesas. O Banco de Portugal tem de se tornar sinónimo de ação para enfrentar os inúmeros desafios, mas não o deve enfrentar numa torre de marfim, mas com a sociedade”, disse o ex-ministro das Finanças na sua intervenção inicial na comissão de orçamento e finanças, onde está a ser ouvido no âmbito da sua indigitação para governador do Banco de Portugal.

O ex-ministro das Finanças do atual Governo, que saiu do executivo no início de junho, considerou ainda que o Banco de Portugal tem de exercer a sua ação em complementaridade com as outras instituições da República e em relação com a sociedade, não em antagonismo.

“O papel do Banco de Portugal não se pode caracterizar pelo antagonismo nem pelo isolacionismo, mas antes pela complementaridade com o Governo, os restantes supervisores financeiros e com a comunidade científica, enfim, com a sociedade”, afirmou.

Em 25 de junho, o Governo comunicou ao presidente da Assembleia da República a proposta de nomear o ex-ministro das Finanças Mário Centeno para o cargo de governador do Banco de Portugal.

A escolha de Centeno foi polémica, pelo facto de este responsável passar quase diretamente do Ministério das Finanças (onde foi ministro até junho) para o Banco de Portugal e, em 09 de junho, foi sido mesmo aprovado no parlamento, na generalidade, um projeto do PAN que estabelecia um período de nojo de cinco anos entre o exercício de funções governativas na área das Finanças e o desempenho do cargo de governador.

Contudo, em 17 de junho a esquerda parlamentar (PCP e BE, sendo já sabido que PS era contra) demarcou-se da intenção do PAN de estabelecer esse período de nojo e, em 25 de junho, o parlamento suspendeu por quatro semanas a apreciação na especialidade do projeto do PAN até chegar o parecer pedido ao Banco Central Europeu (BCE), no mesmo dia em que o executivo comunicou oficialmente a sua escolha.

Mário Centeno nasceu no Algarve em 1966 e licenciou-se em economia no ISEG, em Lisboa (onde chegou a professor catedrático). Depois de regressar de Harvard com um doutoramento, em 2000, ingressou no Banco de Portugal, no qual foi economista, diretor-adjunto do Departamento de Estudos Económicos e consultor da administração.

Entre novembro de 2015 e junho de 2020 foi ministro das Finanças dos dois Governos PS liderados por António Costa. Foi eleito presidente do Eurogrupo, o grupo de ministros das Finanças da zona euro, e levou as contas públicas portuguesas ao primeiro saldo positivo em democracia, mais concretamente desde o ano de 1973.

Contudo, o seu percurso também foi feito de polémicas (em 2017, o caso das trocas de SMS com o gestor António Domingues, da Caixa Geral de Depósitos, o que originou uma comissão parlamentar de inquérito, e mais recentemente com o primeiro-ministro sobre a injeção de capital no Novo Banco) e a sua saída foi criticada por quadrantes políticos que o acusaram de abandonar o barco no meio da tempestade provocada pela covid-19.

Quanto ao atual governador, Carlos Costa termina hoje (08 de julho) formalmente o segundo mandato no Banco de Portugal (onde está há 10 anos), mas irá manter-se em funções até à tomada de posse do sucessor.

Continuar a ler

País

Mais quatro casos positivos determinam encerramento da Câmara de Paços de Ferreira

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Câmara de Paços de Ferreira anunciou hoje que foram detetados mais quatro casos de covid-19 entre colaboradores da autarquia, o que levou a autoridade de saúde a encerrar ao público os Paços do Concelho.

Os quatro infetados com o novo coronavírus resultam dos testes realizados, na terça-feira, a todos os funcionários, depois de naquele dia ter sido conhecido um caso positivo num colaborador do município do distrito do Porto.

“A partir desta quarta-feira feira, dia 08 de julho, a Câmara Municipal de Paços de Ferreira estará encerrada ao público”, informa a autarquia, em comunicado enviado à Lusa.

Neste momento, há cinco casos confirmados de covid-19 na autarquia, que acrescenta que são esperados para as próximas horas mais resultados aos testes efetuados.

“A Autoridade de Saúde Pública Local, em articulação com a Câmara Municipal, face à situação descrita, decidiu pelo encerramento temporário do edifício sede do município, encontrando-se todos os colaboradores em isolamento obrigatório”, acrescenta.

No comunicado, a autarquia especifica ainda que a Autoridade de Saúde Pública Local, em articulação com a Câmara Municipal, face à situação descrita, determinou que permaneçam em isolamento obrigatório todos os funcionários que foram testados positivos e em isolamento profilático os demais colaboradores.

“Apesar dos constrangimentos que esta situação naturalmente causará, a Câmara Municipal, os seus funcionários e todo o executivo, não deixarão de continuar a trabalhar, garantindo aos munícipes toda a ajuda e colaboração necessária, sobretudo num momento tão complexo e difícil que o concelho, o país e o mundo atravessam”, assinala-se no comunicado.

A Câmara de Paços de Ferreira continuará, durante os próximos dias, a emitir informações públicas sobre esta situação, sempre que se justificar.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 539 mil mortos e infetou mais de 11,69 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.629 pessoas das 44.416 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

País

Três pessoas baleadas junto a bar de Matosinhos

Distrito do Porto

em

Foto: DR / Arquivo

Três pessoas sofreram hoje de madrugada ferimentos ao serem atingidas por tiros junto a um bar no centro de Matosinhos, num caso que já está a ser investigado pela Polícia Judiciária, disse à agência Lusa fonte da PSP.

Fonte do Comando da PSP do Porto contou que um dos homens foi atingido por uma bala no tórax e os restantes dois nas pernas.

Todos foram conduzidos ao Hospital Pedro Hispano, em Matosinhos, distrito do Porto.

De acordo com a fonte, os desentendimentos, por razões ainda não apuradas, ocorreram cerca das 05:00 na via pública e nas imediações de um bar da Rua Brito Capelo, no centro de Matosinhos.

A Polícia Judiciária foi chamada a investigar o caso por se tratar de crime envolvendo armas de fogo, que é da competência reservada desta força policial.

Continuar a ler

Populares