Seguir o O MINHO

País

Portugal diminuiu globalmente infeções em cirurgia mas registou ligeiro aumento em neonatologia

Programa Nacional de Prevenção e Controlo de Infeções e das Resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA)

em

Foto: Ilustrativa / Arquivo

Portugal diminuiu globalmente as infeções em cirurgias no ano passado, apesar de terem aumentado ligeiramente nos serviços de neonatologia, disse à agência Lusa fonte do Programa Nacional de Prevenção e Controlo de Infeções e das Resistências aos Antimicrobianos (PPCIRA).


“A única infeção que, efetivamente, não conseguimos diminuir, que aumentou ligeiramente, foi a infeção em neonatologia”, afirmou Isabel Neves, adjunta do PPCIRA, acrescentando que todas as unidades neonatais do país estão a participar num programa de vigilância, que abrange todos os bebés.

“Conseguimos diminuir globalmente a infeção do local cirúrgico. Dependendo do tipo de cirurgias, em algumas diminuímos muito, noutras aumentamos ligeiramente, mas no global diminuímos”, disse.

Isabel Neves indicou que diminuiu, por exemplo, a pneumonia associada ao ventilador nas unidades de cuidados intensivos.

Hoje é apresentado um relatório que faz um ponto da situação verificada nos últimos cinco anos e, em particular entre 2017 e 2018, em relação aos programas de vigilância epidemiológica, ao consumo de antibióticos, às resistências aos antimicrobianos em Portugal e à adesão das unidades de saúde aos programas propostos pela DGS.

Num resumo a que a Lusa teve acesso, refere-se uma “evolução positiva das taxas de prevalência e de incidência das IACS (infeções associadas a cuidados de saúde) monitorizadas, com exceção da infeção da corrente sanguínea associada a cateter venoso central em Unidades de Cuidados Intensivos neonatais e de adultos, mas uma diminuição desta mesma infeção por Staphylococcus aureus resistente à meticilina)”.

“Não atingimos todas as nossas metas, mas este trabalho de controlo de infeção e depois aquilo que se traduz em termos de resistências é um trabalho que não se vê da noite para o dia”, defendeu a responsável.

A mudança, referiu, “implica mudanças estratégicas”, em termos culturais e das estruturas organizadas nos cuidados de saúde, a par de ações para reduzir as infeções, o que “leva algum tempo”.

“Estamos a fazer um caminho de positividade. Gostaríamos de ter tudo a diminuir, mas leva o seu tempo. É preciso congregar esforços”, sustentou.

Isabel Neves sublinhou que as dotações nos hospitais, ao nível dos profissionais de saúde e dos recursos, têm-se “deteriorado desde 2011”.

“Tem havido um esforço enorme, sobretudo as estruturas locais do PPCIRA para proporem esforços no sentido de conseguirem promover a melhoria e tem havido uma melhoria, uma mudança cultural importante na necessidade de termos boas práticas para a segurança dos doentes e dos profissionais”, reiterou.

A mesma responsável revelou que Portugal diminuiu a resistência aos antibióticos em quase todas as bactérias que são mais importantes na Europa, mas considerou preocupante que a maior parte das resistências face a um tratamento de última linha se verifique pela produção de uma enzima que se transmite “de uma forma muito fácil”.

“Temos de ter atenção não só aos doentes infetados, mas àqueles doentes que eventualmente podem ser transportadores desta bactéria, que são os doentes colonizados”, preconizou.

Esta bactéria colonizada, explicou, “não lhes fará mal, em termos de dar infeção, mas eles transportam-na e podem ser veículos de transmissão, nomeadamente dentro dos hospitais, onde estão doentes fragilizados que podem ser contaminados por esta bactéria e terem uma infeção”.

O documento contém recomendações às unidades de saúde, nomeadamente para melhorarem a prevenção e o controlo de infeções.

Isabel Neves argumentou que são necessários recursos informáticos para que a informação seja automática, por forma a saber-se se o doente “está a ser tratado corretamente”.

Estima-se que, na Europa, cerca de 33.000 pessoas morrem por ano, com uma Infeção Associada aos Cuidados de Saúde (IACS).

Anúncio

País

Governo aprova manutenção de Estado de Alerta até final do mês

Estado de Alerta

em

António Costa. Foto: Twitter / António Costa

O Governo aprovou na terça-feira a manutenção, até ao final do mês, da situação de alerta na generalidade do continente, de contingência na Área Metropolitana de Lisboa e de calamidade em 19 freguesias, no âmbito da pandemia da covid-19.

A intenção do executivo já tinha sido anunciada na segunda-feira pela ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, na sequência de uma reunião com os presidentes dos municípios de Lisboa, Sintra, Loures, Amadora e Odivelas (todos no distrito de Lisboa), nos quais se localizam as 19 freguesias mais afetadas.

No comunicado relativo à reunião extraordinária do Conselho de Ministros, realizada hoje por via eletrónica, é referido que as situações de alerta, contingência e calamidade vão permanecer das 00:00 do dia 15 (quarta-feira) até às 23:59 do dia 31 de julho.

“Esta decisão tem em consideração que, apesar de se verificar uma tendência decrescente do número de novos casos de doença na maioria das regiões do território nacional, regista-se uma incidência persistente em algumas áreas da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, concretamente na zona Norte da Área Metropolitana de Lisboa”, lê-se na nota.

Continuar a ler

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO / Arquivo

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta terça-feira, 14 de julho: 11, 22, 30, 37 e 47 (números) e 9 e 10 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 26 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Tribunal rejeita providência cautelar da IL para travar nomeação de Centeno para BdP

Da Iniciatica Liberal

em

Mário Centeno. Foto: DR / Arquivo

O Supremo Tribunal Administrativo rejeitou hoje a providência cautelar da Iniciativa Liberal para travar a nomeação de Mário Centeno para governador do Banco de Portugal, manifestando-se incompetente para apreciar este “ato político”.

“Sendo a nomeação do Governador do BdP feita por resolução do Conselho de Ministros sob proposta do ministro das Finanças um ato político, não estando em causa qualquer dimensão de legalidade da mesmo e já que a situação jurídica a atender tem de ser necessariamente a que está em vigor no presente momento, é este STA [Supremo Tribunal Administrativo] incompetente em razão da matéria para conhecer da presente providência”, refere a decisão deste tribunal a que a agência Lusa teve acesso.

O deputado único da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim Figueiredo, anunciou em 08 de julho que iria interpor uma providência cautelar para que fosse impedida a nomeação de Centeno como governador do Banco de Portugal antes da conclusão do processo legislativo parlamentar sobre o tema.

Continuar a ler

Populares