Seguir o O MINHO

Região

Porto e Norte é o destino turístico que mais cresceu em 2018

Turismo do Porto e Norte de Portugal

em

Foto: DR

O Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) fechou o ano de 2018 em alta, registando uma subida acima dos 5%, anunciou hoje fonte da entidade de turismo, vincando que “este resultado coloca a região como o destino nacional com maior crescimento e o que consegue mais dormidas de residentes em dezembro, mês em que alcança, no total, o segundo lugar em proveitos e o terceiro em termos de taxa de ocupação cama. O número de dormidas de não residentes também apresenta uma linha ascendente, com uma subida na ordem dos 6%”.


“Os números comprovam a vitalidade e as potencialidades que o Turismo do Porto e Norte oferece”, pode ler-se numa nota enviada a O MINHO.

Segunda a TPNP, durante o ano transato, registaram-se 7,9 milhões de dormidas na região (uma subida acima dos 5%) e 4,3 milhões de hóspedes (crescimento de 4,63%).

Em termos de proveitos globais, a região fecha o ano de 2018 com 482,7 milhões de euros, uma subida na ordem dos 52,4 milhões, com o RevPar (rendimento médio por quarto disponível) a situar-se nos 46 euros, um incremento de 8,75%. Estes valores confirmam que a atividade turística se consolida como uma das alavancas da economia, apresentando ainda grande margem de crescimento. Para Luís Pedro Martins, Presidente da Entidade do Turismo do Porto e Norte de Portugal, “o crescimento sustentado do turismo no Porto e Norte é uma boa notícia para a economia nacional e regional e para as pessoas que aqui vivem e trabalham”.

No que concerne aos principais mercados emissores, Espanha está em primeiro lugar (um aumento de 3,8%), seguida de França, Brasil (mais 11,4%), Alemanha (mais 7,7%), Reino Unido (mais 2%) e Estados Unidos da América (mais 37,6%). Os números confirmam a atratividade que a região do Porto e Norte tem vindo a exercer junto dos diferentes mercados, assumindo-se cada vez mais como uma opção segura para quem visita Portugal.

Luís Pedro Martins, novo presidente da Turismo do Porto e Norte, considera ainda que estes resultados “enchem-nos de orgulho e confirmam as potencialidades turísticas de uma região que ainda tem muito por onde crescer e muito a descobrir”, frisando ainda que “este é também um momento de responsabilidade, de sabermos potenciar as mais-valias que temos e de trabalhar com afinco para que esta trajetória ascendente se mantenha”.

Anúncio

Viana do Castelo

Evolução da covid força adiamento no regresso às aulas do Politécnico de Viana

Covid-19

em

Foto: DR

Inicialmente previsto para o dia 28 de setembro, o regresso às aulas no Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) foi adiado para 06 de outubro, anunciou hoje aquela instituição de ensino superior.

Um adiamento, explica Carlos Rodrigues, presidente do IPVC, justificado com a garantia que todas as medidas adotadas pela instituição se encontram em vigor e em pleno funcionamento.

“Esta decisão, que implicou a alteração ao Calendário Escolar, foi tomada justificadamente pela necessidade de assegurar a resposta mais segura da instituição à evolução da pandemia covid-19, na situação de caráter excecional e de contingência que vivemos”, disse.

Carlos Rodrigues deixa ainda o apelo, neste início de ano letivo, a toda a comunidade IPVC para que seja rigorosa no cumprimento das regras e orientações já definidas.

“Como todos sabemos, a mitigação da evolução da pandemia passa muito pelos nossos comportamentos. Exorto, e peço, a todos os membros da nossa academia que sejam rigorosos no cumprimento das regras e orientações emanadas pelas autoridades, pela presidência e pelas direções das escolas. O sucesso e a segurança de cada um de nós é também o sucesso e a segurança de todos”.

O Despacho IPVC-P-57/2020 e a atualização do Plano de Contingência do IPVC para a infeção por SARS-CoV-2 determinam as medidas de prevenção e controlo da transmissão da COVID-19 para o ano letivo 2020/2021.

Funcionamento das atividades letivas

Algumas das medidas implementadas pelo IPVC face à segunda vaga de covid-19:

Aulas presenciais, horários alargados com aulas inclusive aos sábados, fixação de turmas por sala, utilização de espaços, que até então não eram utlizados para aulas, nomeadamente auditórios, que estavam afetos a outras atividades técnico-científicas, mas que irão permitir o aumento do número de espaços letivos e uma melhor distribuição das atividades letivas, uso obrigatório de máscara, higienização de mãos e espaços, sinalética adequada e as barreiras necessárias, em todas as escolas, para facilitar o movimento da comunidade, salvaguardando o distanciamento social e evitando o cruzamento entre pessoas no acesso aos espaços letivos.

Alojamento, cantinas e bares

Ao nível do alojamento o IPVC é segundo o último relatório do Plano Nacional para o Alojamento no Ensino Superior (PNAES), o segundo politécnico do país com maior número de camas próprias disponíveis para alojamento dos estudantes.

“Este indicador mostra a preocupação que a Instituição desde sempre atribuiu ao acolhimento dos estudantes deslocados”, sublinha o presidente. Com as restrições levantadas pela covid-19, o IPVC pretende manter a mesma oferta, tendo para o efeito estabelecido protocolos com a MOVIJOVEM, entidade gestora das Pousadas da Juventude, a possibilidade dos estudantes do IPVC, em condições especiais, poderem utilizar as pousadas de Viana do Castelo, Cerveira, Melgaço e Ponte de Lima.

Nas cantinas e bares, o IPVC vai disponibilizar o serviço de take-away para além da redefinição dos horários para almoço, através da implementação de turnos conciliados com os horários de funcionamento das aulas.

Principais pontos de orientação para o funcionamento do novo ano letivo

O ensino e a avaliação presencial serão a regra de funcionamento no ano letivo 2020-2021;
Os horários de funcionamento das atividades letivas devem ser alargados, iniciando mais cedo e/ou terminando mais tarde, e incluindo o sábado na semana letiva;
É obrigatório o uso de equipamento de proteção individual por todos os intervenientes no processo formativo e deve ser promovida a higienização das mãos antes da entrada em cada sala/anfiteatro/laboratório e à saída;
São colocados desinfetantes, designadamente álcool gel e toalhetes, nas salas de aula, para reforço das medidas de higienização
Nas atividades de laboratório caberá aos técnicos de apoio proceder à higienização dos equipamentos no final de cada aula e prepará-los para a aula seguinte; nos laboratórios onde são utilizadas batas individuais, é da responsabilidade do proprietário garantir que tem a bata na sala de aula e assegurar a sua guarda e higienização;
A realização de visitas de estudo deve ter carácter absolutamente excecional;
Os alunos que este ano letivo devem realizar estágios em estabelecimentos prestadores de cuidados de saúde (estágios clínicos) e de cuidados a idosos (gerontologia), podem efetuar a testagem Covid19 no IPVC que reúne condições para assegurar a referida testagem;

Equipamentos de proteção individual (EPI), materiais desinfetantes e medidas de higienização

O IPVC tem disponíveis termómetros em cada um dos seus edifícios para a medição de temperatura;
A entrada nas instalações do IPVC só será permitida com a utilização de máscara individual. A higienização das máscaras comunitárias será realizada pelos utilizadores, seguindo as especificações do fabricante;
Poderá ser indicada a utilização de outros EPI (por exemplo, viseira), em função da atividade desempenhada e do risco de exposição;
São colocados materiais desinfetantes, designadamente álcool gel e toalhetes, distribuídos pelos vários espaços da instituição, nos locais de atendimento e de utilização comum, para reforço das medidas de higienização;
A utilização de elevadores é restringida a pessoas com mobilidade reduzida e ao transporte de cargas;
A entrada/saída dos edifícios será exclusivamente efetuada nas portas identificadas para o efeito;
Nas entradas de cada edifício estão colocados tapetes humedecidos com desinfetante, para que todos os que acedam às instalações procedam à desinfeção das solas do calçado;
Aconselha-se o arejamento dos espaços fechados;
Quando possível, as portas de acesso aos edifícios devem estar abertas;
Durante o presente ano letivo é suspensa a cedência e aluguer a externos de instalações utilizadas para o processo formativo;
As deslocações em serviço devem restringir-se às situações absolutamente necessárias, privilegiando reuniões não presenciais;

IPVC já tem alternativas definidas perante um eventual agravamento da pandemia

Este é o cenário traçado para o arranque do ano letivo em 2020/21, contudo, alerta o presidente do IPVC, “se formos confrontados com agravamento da situação pandémica, temos já pensadas outras soluções”.
Soluções que passam pela transformação de várias salas que estão a ser equipadas com sistemas de captação de som e de imagem que vai permitir o funcionamento das aulas em streaming.
Prevista igualmente a divisão de turmas, por grupos muito mais reduzidos. As atividades letivas em sistema síncrono e assíncrono, mas sobretudo a combinação dos dois sistemas é outra medida considerada.
Perante o cenário mais extremo, ou seja, o de um novo confinamento, o IPVC está igualmente preparado, uma vez que já o implementou no segundo semestre de 2019/20.

O presidente do IPVC refere que “nestes tempos complexos e cheios de incertezas, dúvidas e ansiedades o IPVC está a preparar o início do ano letivo de 2020/2021, tudo estando a fazer para cumprir com as indicações das autoridades de saúde e do governo para, desta forma, mitigar os riscos de alastramento da pandemia de covid-19 e prevenir contágios no seio da nossa comunidade”, concluindo com um apelo a toda a comunidade IPVC: “concluo enviando a todos e a cada um de vós os meus votos de um ano com muito sucesso e reiterando o meu pedido para que cada um de nós contribua, com o seu comportamento, para esse sucesso que será, também, o sucesso de todos”.

Continuar a ler

Cávado

Voluntários recolhem uma tonelada de lixo nas praias de Esposende

Ambiente

em

Foto: Divulgação / CM Esposende

Um grupo de voluntários recolheu, em cerca de duas horas, perto de uma tonelada de lixo marinho em cinco praias de Esposende, numa ação que serviu para assinalar o Dia Internacional de Limpeza Costeira.

Em comunicado, a câmara de Esposende explica que os 178 participantes recolheram resíduos trazidos pelo mar para o areal ou “esquecidos” pelos banhistas, arrastados pelos rios e linhas de água, assim como artefactos utilizados normalmente pelos pescadores, “contribuindo para preservar os habitats abrangidos e melhorar significativamente a imagem destes locais”.

Por esta via, finaliza o texto, “o município de Esposende, através da Esposende Ambiente, está a contribuir para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 da ONU, nomeadamente no que se refere ao ODS 13 – Ação Climática, ODS14 – Proteger a Vida Marinha, ODS 15 – Proteger a Vida Terrestre e ODS 17 – Parcerias para a Implementação dos Objetivos de Sustentabilidade”.

A ação foi organizada pela empresa municipal Esposende Ambiente, em colaboração com a Associação Rio Neiva e a Onda Magna, apoiadas pela Fundação Oceano Azul.

Continuar a ler

Alto Minho

Cerca de 85 crianças de Arcos de Valdevez em casa após infeção em funcionária

Covid-19

em

Foto: DR

Cerca de 85 crianças da creche e do ATL Vila Gerações, da Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez, estão em casa depois de uma funcionária ter testado positivo para a covid-19, disse hoje o provedor.

Em declarações à agência Lusa, o provedor da Santa Casa da Misericórdia de Arcos de Valdevez, Francisco Araújo, explicou que o espaço ATL – Atividades de Tempos Livres, frequentado por 40 crianças, fechou na semana passada e a creche, que acolhe cerca de 45 crianças, encerrou na segunda-feira, como “medida preventiva, por indicação da delegação de saúde”.

Francisco Araújo adiantou que as duas estruturas da Santa Casa de Arcos de Valdevez “reabrem no dia 30”.

“As crianças estão em casa. Não existem crianças com sintomas, nem familiares. Foi uma medida de precaução tomada pela delegada de saúde e bem, numa atitude preventiva”, referiu.

O provedor revelou que a funcionária que testou positivo à covid-19 “também está em casa” e que “as restantes nove funcionárias da instituição vão ser todas submetidas, brevemente, a testes de despiste da doença”.

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 965.760 mortos e mais de 31,3 milhões de casos de infeção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.925 pessoas dos 69.663 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Populares