Seguir o O MINHO

Caminha

População de três freguesias em Caminha concentra-se para exigir permanência de padre

Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros

em

Foto: DR

As populações de Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros, em Caminha, convocaram para domingo uma concentração pacífica para exigir a permanência do pároco local a quem a diocese de Viana do Castelo terá comunicado a mudança, em setembro, para Valença.


A iniciativa de apoio à permanência do padre de 36 anos partiu de um grupo de jovens da freguesia de Seixas, uma das mais populosas do concelho de Caminha. Na sexta-feira, os jovens lançaram uma petição online para enviar ao bispo da diocese de Viana do Castelo, já assinada por cerca de 700 pessoas, e criaram uma página nas redes sociais, intitulada “Fica Padre Ricardo Esteves”, onde apelam à mobilização dos paroquianos.

As freguesias de Seixas, Lanhelas e Vilar de Mouros têm cerca de 3.246 habitantes.

GRANDE CONCENTRAÇÃO DE APOIO À PERMANÊNCIA DO PADRE RICARDO ESTEVES NAS PARÓQUIAS DE SEIXAS LANHELAS E V.MOUROSAmigos…

Publicado por Fica Padre Ricardo Esteves em Sexta-feira, 9 de agosto de 2019

“O padre Ricardo Esteves está perfeitamente integrado nas paróquias e durante os últimos dez anos em que esteve à frente das mesmas conseguiu agregar e chamar muitos cristãos que, embora o sendo, estavam afastados da igreja. Não nos conformamos com esta decisão e lutaremos até ao fim para que a mesma seja revogada”, lê-se na petição que será enviada ao bispo Anacleto Oliveira.

Contactada pela agência Lusa, fonte do secretariado diocesano de Viana do Castelo informou que o bispo Anacleto Oliveira “não faz qualquer comentário sobre o assunto”.

A Lusa tentou ouvir o padre Ricardo Esteves, mas sem sucesso.

As nomeações sacerdotais são habitualmente realizadas antes do início do novo ano pastoral, em setembro.

No texto que acompanha a recolha de assinaturas pela permanência do padre Ricardo Esteves, os paroquianos dizem “não se conformarem” com a sua substituição e apelam ao bispo “que repense e volte atrás na decisão de o transferir para outra paróquia”.

“Queremos que ele permaneça à frente das obras sociais e projetos que tem vindo a desenvolver junto da comunidade, e que são muitos, sendo os mesmos transversais a todas as idades, com especial destaque para os jovens”, reforça o documento.

Alertam o bispo da Diocese de Viana do Castelo para os efeitos da saída do padre: “Com a sua decisão de o retirar para outra paróquia corremos o risco de vermos afastados muitos fiéis, principalmente jovens que veem no padre Ricardo um exemplo de bondade e solidariedade para com os outros”.

“Queremos que continue a traçar connosco este caminho de fé que ao longo de 10 anos construímos juntos”, reforça o texto da petição.

Na página criada no Facebook, os paroquianos apelam a uma “grande” participação na concentração que tem início marcado para as 09:00 junto à igreja paroquial de Vilar de Mouros.

Os participantes chegarão cerca das 10:00 à freguesia de Lanhelas, sendo que a ação terminará em Seixas pelas 11:00, com “uma concentração com todas as freguesias no Largo de São Bento”.

“Está na hora de todos nos unirmos e mostrarmos que juntos podemos e somos fortes. Não se esqueçam que a união faz a força. Vamos todos gritar bem alto para que o Senhor bispo ouça, em Viana do Castelo, que o padre Ricardo fica porque é essa a nossa vontade”, sublinha o apelo do grupo de jovens de Seixas.

Além das três freguesias de Caminha, em Viana do Castelo, a população de Santa Leocádia de Geraz do Lima, “opõe-se completamente” à nomeação do novo pároco indicado há três meses pela diocese.

Na terça-feira, no final de uma reunião que juntou, “cerca de 400 habitantes”, o porta-voz dos paroquianos, Agostinho Lima disse à Lusa ter sido aprovada “uma carta aberta a enviar a todos os órgãos eclesiásticos quer em Portugal, quer em Roma”.

“No documento, a população opõe-se completamente à nomeação do padre Adão Lima. Se a diocese [de Viana do Castelo] insistir e indicar uma data para a tomada de posse do novo padre, a população não irá comparecer, nem quer ser informada dessa tomada de posse”, afirmou Agostinho Lima.

O porta-voz declarou que “se a diocese não recuar, a freguesia prefere continuar sem padre”.

O impasse na paróquia de Santa Leocádia de Geraz do Lima, com cerca de dois mil habitantes e 1.150 eleitores, situada a cerca de 20 quilómetros da cidade de Viana do Castelo, arrasta-se há três meses na sequência da morte do pároco anterior, João Cunha, e da nomeação, pela diocese, do sucessor, padre Adão Lima.

“Qualquer outro padre será bem recebido, menos o que foi nomeado pela diocese”, sustentou na ocasião o porta-voz dos paroquianos.

Anúncio

Alto Minho

Caminha investe mais de 400 mil euros na reabilitação do centro histórico

Segunda fase da empreitada

em

Foto: CM Caminha

A Câmara de Caminha iniciou a segunda fase da empreitada de reabilitação urbana do centro histórico, num investimento de mais de 400 mil euros, que deverá prolongar-se por cerca de 180 dias, foi hoje divulgado.

Em nota hoje enviada à imprensa, a autarquia realçou que o projeto visa a “qualificação do ambiente urbano, do espaço público e das vivências por ele proporcionadas, através da melhoria do desenho e do mobiliário urbano, da pavimentação de arruamentos e passeios, da introdução de elementos arbóreos, da eliminação de barreiras arquitetónicas e visuais e da renovação das infraestruturas no subsolo”.

A empreitada pretende ainda “intervir ao nível da organização da circulação automóvel de forma a permitir o alargamento de passeios, arborização, ou estacionamento, devolvendo-se a esta artéria a dinâmica comercial desejada e as ações de rua inerentes a um espaço com esta centralidade”.

Continuar a ler

Alto Minho

Caminha quer avançar com Área de Paisagem Protegida Regional da Serra d’Arga

Proposta será votada segunda-feira

em

Foto: CM Caminha

A maioria PS na Câmara de Caminha vai apreciar, na segunda-feira, em reunião do executivo a proposta de criação da Área de Paisagem Protegida Regional da Serra d’Arga, que inclui mais quatro concelhos do Alto Minho, foi hoje divulgado.

Em comunicado hoje enviado à redações, a autarquia presidida por Miguel Alves explicou que a deliberação a tomar naquela sessão ordinária irá “autorizar o município de Caminha a apresentar, conjuntamente com Viana do Castelo, Ponte de Lima e Vila Nova de Cerveira, a proposta de criação da Área de Paisagem Protegida Regional da Serra d’Arga, observando ao disposto no Regime Jurídico da Conservação da Natureza e da Biodiversidade, aprovado no Decreto-Lei n.º 142/2008, de 24 de julho”.

A serra d’Arga abrange uma área de 10 mil hectares nos concelhos de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Paredes de Coura, Viana do Castelo e Ponte de Lima, dos quais 4.280 hectares se encontram classificados como Sítio de Importância Comunitária.

Segundo o Orçamento do Estado, o Governo quer criar em 2020 um ‘cluster’ do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio e minerais associados em nove zonas do país.

A Serra d’Arga é uma das áreas que deve ser abrangida.

A proposta que o executivo de Caminha vai analisar na segunda-feira, às 15:00, no edifício dos Paços do Concelho, realça que “a Serra d’Arga constitui uma área emblemática, pela vastidão das paisagens agrestes do seu topo e também pela singularidade dos seus valores naturais”.

O documento enumera os “10 tipos de ‘habitat’ de importância comunitária, a extraordinária riqueza florística, com 546 espécies de plantas vasculares, incluindo 32 espécies raras ou ameaçadas de extinção, a presença confirmada de mais de 180 espécies de vertebrados selvagens, entre as quais espécies raras e emblemáticas como o lobo, a salamandra-lusitânica e o bufo-real”.

Segundo o documento, “a Serra d’Arga detém um património cultural singular pela sua situação geográfica, mas também pela forma como as atividades humanas foram desenvolvidas, de modo, ao longo do tempo, garantir a sustentabilidade das populações”.

Serra d’Arga vai ser Área de Paisagem Protegida Regional

“A Serra d’Arga providencia um conjunto de serviços de ecossistemas que devem ser salvaguardados e potenciados tendo em vista a melhoria do bem-estar das populações locais, a proteção e aumento da biodiversidade; a mitigação e adaptação aos impactes das alterações climáticas, e a reunião das condições de suporte para o desenvolvimento de uma economia verde”, descreve o documento.

A proposta refere ainda que “os estudos desenvolvidos na Serra d’Arga, que contaram com a iniciativa e, em grande parte, com o apoio financeiro e recursos humanos do município de Caminha, evidenciam o elevado risco em que se encontra o património natural e cultural da área”.

“Este património constitui uma oportunidade para o desenvolvimento socioeconómico sustentável da região, com especial importância na geração de benefícios para as comunidades e para a função em geral, e permitirá a criação de novas dinâmicas, sobretudo associadas à exploração do território do ponto de vista turístico e das atividades de educação e sensibilização ambiental”, adianta.

A proposta revela ainda que os estudos realizados “concluem que, em termos práticos, a atual figura de proteção atribuída à Serra d’Arga, Sítio de Importância Comunitária, revela ser manifestamente insuficiente no sentido de propiciar as necessárias condições para uma gestão integrada da área por parte dos municípios com a responsabilidade administrativa na mesma, dificultando a definição de uma estratégia conjunta de preservação e valorização do património existente”.

Os cinco municípios envolvidos no processo de criação da área protegida “acreditam que, a exemplo da experiência obtida com a classificação e consequente gestão intermunicipal de outras áreas de Paisagem Protegida de Interesse Regional, a da Serra d’Arga, contribuirá para a conservação da natureza e da biodiversidade em presença na serra e por conseguinte no Noroeste Peninsular”.

Continuar a ler

Alto Minho

Caminha: Suspeito de furto de carros e em casas junto à praia constituído arguido

Vila Praia de Âncora

em

Foto: Luís Valadares / CM Caminha (Arquivo)

A GNR constituiu arguido um homem de 57 anos indiciado por vários furtos em residências e de veículos na zona balnear de Vila Praia de Âncora, concelho de Caminha.

Em comunicado, o Comando de Viana do Castelo da GNR detalha que um dos veículos que o suspeito terá furtado na terça-feira acabou por ser encontrado já em território espanhol.

Material apreendido. Foto: GNR

“Na sequência de uma denúncia, os militares apuraram que o indivíduo realizava furtos em interior de veículos e em residências na zona balnear de Vila Praia de Âncora. Quando se deslocaram ao local, foi possível intercetar o suspeito”, afirma a GNR.

A Guarda indica ainda que no decorrer das suas diligências apreendeu duas bicicletas de montanha, uma prancha de ‘bodyboard’, um barco insuflável, um fato de mergulho, entre outros equipamentos.

Continuar a ler

Populares