Seguir o O MINHO

Alto Minho

Ponte de Lima fecha contas de 2019 com mais de 6 milhões de saldo positivo

Finanças municipais

em

Foto: DR / Arquivo

Ponte de Lima, no distrito de Viana do Castelo, fechou as contas de 2019 com um saldo positivo superior a 6,3 milhões de euros, mais de 1,1 milhões de euros que no ano anterior, informou hoje a Câmara local.

“O município apresenta uma disponibilidade financeira de 6.302.020,00 euros, tendo mesmo aumentado este valor relativamente ao ano de 2018 em mais 1.149.148,00 euros, não aumentado o volume de dívida, o que se afigura positivo ao nível da gestão prevista para o ano de 2020, permitindo a continuidade das iniciativas e investimentos orientados pela mesma política criteriosa de gestão dos dinheiros públicos”, sustenta aquela autarquia.

Em comunicado, o município presidido por Victor Mendes (CDS-PP) realçou “a necessidade das autarquias se adaptarem a um novo cenário de financiamento, na medida em que o Portugal 2020 representou uma séria restrição ao tipo de investimentos elegíveis que não são, muitas das vezes, em áreas prioritárias de desenvolvimento para o concelho e para a região”.

Victor Mendes, presidente da Câmara de Ponte de Lima. Foto: DR

“Este cenário continua a representar uma perda de importantes receitas nas contas das autarquias”, defendeu o município, acrescentando que “o esforço financeiro é obviamente maior na realização de investimentos não financiados mas essenciais ao desenvolvimento do concelho, sendo apenas possível para aquelas autarquias que apresentavam alguma disponibilidade financeira, como é o caso de Ponte de Lima, obrigando a uma gestão mais difícil, mas que não tem impedido o município de concretizar os seus propósitos”.

Na nota hoje enviada à imprensa, a Câmara de Ponte de Lima destacou ainda ter “abdicado” de “um conjunto de receitas municipais” por entender “serem um importante fator de atratividade do concelho e de redução dos desequilíbrios sociais”.

“Os benefícios fiscais, por exemplo, são uma medida que implica uma perda de receita de cerca de 2,6 milhões de euros por ano, o que corresponde a cerca de 10 milhões de euros para um período de quatro anos de mandato”, reforçou.

Aquele valor, especificou a autarquia, representou em 2019 a “perda de receita para a autarquia de 849.335,00 euros”, valor que “também contabiliza as receitas não arrecadas da cobrança da derrama às empresas, a isenção do pagamento de IMT na aquisição de lotes nas zonas industriais e a baixa taxa de IMI aplicada no concelho”.

Anúncio

Alto Minho

Arcos de Valdevez: Isabel sofre de ELA e precisa urgentemente de ajuda

Vamos ajudar?

em

Foto: Facebook Nós, e agora ELA

Em janeiro de 2017 foi caminhar na ecovia de Arcos de Valdevez quando começou a notar “uma diferença no pé esquerdo, perda de força e arrastamento de pé”.

Foi aí que iniciou o calvário de Isabel Silva, residente em Gondoriz, Arcos de Valdevez, atravessando os meses seguintes por entre exames e internamentos, até que chegou o diagnóstico “assustador”: Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

Não existe cura para esta doença que afeta o sistema nervoso de forma degenerativa e progressiva, mas é possível melhorar a qualidade de vida dos utentes. E Isabel precisa de ajuda para isso, depois de ter sido atirada para uma cadeira de rodas, uma das consequências iniciais da doença.

Esta quarta-feira foi lançada pela família uma conta solidária, devidamente autorizada pelo Ministério da Administração Interna, de forma a angariar fundos para a compra de uma carrinha adaptada, para transportar Isabel e a sua cadeira de rodas elétrica.

Apesar de existirem comparticipações do Estado para este tipo de doentes, a burocracia atrasa de tal forma os pagamentos que muitos chegam já depois do utente falecer.

Numa tentativa de se alhear a esse problema, Isabel realça que hoje [quarta-feira], inicia “mais uma batalha”, para que “possa passar mais tempo com a filha e família”.

Com o tempo, Isabel vai deixar de conseguir cuidar de si própria. Mas, mesmo assim, consegue ver um lado “positivo”.

“O melhor é ver o lado positivo, os dias que ainda tenho para estar com os que amo, os passeios a locais novos onde ainda poderei ser levada para conhecer, os mimos, abraços e beijos que ainda posso dar e receber à minha filha, ao meu companheiro, à minha família e às minhas amigas”, destaca.

Isabel adianta que a conta solidária estará aberta durante sete dias, para a colaboração de todos.

Esta quarta-feira, o marido e dois irmãos estiveram no programa televisivo “Júlia”, na SIC, para divulgar a história da arcuense. “Há muita gente que só oferece ajuda quando já não é preciso, quando é demasiado tarde, por isso é que deixamos este apelo agora”, disse Pedro Silva, marido e cuidador informal de Isabel.

Foi-se criando, ao longo desta noite, uma onda de solidariedade para com Isabel, aparecendo várias testemunhos de como ela “estava sempre pronta para ajudar”, quando tinha saúde para isso.

Rui Ferreira, responsável pelo grupo coral da freguesia, escreveu e divulgou uma “carta aberta” à Fábrica da Igreja de Gondoriz, salientando que a mesma prestou “vários serviços à igreja”, quer através do grupo coral, na catequese, leituras ou no arranjo de altares.

“Ela e a sua família não foram as únicas, mas sempre foram das primeiras a dizer: Estamos aqui para servir a igreja“, apontou no mesmo documento enviado à entidade religiosa.

Como ajudar?

TITULAR: Pedro Miguel Oliveira Da Silva
IBAN: PT50 0035 0102 00052212 430 10
BIC: CGDIPTPL

Esclerose Lateral Amiotrófica

Filomena Borges, responsável pelo departamento de comunicação da Associação Portuguesa de Esclerose Lateral Amiotrófica (APELA), já havia explicado a O MINHO que este tipo de aquisições [carrinha adaptada] acarretam “demoras” do Estado nas comparticipações aos utentes que sofrem desta doença que afeta a comunicação entre cérebro e músculos.

A responsável daquela associação explicou que existem, atualmente, cerca de 800 casos identificados com ELA em Portugal, surgindo 200 novos casos a cada ano, e que a Segurança Social, através do Estado, disponibiliza apoios para garantir o direito à mobilidade, como é o caso de adaptar viaturas, mas também à comunicação.

Acrescentou, todavia, que estes processos são “muito demorados e os doentes que submetem estes pedidos” nem sempre chegam a usufruir deles em vida, dada a “imprevisibilidade da doença” que não tem ainda qualquer cura.

Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA)

Filomena Borges sumarizou as caraterísticas da ELA, apontando que esta doença surge quando os “neurónios motores responsáveis deixam de transmitir informação entre o cérebro e os músculos, porque morrem precocemente, paralisando o doente”.

“É uma doença profundamente incapacitante, sem causas definidas e sem cura, que, em proporções imprevisíveis, vai tomando conta do corpo da pessoa”, acrescentou.

É uma doença sem reabilitação possível, mas com a possibilidade de assegurar qualidade de vida, através de fisioterapia, terapia da fala, psicologia, entre outros métodos clínicos.

Explicou que a doença pode manifestar-se inicialmente com dificuldades em mover os membros ou de falar e deglutir, afetando ainda a pressão respiratória. “Esta doença, por ser incapacitante, acaba por ser não só da pessoa que a tem mas também da própria família, dos cuidadores informais”.

Segundo dados da mesma associação, existem atualmente cerca de 800 portugueses diagnosticados com Esclerose Lateral Amiotrófica, surgindo cerca de 200 novos casos a cada ano.

A nível mundial, de acordo com informação disponibilizada pela CUF, os dados variam muito segundo o tipo de estudo e a população em causa mas estima-se que existam três a cinco casos de Esclerose Lateral Amiotrófica por cada 100 mil pessoas a nível global.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana com parques geriátrico, ‘skate’ e voleibol de praia até ao verão

Na Praia Norte e no parque da cidade

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo anunciou hoje a entrada em funcionamento, até ao verão, de três espaços públicos para a prática desportiva, num investimento municipal a realizar na Praia Norte e no parque da cidade.

José Maria Costa, que falava aos jornalistas no final da reunião camarária, explicou que o parque geriátrico irá ser criado na Praia Norte, ao abrigo das obras de requalificação que a sociedade Polis Litoral Norte realizou naquela zona da cidade, orçadas em 2,4 milhões de euros.

Já o ‘skate’ parque e o recinto destinado ao voleibol de praia ficarão instalados junto à antiga praça de Touros da cidade que vai ser reconvertida em ‘campus’ desportivo por mais de 4,9 milhões de euros.

A reconversão da antiga praça de touros, desativada desde 2009, ano em que cidade se declarou anti-touradas, está integrada no Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), candidatado a fundos comunitários do Portugal 2020.

A criação de áreas de prática desportiva no concelho foi defendida pela vereadora da CDU no executivo municipal, Cláudia Marinho, no período antes da ordem do dia da reunião camarária.

Na sequência da intervenção da vereadora comunista, o autarca socialista avançou que “se encontram em fase de contratação” os três novos espaços, cujo investimento não foi especificado.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana insiste na remoção de pórtico na A28: “Para circular no concelho temos de pagar?”

em

Foto: DR / Arquivo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo disse hoje que vai reunir-se, em março, com o ministro das Infraestruturas para insistir na remoção do pórtico de Neiva da Autoestrada 28 (A28).

“Vou ter uma reunião, em março, com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, e é um dos temas recorrentes que tenho para abordar. É injusto para as pessoas e as empresas para poderem circular dentro do concelho tenha de pagar uma taxa. É extremamente injusto e tem de ser corrigido”, afirmou José Maria Costa.

O pórtico de Neiva da A28, antiga SCUT (Sem Custos para o Utilizador) que liga Viana do Castelo ao Porto, está situado à entrada de uma zona industrial da capital do Alto Minho e que é considerado “entrave” à atividade empresarial da região.

O autarca socialista, que respondia a uma interpelação da vereadora da CDU, Cláudia Marinho, a propósito do chumbo do projeto de resolução do Bloco de Esquerda que propunha a abolição das portagens naquela autoestrada disse que a localização do pórtico de Neiva “é inaceitável e profundamente injusto para com os cidadãos de Viana do Castelo”.

“O pórtico é altamente penalizador. A população de Viana do Castelo é a única servida pela A28, que está a pagar para circular dentro do próprio concelho”, reforçou.

José Maria Costa defendeu que aquele pórtico deve ser “colocado mais a sul de forma a que a circulação dentro do concelho de Viana do Castelo passe a ser isenta de portagens”.

“Vamos a Esposende e não se pagam portagens, vamos à Póvoa de Varzim e não se pagam portagens, vamos a Vila do Conde e não se pagam portagens, vamos a Matosinhos e ao Porto e não se pagam portagens. Porque é que em Viana do Castelo, para circular dentro do concelho, temos de pagar?”, questionou.

O autarca, que é também presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Alto Minho, estrutura que agrega os dez concelhos do distrito de Viana do Castelo, saudou os descontos anunciados, na quarta-feira, pela ministra Coesão Territorial para sete autoestradas.

“O Governo deu um bom final, ao reduzir o valor das portagens. É a segunda vez redução que temos na A28. É uma atitude muito positiva, mas agora temos de passar ao segundo momento que é a relocalização do pórtico de Neiva, para que os vianenses estejam em situação de equidade com os cidadãos de outras localidades. Não estamos a pedir mais, nem menos. Pedimos o mesmo tratamento que outros concelhos”, acrescentou.

Na quarta-feira, a ministra da Coesão Territorial anunciou, em Macedo de Cavaleiros, descontos nas portagens de sete autoestradas a partir do terceiro trimestre do ano para os “utilizadores frequentes”.

“Vai ser posto em prática no terceiro trimestre deste ano. Estamos a falar de um desconto de quantidade para os veículos classe 1 quer classe 2”, afirmou Ana Abrunhosa, que falava à margem de uma visita no âmbito da iniciativa “Governo mais próximo”, no distrito de Bragança.

Ana Abrunhosa explicou que se trata de “um desconto de quantidades”, exemplificando que a “partir do oitavo dia até ao 15.º dia haverá um desconto de 20% e a partir do 16.º dia até ao final do mês será um desconto de 40%”.

Nas autoestradas A4, A24, A28, A25, A23, A13 e A22, antigas SCUT, já eram aplicados descontos e estes foram, segundo a ministra, “harmonizados e aumentados”.

Relativamente ao transporte de mercadorias, os descontos vão ser aumentados dos 30% para os 35% de dia e de 50% para 55% à noite.

A ministra anunciou ainda um desconto para os transportes de passageiros, que até agora não existiam e que passam a ser iguais às percentagens dos transportes de mercadorias.

Continuar a ler

Populares