Seguir o O MINHO

Alto Minho

Ponte de Lima altera plano de urbanização para construir centro de investigação da escola agrária

Refoios do Lima

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO / Arquivo

A alteração ao Plano de Urbanização (PU) de Refoios do Lima, em Ponte de Lima, que entrou hoje em consulta pública, vai permitir a construção do centro de Investigação e Desenvolvimento (I&D) da Escola Superior Agrária (ESA).

Em declarações à agência Lusa, a propósito da publicação, hoje, em Diário da República (DR) da abertura da participação pública, durante 15 dias úteis, o presidente da Câmara de Ponte de Lima, Vasco Ferraz, disse que aquela alteração vai permitir a construção do novo edifício do centro de Investigação e Desenvolvimento (I&D), a instalar no ‘campus’ daquele estabelecimento de ensino superior, e em que o município é parceiro do IPVC.

Contactado pela Lusa, o presidente do IPVC, Carlos Rodrigues, adiantou que o projeto de arquitetura do novo centro, que “terá uma área de 3.500 metros quadrados e cujo investimento ronda os quatro milhões de euros, sem IVA, já foi submetido à apreciação do município”.

O centro I&D “vai dar condições de trabalho aos investigadores da ESA e da Escola Superior de Tecnologia e Gestão (ESTG), situada em Viana do Castelo, nas áreas do agroalimentar, gestão de recursos e sustentabilidade e sistemas de informação e gestão territorial, inovação em (eco) tecnologias para tratamento de água e solo, recuperação e valorização de materiais, bem como de (bio)energia a partir de biomassa e resíduos e o desenvolvimento rural e turismo de natureza”.

“O objetivo será apoiar o desenvolvimento e valorização dos produtos endógenos, indo ao encontro dos interesses e necessidades da região”, sustentou.

Carlos Rodrigues adiantou que, além do novo centro I&D da ESA, em Ponte de Lima, o IPVC pretende “construir outro, cujo projeto de arquitetura também já foi submetido à Câmara de Viana do Castelo, nos terrenos da ESTG, na Praia Norte, num investimento de seis milhões de euros”.

Segundo o presidente do IPVC, “a elaboração dos projetos destes dois novos centros de I&D foi iniciada há cerca de um ano, no âmbito dos fundos comunitários 2030, cujos avisos deverão abrir antes do final do ano”.

“Queremos ter o trabalho de casa feito para quando abrirem as candidaturas avançarmos com os projetos, para garantir o seu financiamento”, referiu.

De acordo com o aviso publicado em DR, o início do procedimento relativo à alteração do Regulamento do Plano de Urbanização de Refoios do Lima foi decidido em reunião camarária de Ponte de Lima, em março, prevendo-se a sua conclusão “no prazo de seis meses”.

A parceria entre o município do distrito de Viana do Castelo e o IPVC, formalizada em agosto de 2021, prevê “um apoio financeiro da autarquia no montante máximo de 100 mil euros, com IVA incluído à taxa legal em vigor, para financiar o custo de elaboração do projeto do I&D.

Na altura, o município justificou o acordo com a necessidade de “criação do indispensável capital humano, enquanto fator determinante para o desenvolvimento das sociedades e dos territórios”, permitindo “dar mais e melhor resposta às necessidades emergentes” através do “reforço de equipamentos e serviços educativos que promovam a investigação, o desenvolvimento e inovação de forma consentânea com aquilo que são as ambições pedagógicas e científicas, mas também como forma de acrescentar valor às atividades empresariais e às instituições locais”.

Já o IPVC pretende que o novo centro “atue em estreita colaboração com os atores económicos, sociais e culturais, contribuindo para a construção de projetos de relevância regional, nacional e internacional, com impacto efetivo na sociedade”.

Com cerca de cinco mil alunos, o IPVC tem seis escolas – de Educação, Tecnologia e Gestão, Agrária, Enfermagem, Ciências Empresariais, Desporto e Lazer -, ministrando 28 licenciaturas, 40 mestrados, 34 CTESP e outras formações de caráter profissionalizante.

Populares