Seguir o O MINHO

Alto Minho

Ponte da Barca recebe congresso sobre indústria que movimenta 45 milhões

em

Até 90 pessoas são esperadas no próximo dia 26 de outubro em Ponte da Barca. A Associação Portuguesa de História da Vinha e do Vinho (APHVIN/GEHVID) vai levar uma sessão do seu segundo congresso internacional ao auditório Casa da Cultura a partir das 9:00. Entre eles estarão ainda 25 estudantes de 19 nacionalidades do mestrado europeu que está a decorrer na Universidade do Porto. O MINHO conversou com António Barros Cardoso, presidente da direcção do APHVIN.

Ponte da Barca vai representar o vinho verde no congresso, um responsável por até 45 milhões de euros em exportações.

“Este congresso tem uma sequência. Realizámos o primeiro em 2010, e o objetivo é colocar pessoas que estudam as três regiões edículas mais importantes do norte: os verdes, os do Dão e do Douro. E buscar discussões das mais variadas“, explicou António Barros Cardoso, que também é professor na Faculdade de Letras da Universidade do Porto, ao O MINHO.

“Mas este congresso não é limitado apenas às questões históricas. Tem uma dimensão que vai para além disso. A própria organização em termos legislativos, está presente a sociologia. Gostaria de salientar também a dimensão ligada ao enoturismo, que tem a ver com a valorização dos patrimónios ligados a atividade secular do vinho nestas três regiões“, continuou.

Dentre tantos lugares que produzem vinho verde, o professor explica os motivos de ter escolhido Ponte da Barca para receber a sessão do dia 26 do II Congresso Internacional das Vinhas e dos Vinhos.

Temos a preocupação de não centrar sempre nos mesmos lugares as discussões, levar aos que vêm de fora novas localidade. Já fizemos eventos em Viana do Castelo, em Ponte de Lima, este ano resolvemos mudar de lugar, mas não sair do Vale do Lima, que é emblemático quando se fala de vinhos verdes. Queremos que não haja repetição”.

O professor ainda fez uma análise do atual posicionamento do vinho verde no mercado e na cultura.

É um vinho considerado, e até vem no slogan, que é diferente dos outros que são produzidos, e quer se manter assim. Embora, nos últimos 10, 15 anos, começa a ser padronizado no seu fabrico por outros vinhos e resultam dessa fuga ao padrão tradicional, e no alinhamento pela qualidade que os aproxima dos vinhos internacionalmente reputados. Então o vinho verde está posicionado de forma favorável em termos competitivos no mercado internacional. As exportações têm crescido de forma significativa e as mais-valias têm aumentado de forma visível“, concluiu.

Anúncio

Viana do Castelo

Imóvel de Viana do Castelo reabilitado para hotel de peregrinos de Santiago

Investimento de um promotor local superior a 1,8 milhões de euros

em

Foto: Turismo Porto e Norte

Um imóvel no centro histórico de Viana do Castelo vai ser reabilitado para hotel com oferta dirigida aos peregrinos do Caminho de Santiago pela Costa, num investimento de um promotor local superior a 1,8 milhões de euros.

Em declarações esta sexta-feira à agência Lusa, o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, explicou que o projeto da nova unidade hoteleira de quatro estrelas, “com projeto já licenciado”, irá representar uma “oferta única e diferenciadora para os peregrinos do Caminho de Santiago de Compostela, com localização e serviços pensados especificamente para essa procura”

“Já foi aprovado o projeto de licenciamento, sendo que o promotor está a concorrer aos sistemas de incentivos do quadro comunitário Portugal 2020”, especificou.

Em janeiro, o autarca tinha referido que, nos últimos cinco anos, o concelho registou um “crescimento astronómico do número de peregrinos dos Caminhos de Santiago de Compostela, na Galiza, de 1.755%”.

“De 2013 a 2018 temos um crescimento espetacular (…). O Caminho de Santiago é um fator a ter em conta, sendo que esta tendência vai manter-se. A previsão é que, em 2021, iremos ter um recorde com cerca de 300 mil visitantes”, observou.

O novo hotel, a instalar em dois imóveis, na rua da Bandeira, em pleno centro histórico de Viana do Castelo, “terá 28 quartos e será dotado de uma piscina na cobertura e irá ainda oferecer respostas inovadoras para as pessoas que sofrem de asma”.

Na quinta-feira, o executivo municipal aprovou a atribuição de Interesse Municipal ao projeto da HCH – Investimentos Turísticos.

“O projeto de requalificação e refuncionalização de um conjunto edificado para unidade de turismo contribui, de forma objetiva, para a projeção e consolidação do setor turístico de Viana do Castelo, nomeadamente nas temáticas histórica, monumental, urbana, saúde, náutica e religiosa”, sustenta a declaração de Interesse Municipal.

José Maria Costa adiantou que o novo projeto, “além de ir ao encontro da estratégia municipal de reabilitação urbana, requalificando dois edifícios do centro histórico, enquadra-se na política de atração de novas unidades hoteleiras que a autarquia tem vindo a desenvolver para dar resposta às necessidades de alojamento do concelho”.

O autarca socialista referiu ainda estar em “fase de licenciamento a criação de um hotel temático, dedicado à filigrana, com 30 quartos que será criado num antigo restaurante situado na freguesia de Serreleis, junto ao rio Lima”.

Já para o Parque da Cidade, também “em fase final de licenciamento”, está previsto uma unidade hoteleira com 140 quartos, num investimento estimado em 11 milhões de euros do grupo espanhol Meliá Hotels International.

“No total, as três unidades hoteleiras representam um investimento de cerca de 14 milhões de euros e dotação o concelho de perto de 200 camas”, destacou.

Segundo dados hoje fornecidos pela autarquia, “a política de incentivos à reabilitação urbana e de dinamização das Áreas de Reabilitação Urbana (ARU) em Viana do Castelo permitiu gerar, entre 2014 e 2017, investimentos que ascendem aos 60 milhões de euros”.

O “investimento privado rondou os 40 milhões de euros e, em curso e até 2020, o Município de Viana do Castelo está a investir cerca de 20 milhões de euros”.

A Câmara Municipal “está a investir, até 2020, no âmbito do Plano Estratégico de Desenvolvimento Urbano (PEDU), 20 milhões de euros em trinta diferentes projetos, cuja intervenção será focada nas ARU”.

Financiado pelo Portugal 2020, “este programa visa a qualificação do sistema urbano, intervindo nos setores da mobilidade sustentável, regeneração urbana e comunidades desfavorecidas”.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Estruturas gigantes em forma de peixe na ecovia de Viana incentivam à reciclagem

Instalados têm três metros de comprimento, dois de altura e um metro de largura

em

Foto: Divulgação / CM Viana do Castelo

Duas estruturas gigantes em ferro e em forma de peixe foram esta sexta-feira instaladas no troço de Viana do Castelo da ecovia do Litoral Norte para “motivar” quem passa à valorização de resíduos, informou hoje a Câmara local.

Em comunicado, a autarquia da capital do Alto Minho explicou que os dois recipientes em forma de “peixe” hoje instalados têm três metros de comprimento, dois de altura e um metro de largura.

Uma das estruturas ficou localizada nas imediações da Fortim da Areosa, conhecido localmente como Castelo Velho, e, a outra foi instalada nas imediações do Campo de Jogos do Areosense, também naquela freguesia urbana de Viana do Castelo.

“Os locais de instalação das duas estruturas foram escolhidos tendo em conta o valor cénico do local e também as questões logísticas relacionadas com a recolha dos resíduos depositados, que ficará a cargo dos Serviços Municipalizados de Saneamento Básico de Viana do Castelo (SMSBVC), parceiros da iniciativa”.

Os resíduos que forem depositados nos “peixes” serão encaminhados para a Resulima (entidade gestora do aterro sanitário do Vale do Lima e Baixo Cávado), para valorização.

A colocação daquelas estruturas integra “a Estratégia Municipal para a Conservação da Natureza, no âmbito da promoção da literacia ambiental, alertando munícipes e visitantes para a importância de valorizar os resíduos produzidos no diariamente”.

No âmbito daquela estratégia, e segundo dados hoje fornecidos pelo município, quatros vezes por ano, 100 metros de areal da praia do Cabedelo, em Darque, são analisados para estudo dos resíduos marinhos.

Desde 2012 que aquela praia “é monitorizada, integrando um grupo de praias que participou no projeto-piloto sobre Lixo Marinho organizado pela Convenção OSPAR”.

“Em Viana do Castelo, o Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA) é a entidade envolvida neste projeto promovido pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e este levantamento serve para catalogar os resíduos que aparecem nas praias vianenses, percebendo de onde vêm e em que consistem”.

Ainda segundo a autarquia, “mensalmente, é também promovida uma atividade que conjuga a prática de exercício físico com a recolha de resíduos que o mar transporta até à costa do concelho”.

“A autarquia tem ainda colaborado com empresas e associações privadas que, no âmbito da sua responsabilidade social e ambiental, juntam colaboradores para ajudar a limpar as praias do concelho”, refere a nota.

Continuar a ler

Alto Minho

GNR apreende mais de uma tonelada de ouriços-do-mar no Alto Minho

Destacamento de Controlo Costeiro de Matosinhos

em

Foto: GNR

A GNR, através do Destacamento de Controlo Costeiro de Matosinhos, apreendeu 1.124 quilogramas de ouriços-do-mar, com o valor presumível de 6 700 euros, em vários locais do distrito de Viana do Castelo, anunciou esta sexta-feira aquela força policial.

Esta apreensão decorreu “no âmbito de várias ações de fiscalização dirigidas a veículos de transporte de pescado fresco e moluscos bivalves e equinodermos”.

No decurso da operação, “os militares detetaram quatro veículos que transportavam ouriços-do-mar cuja documentação não permitia determinar a sua origem e rastreabilidade, o que pode constituir um perigo para a saúde pública”.

A GNR identificou quatro homens, com idades compreendidas entre 38 e 49 anos, tendo sido elaborados os respetivos autos de notícia por contraordenação, por falta de rastreabilidade e falta de licença de apanhador.

Aquelas infrações são puníveis com uma coima que pode chegar aos 75.500 euros.

Os ouriços-do-mar, por se encontrarem vivos, foram devolvidos ao seu habitat natural.

Continuar a ler

Populares