Seguir o O MINHO

Barcelos

PJ investiga alegado desvio de 671 mil euros em associação de Barcelos

Mobility Friends nega qualquer irregularidade

em

Foto: Facebook de Mobility Friends

A Polícia Judiciária de Braga está a investigar uma queixa de ex-membros da Associação Intercultural Amigos da Mobilidade (Mobility Friends), de Barcelos, por alegada apropriação indevida, pelo presidente da mesma, de 671 mil euros, avança o Jornal de Notícias (JN).

A Associação, com sede na freguesia de Gamil, nega qualquer ilegalidade e alega que os queixosos querem vingar-se e disputar-lhes o mercado, uma vez que têm uma instituição com a mesma finalidade.

A denúncia, feita por dois cidadãos polacos, ex-sócios da Associação, refere outras ilegalidades como as de recebimento de dinheiro sem fatura, compra de terreno com recurso a sub-faturação, e aquisição de casas pré-fabricadas por 775 mil euros, quando o seu valor real seria muito inferior.

Ao JN, o advogado da Associação, Rui Senra da Cruz, disse desconhecer a investigação, que a associação não foi ouvida em qualquer inquérito e nega qualquer irregularidade.

Adiantou que já foi feita uma “queixa-crime contra os autores por difamação e denúncia caluniosa e estes já foram constituídos arguidos”.

O advogado da Mobility Friends alega, ainda, que os queixosos estão a agir por vingança e por quererem disputar-lhes o mercado.

A associação, sem fins lucrativos, presta serviços a grupos de jovens oriundos de outros países da Europa em intercâmbio no quadro do programa Erasmus +.

Ainda de acordo com aquele jornal, a associação vive um momento judicialmente conturbado já que foi alvo de nove processos judiciais movidos quer pelos dois polacos, quer por ex-funcionários.

Por seu turno, a Mobility Friends terá movido quatro processos aos dois queixosos e a ex-funcionários.

Aliás, no Tribunal de Barcelos já foi julgada e aguarda sentença uma ação cível interposta pelos dois empresários polacos exigindo a anulação da expulsão da associação.

Nessa ação, alegam que compraram quota de outro sócio, por uma soma avultada, mas, ao contrário do que teria sido acordado, ficaram sem poderes diretivos.

Populares