Seguir o O MINHO

Ponte de Lima

Pirotecnia Minhota ajudou Macau em concurso que é um dos “maiores cartazes turísticos” da região

Foi a responsável por grandes eventos como os espetáculos de abertura da Expo’98, a inauguração do aeroporto de Macau e a comemoração dos 30 anos de independência de Angola.

em

Foto: Facebook de Macao Government Tourism Office UK (C)

A Pirotecnia Minhota foi este ano responsável por prestar consultoria ao Governo de Macau durante a 29.ª edição do Concurso Internacional de Fogo de Artifício, um dos cartazes turísticos daquela região.

A empresa com sede em Santa Cruz do Lima, Ponte de Lima, teve como missão fazer os convites/seleção das empresas participantes até a supervisão da montagem e desmontagem e classificação dos espetáculos, num trabalho para o qual foi escolhida em fevereiro/março deste ano e que se prolongou durante vários meses.

Foto: Facebook de Macao Government Tourismo Office UK

Foto: Facebook de Macao Government Tourismo Office UK

Foto: Facebook de Macao Government Tourismo Office UK

A empresa chinesa Liuyang New Year Fireworks foi a vencedora desta 29.ª edição do concurso, que terminou a 01 de outubro, Dia Nacional da China, no qual milhares de pessoas se reuniram na baía em frente à Torre de Macau para assistirem ao último dia do concurso, reservado aos espetáculos da Itália e da China.

Na cerimónia de entrega de prémios, a responsável pela Direção dos Serviços de Turismo (DST) descreveu o evento como um dos “maiores cartazes turísticos” do território, capaz de atrair turistas de todo o mundo.

“A DST irá continuar a apresentar eventos diversificados e inovadores, em cooperação com diferentes serviços governamentais, instituições, associações (…) com o objectivo de transformar Macau num centro mundial de turismo e lazer”, sublinhou Helena de Senna Fernandes.

Este ano, o concurso foi exigente para a organização – e, logo, para os dois consultores enviados pela empresa de Ponte de Lima – já que, durante o período em que decorreu o festival, Macau voltou a ser atingido por um tufão (Manghkut), no dia 16 de setembro, obrigando as autoridades a içarem o sinal 10 de tempestade tropical, o máximo na escala de alerta, e a recalendarizar os espetáculos.

Recorde-se que, no ano passado, o concurso foi cancelado devido aos estragos provocados pelo tufão Hato, que atingiu Macau em 23 de agosto, causando dez mortos, mais de 240 feridos e prejuízos avaliados em 1,3 mil milhões de euros.

No concurso de 2018, participaram equipas das Filipinas, Coreia do Sul, Japão, Bélgica, França, Alemanha, Áustria e Portugal, com companhia pirotécnica “Luso”, de Almada, distrito de Lisboa.

A Pirotecnia Minhota, empresa centenária que introduziu os espetáculos piromusicais em Portugal, realiza as maiores romarias nacionais, como as Feiras Novas, de Ponte de Lima, e as Festas D’Agonia, em Viana do Castelo, mas também o grandioso fogo de Passagem do Ano, na Madeira, ou o da noite de São João, em Braga e no Porto, e já recebeu vários prémios internacionais, nomeadamente no Mónaco, Canadá, Macau, Suécia, e Alemanha. Foi a responsável por grandes eventos como  espetáculos durante  a Expo’98, a inauguração do aeroporto de Macau e a comemoração dos 30 anos de independência de Angola.

Emprega 25 trabalhadores permanentes, para além de contratar outros colaboradores durante os períodos de maior atividade, como a Páscoa, Verão e final do ano. É liderada pelo empresário e maestro-técnico David Costa, que é também dirigente da Associação Nacional de Empresas de Produtos Explosivos (ANEPE).

 

Notícia atualizada às 15h06.

Populares