Seguir o O MINHO

Vitória SC

Pinto Lisboa quer Vitória “não apenas a competir, mas a ganhar”

23.º presidente do clube

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Miguel Pinto Lisboa, que hoje venceu as eleições com mais do dobro dos votos dos outros dois candidatos, prometeu um Vitória SC “a entrar em todos os campos não apenas para competir, mas para ganhar”.

Num discurso de Vitória na sua sede de campanha, no centro histórico de Guimarães, pouco tempo depois de conhecidos os resultados que lhe deram 50,6 por cento dos votos, Miguel Pinto Lisboa frisou o desejo da equipa de futebol estar sempre “entre os quatro primeiros” e ser presença assídua nas competições europeias.

“O Vitória vai entrar em todos os campos não apenas para competir, mas para ganhar!”, assegurou.

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO

O novo presidente, que sucede a Júlio Mendes, e toma posse como o 23.º presidente do clube a 29 de julho, apelou à união, frisando também que a “votação expressiva traz responsabilidade”.

“Neste momento, acabam as listas, somos todos Vitória, contamos com todos das outras listas para um Vitória maior. Quero deixar uma mensagem de confiança aos sócios: tudo o que dissemos que iríamos fazer no programa eleitoral, vamos cumprir”, disse.

Para Pinto Lisboa, “o primeiro objetivo da época é tentar entrar na fase de grupos da Liga Europa”, no campeonato garantir a qualificação para as competições europeias e ser “ambiciosos nas taças de Portugal e da Liga”.

Miguel Pinto Lisboa obteve 50,6 por cento dos votos (3584 votos), mais do que os outros dois candidatos juntos.

António Miguel Cardoso, da lista A, obteve 31,1 por cento (2202) e Daniel Rodrigues, da lista C, 16,8 por cento (1189).

Num total de 7083 sócios votantes, houve 37 votos nulos e 71 brancos (1,5 por cento).

Anúncio

Futebol

Vídeo mostra cântico de ódio de adeptos do Boavista com alusão à morte da mãe de Rochinha

Antes de jogo com o Vitória, no passado domingo, em Guimarães

em

Os adeptos do Boavista FC dirigiram cânticos de ódio ao futebolista Rochinha, antes o jogo da segunda jornada da I Liga portuguesa, entre o clube portuense e o Vitória, disputado no domingo, em Guimarães.

Num vídeo divulgado nas redes sociais, ouvem-se algumas destas pessoas a cantar uma música com letra imprópria dirigida ao jogador vitoriano, que, em janeiro, deixou os boavisteiros, situação que, de acordo com vários relatos, se manteve já dentro do estádio, durante a partida.

Atenção: Vídeo com linguagem imprópria

“A p*** da tua mãe, Rochinha. A p*** da tua mãe, Rochinha. Antes a tua do que a minha”, ouviu-se em vários momentos.

Recorde-se que, em fevereiro, o médio de 23 anos, natural de Espinho, perdeu a mãe, que morreu vítima de doença.

O caso levou a que o Sindicato de Jogadores de Futebol viesse, esta quarta-feira, condenar a situação.

“O Sindicato dos Jogadores teve conhecimento de que ao longo do último jogo entre o Vitória Sport Clube e o Boavista Futebol Clube, o jogador e associado Rochinha foi alvo de um conjunto de insultos por adeptos da equipa adversária, inaceitáveis em qualquer contexto, por mais tenso que seja o ambiente de um jogo de futebol ou vulgar que seja a utilização de determinadas expressões nas bancadas”, lê-se num comunicado publicado no site daquele sindicato.

“Os referidos insultos não foram dirigidos de forma indiscriminada, foram antes uma manifestação de ódio e ameaça, com o aproveitamento de um acontecimento recente da vida do jogador, o falecimento da sua mãe”.

O sindicato garante que irá fazer chegar os factos às entidades competentes.

“Por constituírem uma agressão verbal especialmente violenta, o Sindicato vem desde já condenar o sucedido, manifestando total solidariedade com o jogador Rochinha e estando a averiguar os vários registos existentes sobre estes acontecimentos, de modo a encaminhar às entidades competentes”, remata.

Continuar a ler

Futebol

Liga Europa: Presidente do Vitória confiante na passagem à fase de grupos

Playoff contra FCSB (ex-Steaua de Bucareste)

em

Foto: Facebook de Vitória SC

O presidente do Vitória SC, Miguel Pinto Lisboa, afirmou hoje que a equipa crê no apuramento para a fase de grupos da Liga Europa de futebol, na antecâmara do ‘play-off’ com o FCSB (ex-Steaua de Bucareste), da Roménia.

Com a primeira mão da eliminatória agendada para quinta-feira, às 19:30 (hora de Lisboa), na ‘casa emprestada’ do adversário, em Giurgiu (cidade 60 a quilómetros a sul da capital Bucareste), o dirigente sublinhou os “elevados níveis de confiança”, a “motivação” e o “querer” dos jogadores vitorianos para conseguirem um resultado que os aproxime da meta traçada.

Miguel Pinto Lisboa. Foto: Paulo Jorge Magalhães/O MINHO (Arquivo)

“Estamos no ‘play-off’. O nosso objetivo, como sempre comunicámos, é atingir a fase de grupos. Estamos confiantes nesse objetivo. Respeitamos este adversário, tal como os anteriores, mas estamos focados no objetivo e crentes de que o vamos atingir”, disse, no aeroporto Francisco Sá Carneiro, no Porto, antes do para Roménia.

Questionado sobre as possíveis entradas e saídas do plantel até 31 de agosto, data de encerramento do mercado de transferências, Miguel Pinto Lisboa frisou que “nada está fechado” até ao último dia.

Os dois últimos reforços confirmados pelo Vitória, o médio Poha (ex-Rennes, França) e o avançado Bruno Duarte (ex-Lviv, Ucrânia) já podem ser utilizados pelo treinador Ivo Vieira no primeiro jogo com o FCSB.

O Vitória SC defronta o FCSB, da Roménia, na quinta-feira, às 19:30 de Lisboa, num encontro marcado para o Estádio Marin Anastasovici, na cidade de Giurgiu, e arbitrado pelo esloveno Matej Jug.

Lista de 20 convocados:

– Guarda-redes: Miguel Silva, Douglas e Miguel Oliveira.

– Defesas: Sacko, Lucas Soares, Tapsoba, Frederico Venâncio, Pedro Henrique, Bondarenko, Florent e Rafa Soares.

– Médios: Al Musrati, Pepê, Poha, André Almeida e João Carlos Teixeira.

– Avançados: Rochinha, Davidson, Bruno Duarte e Alexandre Guedes.

Continuar a ler

Futebol

“O Vitória criou situações para fazer quatro, cinco golos”

2.ª jornada da I Liga

em

Foto: Twitter (Arquivo)

Declarações após o jogo Vitória SC-Boavista (1-1), da segunda jornada da I Liga portuguesa de futebol, disputado hoje em Guimarães:

Ivo Vieira (treinador do Vitória SC): Fizemos um jogo de grande nível. Os jogadores trabalharam até à exaustão e lutaram para que o resultado fosse diferente. De forma merecida, estávamos em vantagem e procuramos aumentá-la. Correm-se alguns riscos quando se procura a baliza do adversário, mas é um comportamento que eu quero que a equipa tenha. Tivemos mais algumas oportunidades de golo. Só fizemos um. Sofremos um golo aos 90+4 minutos. Temos de aceitar o resultado.

Houve momentos do jogo em que poderíamos tomar melhores decisões. Noutros, tomámos boas decisões. Esse comportamento [algumas manifestações de irritação durante a segunda parte] faz parte do meu ADN. Dentro do meu trabalho, há muitas razões para exigir. Quero que, a cada dia, eles sejam mais competitivos.

Os treinadores não são obrigados a fazerem as três substituições. Não permitimos que o nosso adversário tivesse ocasiões flagrantes de golo. Quando o comportamento individual e coletivo é bom, não vale a pena alterar. Mantive a equipa como estava. Poderia eventualmente meter mais um central ou um ponta de lança para defender a minha baliza, mas controlámos bem o adversário. Tínhamos de ser mais competentes a controlar aquele lance [do golo do Boavista]. Se eu estivesse em campo, atacava aquela bola de forma convicta, contra seis ou sete homens.

As pessoas que gostam de futebol viram o comportamento da equipa. O Vitória habituou, bem, a conseguir fazer resultados com um número grande de golos. Hoje, o Vitória criou situações para fazer quatro, cinco golos. Todos os jogos são difíceis. Procurámos muito a baliza do adversário. Os jogadores tiveram um comportamento fabuloso. Levaram a ideia para o jogo. Só marcámos um golo. Queríamos mais”.

Balde de água fria em Guimarães com empate ‘fora de horas’ na estreia no campeonato

Lito Vidigal (treinador do Boavista): “Foi um jogo bem disputado. Na primeira parte, o Vitória foi superior. Conseguimos estar sempre organizados defensivamente, mas faltou-nos critério na saída para o ataque. O Vitória fez um golo e foi importante mantermos a calma, estarmos organizados. Sabíamos que era importante mantermos o resultado como estava.

Ao intervalo, fizemos algumas alterações. A equipa esteve muito melhor com bola. Começámos a jogar mais no meio-campo do Vitória. Não sei se o Vitória recuou por estratégia ou por nosso mérito. Criámos uma situação ou outra e empatámos no final. Os jogadores trabalharam muito e lutaram muito.

As substituições que fizemos trouxeram mais qualidade ao jogo. O nosso objetivo é sempre jogar para ganhar. Não conseguimos ganhar, mas conseguimos somar mais um ponto, que era importante para nós.

Não entrámos defensivamente em campo, mas ganhámos poucos duelos. Tínhamos de ganhar a maior parte dos duelos no meio-campo e não conseguimos fazê-lo na primeira parte. Na segunda parte, a equipa tornou-se mais agressiva e intensa. Depois, conseguimos ter muito mais critério. Acima de tudo, é preciso valorizar a entrega. Temos de acreditar até ao fim que podemos vencer todos os jogos.

(Sobre a entrada de Lucas para o lugar de Ricardo Costa no eixo da defesa) O Vitória tem jogadores altos. Os centrais são fortes no jogo aéreo. O Vitória tinha feito alguns jogos com muitos golos em situações de bola parada. Vamos adaptando as características dos jogadores a determinados jogos. O Lucas fez um jogo muito bom”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares