Seguir o O MINHO

Alto Minho

Pescadores de Caminha alertam para perigos do assoreamento da barra

Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora

em

Foto: DR

O presidente da Associação de Pescadores de Vila Praia de Âncora, em Caminha, disse hoje que “os acidentes e a morte espreitam” a cada saída e entrada no portinho pesca, que “não é desassoreado há vários anos”.


“Os riscos que corremos a cada dia de faina são enormes. Há anos que não é feita qualquer dragagem e nunca foi feita uma intervenção de fundo no portinho de Vila Praia de Âncora. Fazem sempre desassoreamentos parciais que não resolvem o problema”, afirmou hoje à agência Lusa, Vasco Presa.

O assoreamento no portinho de Vila Praia de Âncora, no concelho de Caminha, que hoje conta com pouco mais de vinte embarcações de pesca tradicional e uma centena de pescadores, é um problema recorrente.

Após vários anos de reivindicações, o Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos gastou, no primeiro semestre de 2013, mais de 400 mil euros para dragar aquela barra.

Contudo, em junho desse mesmo ano, cerca de quinze dias depois de concluída a operação, a barra já se encontrava novamente assoreada, problema que os pescadores afirmam dever-se também à configuração do portinho, construído há cerca de uma década.

O problema arrasta-se até hoje e, segundo Vasco Presa, “levanta muitas limitações à atividade dos pescadores, que só podem operar quando estão reunidas as condições de segurança para a saída e entrada das embarcações”.

“Não podemos fazer as marés de mar que seriam desejáveis. Vamos menos vezes ao mar e com muitas limitações. Veja o que é termos de interromper a faina para podermos entrar em segurança, quando precisávamos de estar mais horas no mar. O peixe tem a suas lógicas e suas complexidades para ser capturado, não pode ser pelo nosso relógio ou vontade”, explicou.

Questionado sobre as ações que os pescadores tencionam tomar para alertar para a situação, Vasco Presa disse que podem vir passar pelo “boicote às vendas ou pela exigência da suspensão de rendas de armazéns de aprestos”.

“São encargos grandes que os pescadores com esta situação têm dificuldade em suportar. Estamos a falar de encargos mensais a rondar os 500 euros”, especificou.

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves confirmou que a barra se encontra “completamente assoreada”.

“É um perigo. Há anos que ando nessa luta. Já há um procedimento feito no âmbito da sociedade Polis Litoral Norte, mas falta adjudicar porque não há garantia financeira da parte da Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, tutelada pelo Ministério do Mar. Só há dinheiro do Ministério do Ambiente. Desde a aprovação do Orçamento de Estado que estamos à espera de que a verba, prometida desde o ano passado, seja disponibilizada. Enquanto não é, o procedimento não avança e o portinho está um perigo”, referiu.

O autarca socialista adiantou que “os pescadores de Vila Praia de Âncora estão a arriscar a vida sempre que saem e voltam do portinho por causa de uma burocracia que teima em não se tornar realidade”.

“E o perigo vai aumentar com a chegada dos turistas, menos experientes e pouco conhecedores da barra, que vem para usar os seus barcos em lazer. Das duas, uma: ou se faz o desassoreamento ou se fecha o porto e compensa os pescadores”, defendeu.

A Lusa questionou a sociedade Polis Litoral Norte, mas não obteve resposta até ao momento.

Estima-se que a atividade piscatória envolva perto de 200 pessoas em Vila Praia de Âncora, da pesca propriamente dita à venda e ou à restauração.

A operação de desassoreamento do portinho de Vila Praia de Âncora foi considerada como prioritária, em 2012, pela secretaria de Estado do Mar, por a situação condicionar a atividade piscatória.

Anúncio

Alto Minho

Surto infeta 37 utentes e nove funcionários em lar de Caminha

Covid-19

em

Foto: DR

Trinta e sete utentes e nove funcionários do lar do Bom Jesus dos Mareantes, em Caminha, estão infetados com o novo coronavírus, revelou hoje à Lusa o presidente da Câmara.

Em declarações à agência Lusa, Miguel Alves explicou que os casos positivos foram hoje conhecidos, após terem sido testados, na sexta-feira, os 63 utentes e 36 funcionários da instituição.

“A instituição tem 37 utentes positivos e 26 negativos. Nove funcionárias testaram positivo e 27 negativo. De todas estas pessoas, apenas uma utente está hospitalizada desde quinta-feira”, especificou o autarca socialista.

Miguel Alves adiantou que “as famílias dos utentes positivos já foram todas informadas”, estando em curso “medidas de reforço das condições de segurança e isolamento entre utentes”.

“Os utentes positivos já estão separados dos restantes. A direção e funcionários da instituição estão a fazer um bom trabalho, mas nunca se sabe como é que a situação pode evoluir”, sublinhou.

Miguel Alves garantiu que “a direção do lar, a Câmara Municipal e a Junta de Freguesia de Caminha estão em permanente contacto e colaboração para tentar travar a evolução do surto”.

O autarca alertou que “se o mês de outubro foi mau para Caminha, com o número de casos a triplicar, relativamente ao acumulado dos meses anteriores, em que a média foi de cinco casos por dia, novembro pode ser pior”.

“Estamos com 10 novos casos por dia, sem contabilizar com os casos do lar”, reforçou.

Miguel Alves apelou “ao cumprimento das medidas decretadas, mas também à responsabilidade individual”.

“Sabemos que 70% dos casos no concelho de Caminha têm origem em festas, almoços de família ou convívios pós-laborais. Está na hora de todos percebermos que a nossa atitude conta. Para bem, mas, também, infelizmente, para o mal”, frisou.

Seis dos 10 municípios do distrito de Viana do Castelo integram a lista de 121 concelhos que apresentam risco elevado de transmissão da covid-19. Além de Caminha, foram considerados concelhos de elevado risco Viana do Castelo, Valença, Ponte de Lima, Paredes de Coura, Vila Nova de Cerveira.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,2 milhões de mortos em mais de 49,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.848 pessoas dos 173.540 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Continuar a ler

Alto Minho

Ponte de Lima ganha este domingo um novo padre

Religião

em

Foto: Notícias de Viana / Diocese de Viana

Ponte de Lima passa a contar, a partir deste domingo, com um novo pároco saído do concelho. Paulo Alves, de 25 anos, é natural de Correlhã e será ordenado neste domingo.

Depois do seminário, Paulo Alves fez o estágio pastoral em Perre e Outeiro, cumprindo como diácono na paróquia de Nossa Senhora da Fátima, isto tudo no arciprestado de Viana do Castelo. Em entrevista ao Notícias de Viana, jornal da diocese do Alto Minho, explica que a sua ordenação será “um momento de profunda responsabilidade”.

“Se, por um lado, me sinto inundado por uma grande alegria por se tratar do culminar de longos anos de formação e de preparação, por outro, tenho consciência da grandeza da missão para a qual sou chamado e serei enviado, especialmente, nesta época de profundas mutações na sociedade, em que urge da parte da Igreja, uma renovação das suas práticas pastorais”, disse o ainda diácono.

Explica que foi na infância quando começou a sentir vocação para a vida sacerdotal, através de dois momentos cruciais.

“O primeiro momento aconteceu por volta dos 14 anos, por meio de um familiar – a tia-bisavó Lurdes, irmã do padre Lourenço –, que afirmava acreditar que eu possuía vocação para a vida religiosa ou sacerdotal”, confessa.

“Posso dizer que ela foi a minha primeira diretora espiritual pois, nos nossos encontros, ela fez-me compreender como o Senhor nos vai interpelando a partir de pequenos sinais do quotidiano”, acrescentou.

“O segundo – e que foi aquele que me colocou definitivamente perante a interrogação – teve o seu lugar já aos 16 anos, quando, no entardecer de um sábado veranil, uma senhora que então desconhecia – a irmã Lurdes – me abordou no adro da igreja e questionou se já tinha “pensado em entrar no Seminário””, revela.

O padre Paulo Alves será ordenado sacerdote neste domingo, dia 08 de novembro, numa cerimónia que decorre na igreja da Correlhã, a partir das 15:30, que será presidida por D. Jorge Ortiga, arcebispo de Braga.

A missa será transmitida a partir da página de Facebook da diocese de Viana do Castelo.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Um morto em naufrágio de veleiro ao largo de Viana do Castelo

Marinha

em

Foto: DR

Quatro tripulantes franceses foram hoje resgatados, um deles sem vida, de um veleiro que naufragou ao largo de Viana do Castelo, anunciou a Marinha.

De acordo a Marinha, o alerta foi dado cerca das 02:00 de hoje, de um veleiro com quatro tripulantes franceses, que se virou ao largo de Viana do Castelo.

Na operação de socorro foi possível resgatar três homens, com idades entre os 49 e os 67, tendo sido necessário fazer buscas para encontrar o quarto tripulante, de 63 anos, já sem vida.

Os três sobreviventes do naufrágio foram transportados para os Açores.

A operação foi dirigida pelo Centro de Coordenação de Busca e Salvamento Marítimo de Lisboa e mobilizou dois navios mercantes, uma fragata, uma aeronave da Força Aérea e meios do Instituto de Socorros a Náufragos.

Continuar a ler

Populares