Seguir o O MINHO

Alto Minho

Pela primeira vez em 262 anos não há Feira dos Santos em Valença

Por causa da pandemia

em

Foto: DR / Arquivo

A Feira dos Santos, que se realiza há 262 anos em Cerdal, em Valença, e que atrai milhares de visitantes, muitos da Galiza, foi cancelada devido à pandemia de covid-19, disse hoje à Lusa o presidente da Câmara.


“Desde que há memória é a primeira vez que a Feira dos Santos é cancelada. Tenho falado com as pessoas mais idosas da freguesia e do concelho e ninguém se recorda de a feira ter sido cancelada”, afirmou Manuel Lopes.

O autarca do PSD adiantou que “os primeiros registos sobre a sua realização remontam às ‘Memórias Paroquiais’ da freguesia de Cerdal de 1758, mas há alfarrábios que dizem que a feira é anterior a essa data”.

“A população aceitou muito bem este cancelamento porque as pessoas já se mentalizaram que em primeiro lugar está a saúde pública. A nossa saúde não depende de uma feira. Teremos muitos mais anos para viver e muitas mais feiras dos santos para gozar”, afirmou Manuel Lopes, referindo-se ao risco de contágio da doença causada pelo novo coronavírus.

O autarca destacou os “milhares” de visitantes que todos os anos se deslocam aquela feira, muitos oriundos da Galiza, entre eles, da cidade vizinha de Tui.

Valença e Tui, província de Pontevedra, estão separadas por apenas 400 metros, são servidas por duas pontes sobre o rio Minho e, desde 2012, constituem uma eurocidade.

“Os nossos vizinhos galegos gostam muito de vir feirar a Portugal. Eles permanecem muito mais tempo nas feiras que os próprios portugueses”, referiu.

Considerada a “última grande feira/romaria do calendário anual do Noroeste Peninsular, a edição 2019 da Feira dos Santos contou, segundo a organização, a cargo da paróquia e da Junta de Freguesia, com a presença de mais de 400 feirantes.

A venda dos pericos dos Santos (peras pequenas típicas do concelho), as castanhas, as corridas de cavalos, as tasquinhas, os cantares ao desafio e as tendas são alguns dos seus atrativos.

Os pericos, “semelhantes a uma pequena pera, são endógenos de Valença e têm no concelho, além da sua origem, as maiores áreas de produção”. A par dos pericos, as castanhas cruas ou cozidas, as nozes e os dióspiros são outros dos produtos biológicos comercializados.

Roupa, calçado, produtos do campo, gado cavalar, bovino e caprino, bijuterias e muita gastronomia tradicional também se encontram naquela feira que se realiza, habitualmente, nos dias 01 e 02 de novembro.

No dia 01 de novembro ocorre a feira dos Santos e no dia 02 a feira das Trocas, que como o nome indica permite trocar os produtos adquiridos na véspera que por alguma razão não serviram.

A feira decorre, anualmente, no Terreiro de São Bento da Lagoa, na freguesia de Cerdal, num espaço situado junto à Estrada Nacional (EN) que liga o concelho a Paredes de Coura e a cinco minutos do acesso à Autoestrada 3 (A3) e às pontes internacionais que ligam Valença a Tui, na Galiza.

Manda a tradição que nas noites de 31 de outubro e de 01 de novembro, a feira dos Santos seja o destino para provar os vinhos novos e saborear os petiscos locais. Nas tasquinhas animam-se as noites ao som das concertinas e as cantigas de desgarrada.

As corridas de cavalos, em passo travado, são outros dos pontos altos do programa da romaria. A iniciativa decorre na pista das corridas onde os cavalos garranos dão um colorido especial à feira do gado que conta, ainda, com animais bovinos, caprinos e ovinos.

Além da Feira dos Santos, a Câmara de Valença cancelou a feira mensal e das antiguidades previstas para os mesmos dias.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 43,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.371 pessoas dos 124.432 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Anúncio

Alto Minho

Casos ativos descem no Alto Minho mas aumentam em Ponte de Lima, Monção e Melgaço

Covid-19

em

Foto: DR

O Alto Minho tem, atualmente, 1.262 casos ativos de covid-19, menos 44 entre quarta e esta sexta-feira, segundo dados recolhidos por O MINHO junto da Unidade Local de Saúde do Alto Minho, atualizados às 19:30 de hoje.

O distrito de Viana do Castelo soma, desde o início da pandemia, 3.331 casos, mais 157 nestes dois dias.

Há a lamentar 88 óbitos, os mesmos desde quarta-feira.

Contam-se ainda 1.981 recuperados, mais 201 desde segunda-feira.

A maior subida verificou-se em Ponte de Lima, com aumento de 14 casos ativos, contando o município com 374 casos ativos.

Também Monção, com 39 (+1) e Melgaço com 20 (+2) registaram subidas.

Arcos de Valdevez não sofreu oscilação, mantendo os 90 casos ativos da passada quarta-feira.

De resto, todos os concelhos registam descida de casos ativos.

Viana do Castelo tem 323 casos ativos (-19), Caminha 168 (-13) e Valença 144 (-6), Cerveira 51 (-7), Paredes de Coura 26 (-15) e Ponte da Barca 27 (-1).

Continuar a ler

Alto Minho

Escolas primárias de Ponte de Lima com ‘ecobags’ para separar resíduos

Ambiente

em

Foto: Divulgação / CM Ponte de Lima

Os alunos das escolas de primeiro ciclo de Ponte de Lima têm um novo incentivo para separar os resíduos. Em comunicado, a Câmara de Ponte de Lima dá conta da distribuição de ‘ecobags’ por “todas as salas de aula” do primeiro ciclo do ensino básico em todo o concelho.

Segundo o comunicado, esta iniciativa “visa sobretudo educar e sensibilizar para a importância da reutilização e reciclagem,
com o objetivo de contribuir para uma correta separação de todos os resíduos sólidos que são produzidos, sendo os ecobags facilitadores deste processo de separação de resíduos”.

“Assim, foi entregue a cada sala um conjunto de três ecobags, um para o papel, um para o vidro e outro para embalagens, para que assim se iniciar ou dar continuidade ao processo de separação para reciclagem nas escolas”, finaliza a nota de imprensa.

Continuar a ler

Alto Minho

Motociclista em estado grave após despiste em Paredes de Coura

EN 301

em

Foto: O MINHO / Arquivo

Um homem, com 50 anos, sofreu ferimentos na sequência de um despiste de motociclo, ao início da tarde desta sexta-feira, em Paredes de Coura.

Segundo a Rádio Vale do Minho, o homem seguia na mota que terá entrado em despiste no troço da Estrada Nacional 301 que atravessa a freguesia de Padronelo.

No local estiveram os Bombeiros de Paredes de Coura e a ambulância de suporte imediato de vida de Ponte de Lima, prestando primeiro socorro à vítima

O condutor da mota foi transportado para o Hospital de Santa Luzia, em Viana, com ferimentos considerados graves.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Populares