Seguir o O MINHO

Futebol

Pedro Proença reeleito presidente da Liga com 46 dos 48 votos possíveis

Ato eleitoral mostrou “a união e vitalidade do futebol profissional em Portugal”

em

Foto: DR / Arquivo

Pedro Proença foi hoje reeleito presidente da Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP), após um ato eleitoral em que amealhou 46 dos 48 votos possíveis.

O dirigente, que liderava a lista única que se apresentou a sufrágio, vai cumprir o segundo mandato de quatro anos à frente do organismo, recebendo a confiança da maior parte das sociedades desportivas no ato eleitoral, que hoje decorreu na sede da LPFP, no Porto.

Apenas o Marítimo não exerceu o seu direito eleitoral, devido a motivos de saúde do seu presidente, numa eleição em que, segundo os estatutos, os votos dos clubes da I Liga valiam por dois, e os da II Liga por um.

Na votação para os restantes órgãos sociais da Liga para o quadriénio 2019-2023, a Mesa da Assembleia-Geral recebeu 45 dos 48 votos possíveis, o Conselho Jurisdicional 48 votos e o Conselho Fiscal 46.

Mário Costa, presidente da Assembleia-Geral, considerou que este ato eleitoral mostrou “a união e vitalidade do futebol profissional em Portugal”, partilhando o estado de espírito de Pedro Proença.

“Está muito satisfeito com o resultado, mostra que os clubes estiveram unidos em torno da sua candidatura e prova que querem a continuidade do excelente trabalho que ele tem feito”, disse o dirigente.

Pedro Proença reservou as declarações sobre a reeleição para sexta-feira, na cerimónia de tomada de posse, que se realizará na sede do organismo, às 17:00.

Neste alto eleitoral, nenhum dos três ‘grandes’ se fez representar pelos seus presidentes, tendo Sílvio Cervan votado em nome do Benfica, Hugo Silva Nunes pelo FC Porto e Miguel Nogueira Leite em representação do Sporting.

Dos restantes presidentes da I Liga, estiveram presentes Júlio Mendes (Vitória SC), Vítor Magalhães (Moreirense), António Silva Campos (Rio Ave), Armando Silva (Desportivo das Aves), Vítor Hugo Valente (Vitória de Setúbal) e Rui Alves (Nacional).

Anúncio

Futebol

FC Porto a um ponto das meias, Benfica e Sporting em ‘mãos’ alheias

Taça da Liga

em

Foto: FC Porto / Twitter

O FC Porto é o único ‘grande’ que só depende de si próprio para marcar presença na ‘final four’ da Taça da Liga em futebol, depois de concluída a segunda jornada da terceira fase.

A formação ‘azul e branca’, que nunca venceu a competição, em 12 edições, colocou-se hoje a um ponto das meias-finais, ao vencer por 3-0 no reduto do ‘secundário’ Casa Pia, após o triunfo caseiro por 1-0 face ao Santa Clara.

Os comandados de Sérgio Conceição assumiram o primeiro lugar do Grupo D e é com outra equipa da II Liga que vão disputar o acesso à fase final da prova, que se realiza em Braga, com meias-finais em 21 e 22 de janeiro de 2020 e final no dia 25.

O encontro que tudo decidirá está marcado 22 de dezembro, em Chaves, onde o conjunto local, também com dois triunfos (1-0 no reduto do Casa Pia e na receção ao Santa Clara), precisa de ganhar, pois perde para os portistas nos golos (2-0 contra 4-0).

Finalistas vencidos em 2009/10 (0-3 com o Benfica), 2012/13 (0-1 com o Sporting de Braga) e na época passada (1-3 nos penáltis, após 1-1 nos 90 minutos, com o Sporting), os ‘dragões’ estão em situação similar ao Sporting de Braga, no Grupo A.

Os ‘arsenalistas’, que já foram anfitriões da prova na época passada, venceram em Penafiel (3-1) e com o Marítimo (2-1), em outubro, e lideram o agrupamento, com seis pontos, contra quatro do Paços de Ferreira (1-1 com os insulares e 2-1 em Penafiel).

A formação de Sá Pinto só precisa, assim, de um empate, mas, como o Desportivo de Chaves, o conjunto da Capital do Móvel terá em 22 de dezembro, pelas 17:00, o ‘fator casa’ do seu lado e sabe que estará na ‘final four’ em caso de triunfo.

Os bracarenses somam uma vitória na prova, em 2012/13, e foram ainda finalistas em 2016/17 (0-1 com o Moreirense), enquanto o Paços de Ferreira perdeu por 2-1 com o Benfica na final de 2010/11.

Se FC Porto e Sporting de Braga têm, mesmo jogando fora, o destino nas suas mãos, para voltarem, um ano depois, à ‘final four’, o Benfica, no Grupo B, e o Sporting, no C, dependem de outros para conquistar o mesmo objetivo.

Os dois ‘grandes’ de Lisboa jogam o seu destino em 21 de dezembro, sabendo de antemão que triunfos do Vitória de Guimarães, na receção ao secundário Sporting da Covilhã, e do Rio Ave, também em casa, perante o Gil Vicente, os afastam da prova.

Os ‘encarnados’, recordistas de títulos na prova, com sete troféus (2008/09 a 2011/12 e 2013/14 a 2015/16), precisam que os minhotos não ganhem e ainda de triunfar em Setúbal.

Mesmo neste cenário, o Benfica, que empatou a zero na Luz com o Vitória de Guimarães e a um na Covilhã, na terça-feira, pode ‘cair’ se o conjunto da II Liga ganhar e mantiver vantagem sobre os ‘encarnados’ nos golos (2-2 contra 1-1).

Após duas jornadas, o Vitória de Guimarães lidera, com quatro pontos, contra dois de Sporting da Covilhã e Benfica e um do já arredado Vitória de Setúbal.

A situação dos ‘leões’, vencedores das últimas duas edições, ambas conquistas em Braga nos penáltis, é semelhante, pois estão obrigados a ganhar em Portimão e ainda que o Rio Ave não vença em casa o já afastado Gil Vicente.

Os problemas do conjunto de Silas, que na quarta-feira venceu por 2-0 em Barcelos, são ainda maiores porque, ao contrário do Vitória de Setúbal, o Portimonense deverá jogar com os melhores, uma vez que está na corrida à ‘final four’.

O conjunto algarvio lidera o Grupo C a par do Rio Ave, ambos com quatro pontos e 3-2 em golos – neste caso prevalece a equipa com menor média de idades -, enquanto o Sporting, que perdeu por 2-1 em casa com os vila-condenses, é terceiro, com três.

O primeiro de cada um dos quatro grupos da terceira fase segue para as meias-finais: em 21 de janeiro de 2020, jogam os vencedores dos grupos A e C e, em 22, os que conquistarem os agrupamentos B e D. A final é no dia 25.

Continuar a ler

Futebol

Tomás Esteves é o defesa mais jovem a estrear-se no FC Porto em 94 anos

O segundo defesa mais jovem de sempre

em

Foto: Twitter / FC Porto

O apontamento é lançado pelos aficionados da estatística, playmakerstats, através do Twitter. Tomás Esteves, futebolista natural de Arcos de Valdevez, que se estreou esta quinta-feira pela equipa principal do Futebol Clube (FC) do Porto, é o defesa caloiro mais novo, em 94 anos, dos dragões.

Torna-se, também, o segundo defesa mais jovem, de sempre, a alinhar pelos bicampões europeus, depois de Temudo, defesa que, em 1925, se estreou com 17 anos e sete meses, menos um que o defesa direito minhoto (17 anos e oito meses).

 

O lateral direito, de 17 anos, entrou aos 75 minutos para o lugar de Manafá, quando o marcador ditava um triunfo confortável (3-0) dos portistas no marcador, frente ao Casa Pia, para a fase de grupos da Taça da Liga.

Em declarações no pós-jogo, o atleta refere ter cumprido um sonho, ao jogar pelo clube do coração. Agradeceu à mãe pelo “sacrifício” de o ter que levar aos treinos.

Em entrevista ao jornal O JOGO, durante a pré-época, o pai do atleta revelou que as viagens totalizavam mais de 150 quilómetros entre a freguesia de Aboim da Choças, de onde é natural, e o centro de treinos do Olival, em Gaia.

Depois do debut desta noite, o nome do jovem parece estar a subir, em termos de tendência, no Twitter, depois de alguns adeptos portistas influentes divulgarem o agradecimento à mãe.

O próprio clube portista destacou as declarações.

 

Na atual temporada, o arcuense soma oito jogos pela equipa B.

Continuar a ler

Futebol

Aos 17, Tomás Esteves estreou-se na equipa principal do FC Porto: “Realizei um sonho”

Futebolista de Arcos de Valdevez

em

Foto: FC Porto

Tomás Esteves, natural de Arcos de Valdevez, estreou-se esta noite pela equipa principal do Futebol Clube (FC) do Porto, frente ao Casa Pia, em jogo da fase de grupos da Taça da Liga.

O lateral direito, de 17 anos, entrou aos 75 minutos para o lugar de Manafá, quando o marcador ditava um triunfo confortável (3-0) no marcador.

Sérgio Conceição reforça assim a aposta em jogadores que venceram, na época passada, a Youth League ao serviço dos dragões.

Em declarações no pós-jogo, o atleta refere ter cumprido um sonho, ao jogar pelo clube do coração. Agradeceu à mãe pelo “sacrifício” de o ter que levar aos treinos.

Aos 17 anos e sete meses, tornou-se no segundo defesa mais jovem de sempre a estrear-se com o emblema do clube da invicta.

Tomás Esteves é o defesa mais jovem a estrear-se no FC Porto em 94 anos

Em entrevista ao jornal O JOGO, durante a pré-época, o pai do atleta revelou que as viagens totalizavam mais de 150 quilómetros entre a freguesia de Aboim da Choças, de onde é natural, e o centro de treinos do Olival, em Gaia.

Depois do debut desta noite, o nome do jovem parece estar a subir, em termos de tendência, no Twitter, depois de alguns adeptos portistas influentes divulgarem o agradecimento à mãe.

O próprio clube portista destacou as declarações.

 

Na atual temporada, o arcuense soma oito jogos pela equipa B.

Continuar a ler

Populares