Seguir o O MINHO

Motores

Pedro Marques, piloto da “Mobycar”, convidado para correr em Itália

em

Foto: Joaquim Gomes / O MINHO

Pedro Marques, o piloto bracarense da “Mobycar”, foi convidado para correr em Itália já em meados de outubro no FIA Hill Climb Master, prova que reúne os melhores corredores europeus de automóveis de montanha, que este ano será na cidade de Gubbio, em Perugia.


Em declarações exclusivas a O MINHO, o jovem corredor de Braga considera “saber ter grandes adversários pela frente, mas com muita esperança, que terei um bom resultado, o que será muito importante para a minha carreira de piloto, apesar de não ser profissional”.

Pedro Marques, natural e residente em Braga, compete desde sempre por paixão, já que profissionalmente está ligado à empresa Mobycar, em Nogueira, Braga, com a venda de carros seminovos e oficinas, para além de possuir um outro stand, na Reta da Confeiteira.

Acerca do seu bom desempenho este ano e nas épocas anteriores, o que contribuiu para o convite recebido, a fim de participar na importante prova internacional, o FIA Hill Climb Master, Pedro Marques disse “estar a correr bem, apesar de este ano estar a conhecer as rampas” do Campeonato de Portugal de Montanha JC GROUP 2018, a par da “adaptação” ao seu novo carro para a sua competição na Categoria de Turismo 4, um Seat Leon MR3.

A prova internacional em Itália

No FIA Hill Climb Master, a disputar entre os próximos dias 12 e 14 de outubro em Itália, cada piloto obterá uma classificação individual em função do melhor tempo conquistado, participando entre os quatro pilotos de primeira linha escolhidos pelas suas classificações, no Campeonato de Portugal de Montanha de 2017, quatro pilotos, José Correia, Joaquim Teixeira, Manuel Correia e Pedro Coelho Saraiva, sendo campeões na sua categoria, com Pedro Marques e Sérgio Nogueira a serem convidados, pelo bom desempenho de ambos.

As federações nacionais, no caso a Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting (FPAK) indicam quatro pilotos, que além de correrem individualmente formarão a equipa do país representado, sendo a título individual pilotos que este ano estejam classificados nos cinco primeiros da categoria ou em primeiro do grupo podem participar, o que levou aos convites a Pedro Marques e a Sérgio Nogueira, ambos de Braga, tal como os irmãos José Correia e Manuel Correia, os dois campeões nas suas respetivas categorias, a par de Joaquim Teixeira e de Pedro Coelho Saraiva, sendo aquele de Vila Real e este da Covilhã.

Foto: Joaquim Gomes/O MINHO

Foto: Joaquim Gomes/O MINHO

Foto: Joaquim Gomes/O MINHO

Foto: Joaquim Gomes/O MINHO

Ainda a um mês desta competição, a comitiva portuguesa é composta já por mais de meia centena de elementos das equipas e respetivas claques, para apoiarem sempre os pilotos.

A nível da corrida em representação do país serão quatro os pilotos que irão pontuar para essa classificação e a FPAK escalou todos os pilotos que foram campeões de cada uma das categorias no Campeonato de Portugal de Montanha/2017 num princípio de equidade.

Anúncio

Motores

Félix da Costa vai testar na IndyCar norte-americana

Automobilismo

em

Foto: DR / Arquivo

O piloto português António Félix da Costa, que este ano venceu o campeonato de Fórmula E, foi convidado para testar um dos monolugares da IndyCar, a maior competição de monolugares dos Estados Unidos da América, foi hoje anunciado.

O teste com o monolugar da Rahal Letterman Lanigan Racing vai decorrer no próximo dia 02 de novembro, no circuito de Barber Motorsports Park.

Para o piloto de Cascais, é “sonho de criança” que se cumpre.

“Nunca escondi o sonho e a vontade de correr na IndyCar. Sou um grande fã do campeonato e da mentalidade das corridas nos Estados Unidos. Conheço o Bobby Rahal há alguns anos e sempre que nos víamos em brincadeira eu dizia que tinha de ir experimentar os carros da equipa dele, e quando ele me ligou com este convite para conhecer e testar com a Rahal, foi impossível recusar”, referiu o piloto luso, em declarações difundidas pela sua assessoria de imprensa.

Félix da Costa garante, contudo, continuar “focado na Fórmula E”, mas não fecha a porta da IndyCar no futuro.

“Quero fazer um bom trabalho, deixar a minha marca na equipa e nunca se sabe o que o futuro nos pode reservar,” concluiu.

O monolugar da IndyCar é equipado com um motor V6, 2.2L com cerca de 700 cavalos de potência.

Continuar a ler

Motores

Mundial de Superbikes termina no Estoril em prova sem público

Motociclismo

em

Foto: DR / Arquivo

A última prova do Mundial de Superbikes, a disputar no circuito do Estoril e que decidirá a atribuição do título, vai decorrer à porta fechada, devido à pandemia de covid-19, anunciou hoje a organização.

“Apesar de atempadamente ter entregue um plano de segurança, o circuito do Estoril não recebeu a desejada autorização para poder abrir as bancadas aos fãs portugueses das Superbikes, o que aconteceria em número limitado e de acordo com todas as regras vigentes”, refere o comunicado.

A organização explica que assim, “a consagração dos campeões do mundo superbike e supersport 300 será assim exclusivamente acompanhada através da transmissão televisiva” e lembra que a ronda anterior do campeonato, que decorreu em França no primeiro fim de semana de outubro, os vencedores receberam “o apoio, carinho e aplauso do público”.

A atribuição do título de Superbikes vai ser decidida na prova portuguesa entre os britânicos Scott Redding (Ducati) e Jonathan Rea (Kawasaki).

Rea chega à prova lusa, que se disputa entre 16 a 18 de outubro, com 59 pontos de vantagem sobre Redding, quando estão ainda 62 em disputa.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de um milhão e setenta e quatro mil mortos e mais de 37,2 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.080 pessoas dos 86.664 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Continuar a ler

Motores

Miguel Oliveira termina em sexto no GP de França

MotoGP

em

Foto: DR / Arquivo

O piloto português Miguel Oliveira (KTM) terminou hoje na sexta posição o Grande Prémio de França de MotoGP, nona prova da temporada.

O piloto português, que chegou a rodar na 18.ª posição no início da corrida, chegou a estar em quarto lugar a duas voltas do fim, mas perderia a quinta posição na derradeira curva, terminando a 4,466 segundos do vencedor, o italiano Danilo Petrucci (Ducati).

Com este resultado, Miguel Oliveira soma, agora, 69 pontos no campeonato do mundo.

Continuar a ler

Populares