Seguir o O MINHO

Braga

Património cultural de Braga deve ser “continuamente estudado, fruído e divulgado”

Cultura

em

Foto: CM Braga / Arquivo

Decorreu na quinta-feira, no Museu D. Diogo de Sousa, a primeira iniciativa do ciclo ´Encontros com o Património´, intitulado “à conversa… no museu”, onde a conversa incidiu sobre uma das obras-primas da Coleção Bühler-Brockhaus – o magnífico busto do imperador César Augusto, generosamente doado por Hans-Peter Bühler e Marion Bühler Brockhaus.

Esta iniciativa resulta de uma parceria entre Fundação Bracara Augusta e o Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa/Direcção Regional de Cultura do Norte, com o suporte científico do professor Rui Morais, da Faculdade de Letras da Universidade do Porto.

Na ocasião, Ricardo Rio, presidente da Câmara de Braga, salientou que esta iniciativa demonstra que, além da preservação e da valorização do património, este também tem que ser ´continuamente estudado, fruído e divulgado com recurso a pessoas que têm um conhecimento extraordinário das matérias a abordar´. O Edil recordou ainda que o património tem um ´peso incontornável´ na candidatura de Braga a Capital Europeia da Cultura 2027 que foi recentemente entregue.

Também Miguel Bandeira, presidente da Fundação Bracara Augusta, realçou que este tipo de acções pretende suscitar a investigação, a reflexão, a divulgação e o debate sobre o património cultural de Braga e as suas diversas implicações, designadamente na formação de públicos, na reabilitação urbana e no desenvolvimento comercial e turístico de Braga.

“É importante estudar, divulgar e abrir as portas para este importante exemplo de mecenato, que beneficia todos os bracarenses de hoje e os do futuro, e que reforça Braga num patamar internacional”, disse, reforçando que, tendo em conta o seu valor universal e o amplo interesse colectivo, a preservação do Património deve constituir uma tarefa transversal a toda a sociedade: “O mecenato para o património possibilitará uma nova forma de intervenção, de responsabilização colectiva e de valorização do nosso legado e será motivo do empenho da Fundação nos próximos anos”.

Populares