Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Parque ecológico de Viana do Castelo abre ao público em junho, 12 anos depois

Espaço funcionará “de terça-feira a domingo”

em

Foto: Divulgação

O presidente da Câmara de Viana do Castelo apontou hoje o mês de junho para a abertura, ao público, do Parque Ecológico Urbano de Viana do Castelo (PEUVC), após 12 anos de sucessivos adiamentos.

Com cerca de 20 hectares, o PEUVC foi inaugurado em março de 2008 e, desde então, recebe apenas visitas guiadas para grupos, restrição contestada há anos, quer pelos partidos da oposição quer pela população local.

A maioria socialista na autarquia tem justificado aquele modelo com a necessidade de consolidação e proteção do parque. Situado junto ao rio Lima, na zona da caldeira de marés das antigas Azenhas Dom Prior, aquele parque é uma das obras emblemáticas do Programa Polis, que investiu dois milhões de euros na recuperação daquela área.

Questionado pela Lusa, à margem da reunião camarária de hoje que aprovou, por unanimidade, o regulamento PEUVC, José Maria Costa adiantou que o município “irá tentar” realizar a abertura ao público no dia 05 de junho, Dia Mundial do Ambiente.

O regulamento hoje aprovado vai ainda ser submetido à apreciação da Assembleia Municipal, seguindo depois para publicação em Diário da República.

A proposta de regulamento foi aprovada pelo executivo em maio de 2018 e esteve em consulta pública entre junho e julho desse ano, com o objetivo de permitir a abertura daquele espaço à comunidade.

Na apresentação do texto final do documento, hoje, ao executivo municipal, o vereador do Ambiente e Biodiversidade, Ciência, Inovação e Conhecimento, adiantou que desde 2018, foram investidos naquele espaço mais de 379 mil euros.

Ricardo Carvalhido disse estar em curso a terceira fase de “reabilitação e funcionalização” do PEUVC que inclui a “recuperação de quatro quilómetros de caminhos pedonais numa área superior a 3.500 metros quadrados”.

A implementação das medidas de autoproteção, a colocação de sinalética informativa e de emergência, de um sistema de comunicação por altifalantes, de contagem e controlo de utentes e da rede Wi-Fi, são outras as intervenções em a decorrer.

As obras contemplam ainda a criação de “uma área de estufa para propagação de espécies autóctones, de um edifício de apoio, de um borboletário e de um armazém de apoio”.

Nas fases anteriores, referiu, “foram recuperadas as estruturas dos observatórios da fauna e flora, as travessias pedonais, a rede de passadiços, e a recuperação de guias dos caminhos pedonais”. Foram realizadas obras de “conservação da estrutura de apoio agrícola ao parque, dos parques de recreio, e lazer e da área arqueológica”.

Após a aprovação do regulamento, a vereadora da CDU, Cláudia Marinho, congratulou-se com a concretização de uma “batalha” antiga do partido.

“Finalmente, o nosso parque vai ser aberto às pessoas, sem marcação prévia”, referiu a vereadora comunista.

O PEUVC “é um espaço dedicado ao recreio e lazer, e a atividades de educação ambiental, e de investigação científica e conservação da natureza, integrado no Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental (CMIA)”.

O regulamento refere que espaço funcionará “de terça-feira a domingo”, o entre “21 de setembro e 20 de março e entre 21 de março a 20 de setembro”.

Naquele documento, a autarquia da capital de distrito define que o acesso ao PEUVC “poderá estar sujeito ao pagamento de uma tarifa cujo valor é fixado pela Câmara Municipal.

Os utilizadores “poderão ser distinguidos por categorias, entre elas a de Público, Amigo do Parque, para todos os que adiram ao programa “Amigo do Parque”, e de Empresa Amiga, destinada a todas as entidades coletivas que contribuam com um donativo ou que patrocinem atividades, eventos específicos ou ações de melhoria do PEUVC”.

É ainda criada a figura do “Benfeitor” do PEUVC, para distinguir “toda a pessoa singular que contribuir com um donativo”.

O PEUVC integra a Rede Portuguesa de Estações da Biodiversidade e é o primeiro Parque de Halófitas em Portugal.

Recebeu o Prémio Nacional de Arquitetura Paisagista, na categoria de Parques e Jardins, em 2009, cujo projeto é da autoria da arquiteta Ana Barroco.

Em 2011, recebeu uma menção honrosa na categoria de Melhor Serviço de Extensão Cultural dos Prémios APOM 2011, atribuídos pela Associação Portuguesa de Museologia.

Anúncio

Viana do Castelo

Câmara de Viana serviu cerca de mil refeições na última semana

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

A Câmara Municipal de Viana do Castelo já assegurou mais de mil refeições, só na última semana, a profissionais de saúde, forças de segurança pública, bombeiros e Cruz Vermelha, fornecendo ainda refeições a alunos com escalão tipo A e B através das Escolas de Referência e a famílias ou cidadãos com dificuldades económicas, anunciou hoje a autarquia.

Recorde-se que as Escolas de Referência para acolhimento de filhos de trabalhadores de serviços essenciais são EBS de Arga e Lima, Lanheses (Agr. Arga e Lima), Centro Escolar EB de Barroselas (Agr. Barroselas), ES de Monserrate (Agr. Monserrate), EB da Foz do Neiva, Castelo do Neiva (Agr. Monte da Ola), EB Frei Bartolomeu dos Mártires (Agr. Santa Maria Maior), Escola Básica de Abelheira (Agr. Abelheira) e EBS Pintor José de Brito, Santa Marta de Portuzelo (Agr. Pintor José de Brito).

As Escolas de Referência estão também abertas para fornecimento de refeições para os alunos com escalões A e B. As escolas de referência podem ainda fornecer, em regime de ‘take away’, refeições a crianças referenciadas pelas Instituições Particulares de Solidariedade Social. As IPSS sinalizam as crianças com necessidades e, assim, as famílias podem levantar a refeição em causa na escola de referência do respetivo agrupamento. Para fornecimento de refeições em regime ‘de take away’ a escola de referência do Agrupamento do Monte da Ola é a Escola EB2.3 Carteado Mena (Darque).

Em tempos de grande incerteza e vulnerabilidade, as autarquias de Viana do Castelo assumiram um papel fundamental, em parceria com todas as Instituições Particulares de Solidariedade Social do concelho.

Há várias Juntas e Uniões de Freguesia do concelho de Viana do Castelo a apoiar diretamente famílias na compra de medicamentos, alimentação e outros bens essenciais. A par disto, a Câmara Municipal criou uma bolsa de voluntários municipais, onde vários trabalhadores municipais se disponibilizaram para entregar refeições em casa de pessoas mais vulneráveis, medicamentos e outros bens essenciais.

Através da Linha de Apoio Social, há uma grande articulação com todas as juntas de freguesia que estão no terreno, assim como com as IPSS’s. A Câmara Municipal de Viana do Castelo apela àqueles que estejam, neste momento, a precisar de apoio e ainda não o tenham obtido, a que consultem a página da respetiva Junta de Freguesia para perceber se é uma das juntas de freguesia a prestar apoio. Em caso negativo, poderá contactar a Linha de Apoio Social – 258 809 316 – para esclarecer todas as dúvidas.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana encerra cemitério municipal

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

O cemitério municipal de Viana do Castelo está encerrado a partir de ontem numa medida de conteção “adequada para evitar propagação” do novo coronavírus, anunciou hoje a autarquia.

Em comunicado, a Câmara local aponta o decreto n.º2-A/2020 de 20 de março para determinar o encerramento daquele equipamento municipal.

Informa ainda que o cemitério será aberto apenas para a realização de funerais, sugerindo-se que apenas compareçam nos mesmos os familiares mais próximos, “cumprindo a regra do distanciamento social”.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Antigos alunos do politécnico de Viana ensinam a criar máscaras em casa

Covid-19

em

Foto: ipvc.pt / DR

Quatro antigos alunos do curso de design do produto do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC) criaram um modelo de documento a ensinar a confecionar máscaras de proteção por cerca de 10 cêntimos, informou, esta sexta-feira, a instituição.

“A ideia é que cada pessoa possa, em sua casa, produzir a sua própria máscara e proteger-se da covid 19”, acrescenta o IPVC na nota hoje enviada à imprensa, adiantando que a empresa dos quatro antigo alunos “disponibilizou um ‘template’ gratuito que ensina como produzir uma máscara para proteção pessoas a custo muito reduzido”.

“Penso que não custará mais do que dez cêntimos e é muito fácil de fazer com materiais que são muito fáceis de adquirir”, revelou, citado naquela nota, Emanuel Ferreira, um dos designers da DevelopKings, um grupo que desenvolve ferramentas gratuitas para criadores.

Segundo o designer, “a ideia foi criar uma forma extremamente simples que seja possível de ser feita com o mínimo de material e que possa ser realizada mesmo por quem não tem técnica ou experiência”.

Segundo Emanuel Ferreira, os interessados “têm de imprimir o template, usando-o para cortar uma folha de apresentação padrão A4 – folha de acetato, uma folha plástica mais rígida”.

“Ela irá ajudá-lo a evitar fluidos corporais de outras pessoas e redirecionar a sua respiração para trás. A máscara pode ser lavada normalmente com sabão. Pode usar qualquer fita que tenha disponível em casa”, adiantou.

Os quatro antigos alunos “disponibilizam-se ainda a ajudar quem precisar de ajuda na construção desta máscara e lançam o desafio: “Compartilhe isto com seus entes queridos e se você construir uma, compartilhe suas fotos connosco”.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou cerca de 540 mil pessoas em todo o mundo, das quais morreram perto de 25 mil.

Em Portugal, registaram-se 76 mortes, mais 16 do que na véspera (+26,7%), e 4.268 infeções confirmadas, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, que identificou 724 novos casos em relação a quinta-feira (+20,4%).

Continuar a ler

Populares