Seguir o O MINHO

Fafe

Paróquias em Fafe mudam de padres

Arões, Fafe, Revelhe, Golães e Estorãos.

em

Foto: DR

O Arciprestado de Fafe, da Arquidiocese de Braga, divulgou esta sexta-feira a lista de nomeações de novos padres em várias paróquias de Fafe, após as saídas dos padres Pedro Daniel e José Miguel.

ARÕES E GOLÃES

Padre Filipe Alves. Foto: Arquidiocese de Braga

Padre Filipe Alves: 37 anos; natural de São Vicente do Bico, Amares. Toma posse domingo, 16 de setembro, às 10:30, em Arões, e às 15:00, do mesmo dia, em Golães.

“O sacerdócio ministerial é um chamamento de Deus, uma proposta Sua para a nossa vida terrena. Temos a liberdade de a acolher ou não. Uma vez acolhida é para ser vivida segundo as palavras de Maria: “Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38). Este ministério não é uma realização pessoal, mas um serviço a Deus na pessoa do próximo. O verbo faça-se é um verbo de movimento, logo é algo que obriga a um caminhar. Depois, é para ser vivido segundo a palavra de Cristo. Tenho a noção que não é uma proposta fácil, que nem sempre corresponde às expectativas de vida, nem sempre correspondeu às minhas espectativas de vida, muito ligadas a esta vivência terrena, mas a vida em Cristo supera todas as nossas expectativas. Esta é uma realização, mas essencialmente uma graça muito grande que Deus concede. Sei das dificuldades e adversidades do caminho, mas também sei da alegria de servir, a exemplo de muitos outros que já fizeram este caminho, e da alegria da vida vivida em Cristo”. – Padre Filipe Alves, diocese-braga.pt

FORNELOS E FAFE

Padre Vitor Araújo. Foto: Arquidiocese de Braga

Padre Vítor Araújo: 30 anos, natural de São Martinho do Vale, Vila Nova de Famalicão. Toma posse sábado, 22 de setembro, às 18:00, e domingo, 23 de setembro, às 19:00, em Fafe, na Igreja de S. José.

“Ao longo de toda a minha vida, e pensando sobretudo no caminho feito em seminário, foi ficando claro que o discernimento assentava em duas questões de fundo: o que Deus quer de mim? O que eu quero para a minha vida? Ainda que, sem definir exactamente em que momentos fui respondendo a cada uma delas, as respostas foram surgindo.

Dito isto escolho para a minha vida sacerdotal o lema: Sacerdócio, dom que se recebe, vida que se dá.

Em primeiro lugar entendo, com base no meu discernimento, que Deus me quer entregar este enorme dom do Sacerdócio Ministerial.  Entendo-o como a vocação que no coração de Deus me está a chamar. 

Em segundo lugar, talvez o ponto mais difícil do meu caminho de discernimento, fazendo um exercício de plena liberdade humana, com toda a consciência e maturidade que me é possível neste preciso momento da vida, resolvo assim doar, entregar e disponibilizar tudo o que sou para este caminho de vida presbiteral. 

Creio ser importante referir que nesta decisão se encontra também a inspiração e o pedido de protecção a algumas personagens concretas da história do povo de Deus. Em Moisés, que caminha a mando de Deus, junto do seu povo, levando-os para a Terra Prometida. Em Job, a audácia de quem “luta” com Deus, sabendo e querendo que Deus saia sempre vencedor. Em Maria, que mesmo não sabendo a totalidade do projeto de Deus para a sua vida foi capaz de dizer sim.  Em Paulo, homem de convicções fortes, que permitiu que Deus o convertesse diariamente.

Em suma, caminho para Ordenação Presbiteral, com base num caminho de discernimento que não se fecha, mas que me parece bastante claro e delineado nesta rota: o Sacerdócio que agora me proponho a abraçar, é um Dom que Deus me propõe, e ao qual eu entrego a totalidade da minha vida, na confiança de que Ele me guiará sempre e que eu me deixarei guiar numa entrega diária ao dom recebido”. – Padre Filipe Alves, diocese-braga.pt

REVELHE

Padre Vitor Sá. Foto: Suplemento “Igreja Viva”, jornal “Diário do Minho” (2017)

Padre Vitor Sá: 25 anos. Toma posse domingo, 23 de setembro, às 15:30.

ESTORÃOS

Igreja Paroquial de Estorãos. Foto: “Fafe Minha Terra” (2014)

Padre José Maria. Toma posse domingo, 23 de setembro, às 15:30.

 

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Fafe

Burger King abre restaurante em Fafe

Projeto de expansão

em

Foto: DR

A Burger Kink anunciou a abertura de sete novos restaurantes em Portugal, inclusive em Fafe. Com a expansão, a rede passa a contar com 101 espaços no país.

“Estamos muito contentes com o crescimento da marca em Portugal – passamos agora a contar com 101 restaurantes no país. Queremos consolidar o nosso compromisso de qualidade e frescura nos nossos ingredientes junto dos clientes portugueses”, destaca Borja Hernández de Alba, diretor-geral do Burger King para Portugal e Espanha.

Além de Fafe, a Burger King vai abrir novos restaurantes em Santo Tirso, Estarreja, Vila Nova de Gaia, Malveira e Lisboa.

A rede de restaurantes junta mais 175 trabalhadores aos 2400 já existentes.

Continuar a ler

Fafe

Jovem de Fafe condenado por homicídio que não cometeu pede 500 mil euros ao Estado

Armindo Castro foi condenado a uma pena de 20 anos e cumpriu dois e meio

em

Foto: CMTV

Um estudante de Fafe, de 31 anos, esteve preso durante dois anos e meio por um crime que não cometeu. Agora pede ao Estado um indemnização de meio milhão de euros alegando “danos psicológicos gravíssimos”.

Armindo Castro foi condenado em 2012 a 20 anos de prisão pelo homicídio da tia, Odete Castro, em Joane, Famalicão.

No entanto, dois anos depois, um homem viria assumir ter sido ele o autor do crime. Armindo foi absolvido em Janeiro do ano passado mas as coisas não voltariam a ser as mesmas.

Sem um simples pedido de desculpas por parte do Estado, o jovem fafense decidiu avançar com um pedido de indemnização “para reparar este erro crasso” da justiça portuguesa.

O pedido já entrou, através do advogado, no Tribunal de Guimarães.

Recorde-se que o homicídio foi cometido por um casal de vizinhos, Artur Gomes e Júlia Lobo, já condenados a penas de 20 e 18 anos de prisão.

Durante a investigação inicial, Armindo Castro confessou o crime e fez até uma reconstituição do homicídio mas viria a confessar que o fez pressionado e ameaçado e temendo que a mãe pudesse ser presa.

Continuar a ler

Actual

Concorrência notificada da compra da empresa que abastece água em Fafe

Concessão de água em Fafe

em

Foto: Divulgação

O fundo de investimento privado Bridgepoint notificou a Autoridade da Concorrência (AdC) da compra da israelo-americana Miya, que detém a Indaqua, uma das maiores companhias nacionais de abastecimento de água ao domicílio, lê-se num aviso da AdC.

“Torna-se público que a Autoridade da Concorrência recebeu, a 25 de janeiro, uma notificação de uma operação de concentração de empresas”, que consiste na aquisição pela Bridgepoint Group Limited do controlo exclusivo sobre a Miya, lê-se na nota disponível na página de internet da AdC.

A Indaqua chegou a ser detida pela Mota-Engil, antes de passar a ser controlada pela empresa Miya, fundada pela empresária israelo-americana Shari Arison, e volta agora a mudar de donos.

A Indaqua exerce a sua atividade no âmbito de seis concessões municipais: Indaqua Fafe, Indaqua Santo Tirso/Trofa, Indaqua Feira, Indaqua Matosinhos, Indaqua Vila do Conde, Indaqua Oliveira de Azeméis, tendo ainda uma parceria público privada com o município de São João da Madeira (Águas de São João).

A Indaqua é assim vendida pela israelita Shari Arison à sociedade de direito inglês Bridgepoint, holding de um grupo internacional de private equity que, direta ou indiretamente, tem atividade em setores em Portugal como os da agricultura, vestuário, IT/software e saúde.

Em 2016, o fundo de investimento privado (private equity) Bridgepoint chegou a acordo para comprar a unidade de negócio relacionada com os produtos agrícolas da Sapec.

Continuar a ler

Populares