Redes Sociais

Fafe

Paróquias em Fafe mudam de padres

Arões, Fafe, Revelhe, Golães e Estorãos.

 a

Foto: DR

O Arciprestado de Fafe, da Arquidiocese de Braga, divulgou esta sexta-feira a lista de nomeações de novos padres em várias paróquias de Fafe, após as saídas dos padres Pedro Daniel e José Miguel.

ARÕES E GOLÃES

Padre Filipe Alves. Foto: Arquidiocese de Braga

Padre Filipe Alves: 37 anos; natural de São Vicente do Bico, Amares. Toma posse domingo, 16 de setembro, às 10:30, em Arões, e às 15:00, do mesmo dia, em Golães.

“O sacerdócio ministerial é um chamamento de Deus, uma proposta Sua para a nossa vida terrena. Temos a liberdade de a acolher ou não. Uma vez acolhida é para ser vivida segundo as palavras de Maria: “Faça-se em mim segundo a tua palavra” (Lc 1, 38). Este ministério não é uma realização pessoal, mas um serviço a Deus na pessoa do próximo. O verbo faça-se é um verbo de movimento, logo é algo que obriga a um caminhar. Depois, é para ser vivido segundo a palavra de Cristo. Tenho a noção que não é uma proposta fácil, que nem sempre corresponde às expectativas de vida, nem sempre correspondeu às minhas espectativas de vida, muito ligadas a esta vivência terrena, mas a vida em Cristo supera todas as nossas expectativas. Esta é uma realização, mas essencialmente uma graça muito grande que Deus concede. Sei das dificuldades e adversidades do caminho, mas também sei da alegria de servir, a exemplo de muitos outros que já fizeram este caminho, e da alegria da vida vivida em Cristo”. – Padre Filipe Alves, diocese-braga.pt

FORNELOS E FAFE

Padre Vitor Araújo. Foto: Arquidiocese de Braga

Padre Vítor Araújo: 30 anos, natural de São Martinho do Vale, Vila Nova de Famalicão. Toma posse sábado, 22 de setembro, às 18:00, e domingo, 23 de setembro, às 19:00, em Fafe, na Igreja de S. José.

“Ao longo de toda a minha vida, e pensando sobretudo no caminho feito em seminário, foi ficando claro que o discernimento assentava em duas questões de fundo: o que Deus quer de mim? O que eu quero para a minha vida? Ainda que, sem definir exactamente em que momentos fui respondendo a cada uma delas, as respostas foram surgindo.

Dito isto escolho para a minha vida sacerdotal o lema: Sacerdócio, dom que se recebe, vida que se dá.

Em primeiro lugar entendo, com base no meu discernimento, que Deus me quer entregar este enorme dom do Sacerdócio Ministerial.  Entendo-o como a vocação que no coração de Deus me está a chamar. 

Em segundo lugar, talvez o ponto mais difícil do meu caminho de discernimento, fazendo um exercício de plena liberdade humana, com toda a consciência e maturidade que me é possível neste preciso momento da vida, resolvo assim doar, entregar e disponibilizar tudo o que sou para este caminho de vida presbiteral. 

Creio ser importante referir que nesta decisão se encontra também a inspiração e o pedido de protecção a algumas personagens concretas da história do povo de Deus. Em Moisés, que caminha a mando de Deus, junto do seu povo, levando-os para a Terra Prometida. Em Job, a audácia de quem “luta” com Deus, sabendo e querendo que Deus saia sempre vencedor. Em Maria, que mesmo não sabendo a totalidade do projeto de Deus para a sua vida foi capaz de dizer sim.  Em Paulo, homem de convicções fortes, que permitiu que Deus o convertesse diariamente.

Em suma, caminho para Ordenação Presbiteral, com base num caminho de discernimento que não se fecha, mas que me parece bastante claro e delineado nesta rota: o Sacerdócio que agora me proponho a abraçar, é um Dom que Deus me propõe, e ao qual eu entrego a totalidade da minha vida, na confiança de que Ele me guiará sempre e que eu me deixarei guiar numa entrega diária ao dom recebido”. – Padre Filipe Alves, diocese-braga.pt

REVELHE

Padre Vitor Sá. Foto: Suplemento “Igreja Viva”, jornal “Diário do Minho” (2017)

Padre Vitor Sá: 25 anos. Toma posse domingo, 23 de setembro, às 15:30.

ESTORÃOS

Igreja Paroquial de Estorãos. Foto: “Fafe Minha Terra” (2014)

Padre José Maria. Toma posse domingo, 23 de setembro, às 15:30.

 

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Fafe

Fafe com mais de cem novas razões para separar

Publicado

 a

Foto: Facebook de Município de Fafe

A Câmara de Fafe anunciou hoje a instalação nos meses de outubro e novembro de 50 ecopontos, adiantando ainda que em 2019 serão colocados mais 69 equipamentos de recolha seletiva de resíduos.

Segundo a autarquia, a localização dos novos ecopontos destaca “as zonas de maior necessidade” e mais próximas dos aglomerados populacionais.

O reforço da rede de ecopontos no concelho está a ser realizado em parceria com a Resinorte, empresa concessionária da valorização e tratamento dos resíduos em 35 municípios.

A intervenção, destaca a autarquia de Fafe, vai chegar a locais ainda não abrangidos, aumentando a capacidade de armazenamento dos resíduos recicláveis”.

Foto: Facebook de Município de Fafe

A par com o reforço no número de ecopontos, a câmara está a fazer uma campanha de sensibilização, promovendo a importância da separação dos lixos.

Foto: Facebook de Município de Fafe

“A consciencialização para a área ambiental, que passa por uma profunda mudança de mentalidades e de hábitos, é uma prioridade do município”, defendeu o vereador Parcídio Summavielle, citado num comunicado enviado à Lusa.

O autarca deixou um apelo à população para que evite deixar outros resíduos junto aos ecopontos, recordando a existência no concelho de serviço de recolha dos lixos domésticos.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Fafe

Fafe arranca com obra do nó de Arões e acredita que Europa vai comparticipar

Investimento de dois milhões de euros.

Publicado

 a

Foto: DR/Arquivo

Fafe acredita que a construção do nó de ligação à zona industrial de Arões, hoje iniciada apenas com recursos financeiros do município, possa ser comparticipada por fundos europeus, disse à Lusa o presidente da câmara Raul Cunha.

O autarca explicou que a reprogramação dos fundos do programa “Portugal 2020”, recentemente anunciada pelo Governo, “abre uma janela de oportunidade” à Câmara de Fafe, no sentido de concretizar um desejo que mantém desde o início do projeto do nó de Arões.

Raul Cunha referiu que se trata de um investimento de dois milhões de euros, ao qual o município minhoto tem dado grande atenção, ao ponto de ter assumido, na íntegra, o seu financiamento, embora “sempre com a expectativa” de o poder integrar numa candidatura a fundos comunitários.

“É uma obra de pequena em dimensão, mas muito grande em impacto e importância”, comentou.

O presidente disse que a empreitada agora iniciada deverá estar pronta no verão de 2019 e constituirá um impulso importante para várias freguesias do concelho.

“Estamos a falar de um investimento numa zona industrial que já existe e que ficará fortemente dinamizada com esse acesso”, observou, indicado haver vários projetos de investimento previstos para aquela zona industrial que aguardavam a construção da nova ligação.

O futuro nó garantirá um acesso privilegiado das freguesias da zona poente do concelho (Golães, Arões – São Romão, Arões – Santa Cristina e Cepães) à atual via rápida sem portagens que liga Guimarães a Fafe, uma reivindicação antiga da população e empresários locais.

Aquelas populações, acrescentou o edil, deixarão assim de ficar tão dependentes da EN 206, uma via sinuosa e que apresenta sinais de degradação, que há muito não corresponde à dinâmica económica e social daquela zona do concelho.

Raul Cunha acentuou, por outro lado, que “todos aqueles terrenos ficarão valorizados como uma zona interessante para as pessoas poderem viver”.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Fafe

Jovem “humilde” ganha 100 mil euros na raspadinha em Fafe

Publicado

 a

Foto: DR/Arquivo

Um “jovem humilde”, como é descrito ao “JN”, que hoje deu a notícia, ganhou 100 mil euros na raspadinha, na passada sexta-feira, em Fafe.

O prémio saiu no jogo “Raspadinha 50x”, segundo contou ao jornal o proprietário do Café “Brasil”, agente dos Jogos Santa Casa, na avenida com o mesmo nome, onde o papel da sorte foi comprado.

“Foi uma satisfação”, conta João Costa.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares