Seguir o O MINHO

País

Pai e madrasta de criança morta em Peniche ficam em prisão preventiva

Homicídio

em

Foto: DR

O pai e a madrasta suspeitos da morte de uma criança em Peniche ficaram hoje em prisão preventiva, depois de terem sido ouvidos no Tribunal de Leiria na terça-feira, disse à agência Lusa fonte policial.


A criança, de 9 anos, foi dada como desaparecida na manhã de quinta-feira, depois de uma denúncia do pai no posto de Peniche da GNR.

Após três dias de buscas, a Polícia Judiciária (PJ) de Leiria encontrou o corpo da criança no domingo, numa mata na Serra D’el Rei, no concelho de Peniche, distrito de Leiria, e deteve o pai e a madrasta da vítima.

O resultado preliminar da autópsia aponta para uma morte violenta, desconhecendo-se ainda as suas causas.

O pai e a madrasta da criança foram ouvidos na terça-feira por um juiz de instrução criminal no Tribunal de Leiria.

Anúncio

País

Costa reúne-se com homólogo holandês em Haia

Encontros bilaterais

em

António Costa: Foto: Twitter

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se hoje em Haia com o seu homólogo holandês, Mark Rutte, no quadro dos encontros bilaterais que tem mantido com outros líderes europeus antes do Conselho Europeu de sexta-feira e sábado em Bruxelas.

Após ter recebido na passada semana, em Lisboa, os chefes de Governo de Espanha, Pedro Sánchez, e de Itália, Giuseppe Conte, para preparar a cimeira de 17 e 18 de julho na qual os 27 vão tentar alcançar um compromisso sobre o plano de recuperação económica e social da UE face à crise da covid-19, Costa desloca-se hoje à Holanda, um dos países ‘frugais’, com posições mais divergentes face à portuguesa.

Contudo, apesar das diferenças de posicionamento entre Portugal e a Holanda na União Europeia, António Costa tem uma boa relação pessoal com Mark Rutte, tendo já sido recebido em Haia no início do seu mandato como primeiro-ministro, em 2016. Por sua vez, o chefe do Governo holandês também já realizou uma visita oficial a Portugal.

Depois da reunião em Haia, que decorrerá durante um jantar de trabalho na residência oficial do chefe de Governo holandês, António Costa prosseguirá a sua ronda de contactos com homólogos europeus deslocando-se a Budapeste, onde será recebido na terça-feira pelo primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán.

Além das reuniões presenciais, Costa tem mantido nos últimos dias diversos contactos, por telefone e por videoconferência, com outros seus homólogos europeus, tendo conversado na quinta-feira com o primeiro-ministro da Letónia, Krisjanis Kariņs, e na sexta de manhã com a primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen.

Estas reuniões de trabalho preparatórias têm em vista aproximar posições para a cimeira de chefes de Estado e de Governo que terá lugar entre sexta-feira e sábado em Bruxelas, a primeira presencial desde o início da crise da covid-19, na qual os 27 vão tentar chegar a um compromisso sobre as propostas de um Fundo de Recuperação e de um Quadro Financeiro Plurianual para 2021-2027.

Na sexta-feira, o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, apresentou uma proposta revista do plano de recuperação, que reduz o orçamento plurianual 2021-2027 para 1,07 biliões de euros, mas mantém o Fundo de Recuperação nos 750 mil milhões.

A proposta que Charles Michel coloca em cima da mesa com vista a um compromisso entre os 27 ainda este mês, elaborada após contactos bilaterais com os líderes europeus ao longo das últimas semanas, diminui em cerca de 2% o montante global do Quadro Financeiro Plurianual da União Europeia para os próximos sete anos face à proposta da Comissão (1,1 biliões de euros), mas não agrava os cortes já antes previstos para a política de coesão e agricultura.

Por outro lado, mantém o valor do Fundo de Recuperação sugerido pelo executivo comunitário, assim como o equilíbrio entre subvenções e empréstimos, prevendo que dois terços (500 mil milhões de euros) sejam canalizados para os Estados-membros a fundo perdido e o restante (250 mil milhões) na forma de empréstimos.

Para ‘agradar’ aos países frugais, o presidente do Conselho Europeu propõe, entre outras medidas, a manutenção dos polémicos ‘rebates’, os ‘descontos’ de que beneficiam grandes contribuintes líquidos, para Holanda, Áustria, Dinamarca, Suécia e também Alemanha.

Continuar a ler

País

Jerónimo de Sousa reclama verdadeiro programa de desenvolvimento do país

Política

em

Jerónimo de Sousa. Foto: DR / Arquivo

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, considerou hoje que Portugal precisa de pôr em marcha um verdadeiro programa de desenvolvimento que não esqueça as lições da pandemia, ainda que esta não explique todos os problemas do país.

“Sabemos que muitos dos problemas que o país enfrenta não são de hoje, e que a covid-19 não explica tudo”, afirmou Jerónimo de Sousa, aludindo aos “problemas estruturais acumulados por décadas e décadas de política de direita”, que “o vírus expôs de forma mais crua”.

Daí a necessidade de “Portugal pôr em marcha um verdadeiro programa de desenvolvimento do país”, elaborado “sem esquecer as grandes lições que se retiram da atual situação”, e com enfoque na importância “do papel dos trabalhadores”, dos “serviços públicos”, da “produção nacional” e de ter “os setores estratégicos nas mãos do país”, acrescentou.

Na Foz do Arelho, no concelho das Caldas da Rainha, onde discursou perante cerca de uma centena de militantes e simpatizantes que participaram na tradicional “Festa de Verão”, Jerónimo de Sousa vincou a necessidade de modernização das atividades económicas, de “recuperar para o país o que nunca devia ter sido privatizado”, e construir infraestruturas e recuperar serviços essenciais.

Considerando que o Orçamento Suplementar (aprovado em 17 de junho com a abstenção do PCP) trouxe “injustiça e retrocesso”, o líder dos comunistas reafirmou que as propostas do partido para o próximo Orçamento do Estado (OE) vão incidir no fortalecimento do Serviço Nacional de Saúde e da segurança social, numa justa política fiscal, no combate à precariedade e na luta pelos direitos dos trabalhadores.

A preparar o XXI congresso do partido, que decorrerá entre 27 e 29 de novembro, sob o lema “Organizar, Lutar, Avançar – Democracia e Socialismo”, Jerónimo de Sousa apelou à participação política dos militantes.

“Temos muito trabalho pela frente, que exige ter um partido a funcionar e a intervir a todos os níveis”, afirmou o secretário-geral, aludindo à preparação da Festa do Avante, das eleições presidenciais e da ação junto dos trabalhadores e das empresas.

Continuar a ler

País

Cientistas criam algoritmo para identificar covid-19 a partir do som da tosse

Investigadores do México, Estados Unidos, Espanha e Itália

em

Foto: DR / Arquivo

Investigadores de vários países criaram um algoritmo que afirmam poder identificar se uma pessoa tem covid-19 a partir do som da sua tosse.

Cientistas do México, Estados Unidos, Espanha e Itália, liderados por uma equipa do Massachussetts Institute of Technology (EUA), estão a elaborar uma base de dados com milhares de sons de tosse de pessoas de todas as idades, com e sem covid-19.

Esses sons serão analisados através de um algoritmo e inteligência artificial para distinguir o som da tosse de alguém que não está infetado de quem tem covid-19, afirmou a responsável do projeto no México, Bárbara Vizmanos.

A tosse e até o tom de voz de uma pessoa doente, assintomática ou que não está infetada têm diferenças, notam os investigadores, o que ajuda a que o sistema consiga identificar o seu estado em 15 segundos.

“Os participantes ‘doam’ a sua tosse e os seus dados e essas tosses vão alimentar um sistema de inteligência artificial que, com reconhecimento de voz, identifica tosses de pessoas infetadas e de pessoas não infetadas, comparando-as com uma precisão de que o ouvido não é capaz”, indicou Bárbara Vizmanos.

O estudo começou há cerca de dois meses em hospitais de Espanha, Itália, Estados Unidos e México, país onde os investigadores consideram fundamental ter registos sonoros de tosse por estar a atravessar o pico da pandemia da covid-19, com mais de 295.000 casos confirmados e quase 35.000 mortes desde que o primeiro caso foi identificado, em 28 de fevereiro.

À medida que o projeto avança, passará a estar disponível através de uma aplicação que pode ser descarregada para o telemóvel gratuitamente, de modo a que as pessoas possam sujeitar a sua tosse a este “detetor”.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 565 mil mortos e infetou mais de 12,74 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.660 pessoas das 46.512 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Populares