Seguir o O MINHO

Aqui Perto

Padre DJ de Guimarães usa redes sociais para partilhar ‘grandes malhas’ em tempos de quarentena

Padre Guilherme Peixoto

em

Um padre de Guimarães, pároco na Póvoa de Varzim, está a usar as redes sociais para transmitir mensagens de sensibilização sobre a pandemia da covid-19 e partilhar algumas das suas atuações como DJ de música eletrónica.

Guilherme Peixoto, responsável pelas paróquias das freguesias de Laúndos e Amorim, desenvolveu o gosto por este estilo musical há vários anos, partilhando-o na comunidade ao atuar como DJ num espaço da paróquia, mas, também, em vários eventos para qual é convidado.

Agora, com as regras de confinamento ditados pela propagação do coronavírus, decidiu, a partir de casa, mostrar alguns dos seus sets através da Internet, transmitindo-os nas redes social como forma de entretenimento para quem está a cumprir quarentena, mas também para complementar as suas mensagens de sensibilização de como lidar com pandemia.

“Comecei a fazer uns vídeos com as normas de prevenção, e apesar de não ser fácil mudar os hábitos, tiveram muitas visualizações e partilhas. Percebi que se mostrasse algumas destas brincadeiras como DJ podia ter ainda mais alcance na mensagem que queria transmitir e alertar para a gravidade da situação”, disse o sacerdote à Agência Lusa.

Guilherme Peixoto, de 45 anos, acredita que esta é uma forma de “apelar a que as pessoas fiquem em casa e assim protejam a sociedade”, usando um formato que pode ser “lúdico, mas ao mesmo tempo informativo”, onde inclusive partilha questões práticas relacionadas com a Igreja e também as atividades do seu dia à dia.

“Os vídeos têm tido milhares de visualizações, inclusive em outros países como Inglaterra e Brasil. Tenho até médicos amigos que nos comentários vão dando conselhos e alertando para toda esta situação. O importante é educar as pessoas, pois se fizesse um vídeo muito sério ninguém ia ver até ao fim”, disse o padre, que é natural de Guimarães.

Apesar de há mais de uma década ter este passatempo como DJ, nomeadamente num espaço da paróquia de Laúndos, apelidado de “Ar de Rock” que funciona no verão, Guilherme Peixoto garantiu que “nunca tinha feito vídeos a passar música ao vivo”, mas tem sentido que as redes sociais têm permitido “uma proximidade com a comunidade que nunca antes existiu”.

O sacerdote, que é também responsável pelas comunicações sociais do Arciprestado da Póvoa de Varzim e Vila do Conde, tem ajudado outras paróquias da região a usar estas plataformas digitais para transmitir a mensagem da igreja e divulgar as homilias.

“Muitos padres e paroquias não tem conhecimentos nem equipamentos para usar estas ferramentas, e tenho-os ensinado e ajudado a adaptarem-se. Além de conseguirmos divulgar as missas e o terço do Santuário de Fátima e do nosso Arcebispo D. Jorge Ortiga, fizemos uma parceira com um jornal local para todos os dias, numa diferente igreja do concelho, transmitir-nos a homilia e o evangelho”, descreveu Guilherme Peixoto.

O clérigo, que pode ser pesquisado na Internet como DJ Padre Guilherme, garantiu que continuará com esta atividade nas redes sociais, até porque acredita “que mesmo depois das coisas melhorarem as igrejas vão demorar a ser reabertas”.

“Provavelmente as igrejas serão dos últimos espaços a reabrirem. Não vamos passar de um estado de isolamento a ter as igrejas cheias de gente. Ainda assim, quando isto acabar acho que vamos todos conseguir comunicar melhor e, sobretudo, sermos mais solidários e preocupados com o próximo. E muita gente vai precisar de ser ajudada”, desabafou o sacerdote.

Enquanto isso, o padre Guilherme Peixoto continuará a informar e entreter comunidade com as suas atuações como DJ, que estão programadas para sexta-feira à noite e domingo à tarde.

Anúncio

Aqui Perto

Hospital das Forças Armadas do Porto cheio

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

O Hospital das Forças Armadas do Porto já não tem vagas para receber mais doentes infetados com covid-19, informou hoje o ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho.

De acordo com o governante, ouvido hoje na Assembleia da República, o Hospital das Forças Armadas do Porto “está atualmente esgotado na sua capacidade”.

“Mas esperamos que em breve tenha possibilidade de receber mais doentes, na medida em que temos 11 casos de idosos que não estão infetados e estão lá apenas enquanto aguardam condições para que regressem aos lares”, indicou o ministro, estimando que tal possa “acontecer na quarta-feira”.

Já no Hospital das Forças Armadas de Lisboa existe “ainda bastante capacidade de receber doentes” infetados com a doença provocada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2).

Questionado pelo PCP sobre o antigo Hospital Militar de Belém (Lisboa), que está em obras para receber infetados com covid-19, o ministro adiantou que os trabalhos decorreram “em tempo recorde” com “130 trabalhadores a trabalhar 24 horas”.

Sobre o futuro daquele edifício no fim da pandemia, Gomes Cravinho explicou que as “obras que foram feitas não serão desperdiçadas, porque a infraestrutura tem de ter utilidade”, e “estava já previsto que a estrutura fosse utilizada, em parceira com a Câmara Municipal de Lisboa e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, como centro de cuidados continuados”.

“Esse plano mantém-se”, salientou.

Ainda assim, o ministro da Defesa Nacional afirmou que, “daqui por um mês ou dois”, vai falar com a ministra da Saúde, que decidirá se se mantém a necessidade daquelas camas para o tratamento de doentes com covid-19.

Se essa necessidade não se colocar, avança o centro de cuidados continuados, mas se as camas forem precisas para doentes infetados com o novo coronavírus, “esse plano será adiado”, referiu.

Sobre o hospital de campanha localizado no Estádio Universitário, em Lisboa, o ministro explicou que o “objetivo é ter capacidade de receber utentes que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) não tenha capacidade de atender”.

Questionado sobre a localização, Gomes Cravinho argumentou que foi o “local mais apropriado”, mas assinalou que “está ao serviço do país, assim como a capacidade de transporte das Forças Armadas”, como por exemplo as “ambulâncias, que serão utilizadas sempre que houver necessidade”.

Em resposta ao PS, o ministro lembrou que as Forças Armadas estão à disposição do SNS e que dispõem de um conjunto de centros de acolhimento que permitem apoiar a rede hospitalar.

“[São] locais onde, por um lado, podem ir pessoas infetadas que não têm sintomas, mas não têm possibilidade de isolamento em casa própria, por viverem com outras pessoas, ou pessoas infetadas com sintomas, mas sintomas ligeiros que não requeiram nenhum tipo de cuidados especiais”, adiantou o ministro.

Desse modo, continuou Gomes Cravinho, o atendimento médico nestes centros seria “muito ligeiro”, não sendo necessário “o rácio habitual de camas por médico e por enfermeiro”.

Em resposta ao CDS-PP, o ministro da Defesa Nacional identificou “1.147 camas disponíveis para serem ocupadas” em nove centros de acolhimento espalhados pelo país – Braga, Vila Real, Alfeite, Vendas Novas, Leiria, Ota, Tavira, Funchal e Ponta Delgada.

De acordo com o ministro, existe capacidade de expandir até 2.300 camas “com outros centros de acolhimento que ainda não estão prontos”.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 345 mortes, mais 34 do que na véspera (+10,9%), e 12.442 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 712 em relação a segunda-feira (+6%).

Dos infetados, 1.180 estão internados, 271 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 184 doentes que já recuperaram.

Continuar a ler

Aqui Perto

Veleiro encalha em praia das Caxinas e junta aglomerado de curiosos

Acidente

em

Foto: Redes sociais

Um veleiro encalhou numa praia das Caxinas, em Vila do Conde, durante esta madrugada, resultando em ferimentos ligeiros para o único tripulante a bordo, disse fonte do comando local da Polícia Marítima da Póvoa de Varzim e de Vila do Conde.

O alerta foi dado cerca das 02:25 desta madrugada, quando o veleiro, com uma bandeira sueca, terá arrojado na areia, provocando ferimentos ao único tripulante a bordo, um homem de 66 anos de nacionalidade sueca.

Esta manhã, com o veleiro ainda no local, foram vários os curiosos, em garnde maioria residentes nas imediações, a aglomerarem-se no paredão de Vila do Conde, para observar o barco e a análise das autoridades para remoção do mesmo.

O tripulante teve alta esta manhã, estando em contacto com a Polícia Marítima para efetuar o desencalhe da embarcação.

Continuar a ler

Aqui Perto

Portugueses suspeitos de ajudar no furto de dois milhões de máscaras na Galiza

Covid-19

em

Foto: Ilustrativa / DR

Um empresário residente em Santiago de Compostela, na Galiza, foi detido pelas autoridades pelo presumível roubo de material sanitário avaliado em cerca de cinco milhões de euros, entre o qual dois milhões de máscaras.

A detenção ocorreu com a colaboração das autoridades portuguesas, por se julgar que o material seria, entretanto, vendido a empresários portugueses.

Fonte da investigação, citada no jornal La Voz de Galícia, explica que o material foi roubado de um armazém situado na zona industrial de Tambre, no país vizinho. As câmaras de videovigilância acabaram por permitir alcançar o autor do furto e os seus contactos portugueses, que se deslocaram ao armazém em causa na altura do furto.

A investigação começou depois de uma denúncia, já em tempos de pandemia covid-19, de que várias máscaras e equipamentos de proteção estavam alojados numa empresa especializada nesse tipo de produtos, mas que a mesma se encontrava em insolvência.

As autoridades realizaram buscas no espaço dirigido pelo empresário detido e encontraram o material, já fora das caixas originais, numa forma do autor ocultar a sua precedência.

A vice-presidência da Xunta de Galícia veio a público condenar o ato, indicando que as autoridades acreditam que o roubo terá sido realizado quando Itália já se encontrava a braços com falta de material, o que prova a intenção de aproveitamento dos autores.

O homem encontra-se sob inquérito judicial enquanto as autoridades desenvolvem a investigação em colaboração com as congéneres portuguesas, pois acreditam fortemente que serão lusitanos os cúmplices deste roubo.

Continuar a ler

Populares