Seguir o O MINHO

País

Orquestra Sinfónica do Porto retoma integral de Tchaikovski na Casa da Música

Porto

em

Foto: Divulgação

A Orquestra Sinfónica do Porto volta à música de Piotr Ilitch Tchaikovski, prosseguindo a integral das sinfonias, com a Quarta, a 27 de setembro, e um programa de variações sobre o universo do compositor russo, de Mozart a Arensky.

Depois da digressão pelo país no programa “Orquestra no Património”, a Sinfónica regressa a ‘casa’ para dar continuidade à interpretação de Tchaikovski (1840-1893), desta vez sob a direção do maestro venezuelano Carlos Izcaray, diretor da Orquestra Sinfónica de Alabama e da Orquestra Jovem Norte-Americana.

Premiado no Festival de Música de Aspen (2007) e no Concurso Internacional de Direção Toscanini (2008), Izcaray tem dirigido orquestras e agrupamentos da América do Sul à Europa, não só em concerto como em óperas.

O trabalho com jovens talentos tem marcado a carreira do venezuelano, que começa também a afirmar-se como compositor, com obras como “Yellowhammer”, de 2018, ou “Strike Fugaz”, uma encomenda da Human Rights Watch.

Estreada em 1878, pela Sociedade Musical da Rússia, a Quarta Sinfonia de Tchaikovski, que por vezes tem “Destino” como subtítulo, foi inicialmente criticada mas acabou por se tornar numa das mais tocadas daqueles período, um pouco por todo o mundo.

A Casa da Música destaca-a como “um dos melhores exemplos da magistral arte da orquestração de Tchaikovski”, como uma obra que atravessa a ideia do destino, viajando entre “a melancolia do entardecer e a ilusão de paz interior, numa alegre festa popular”.

O programa “Variações sobre Tchaikovski” arranca pelas 21:00 de dia 27, na Sala Suggia, e abre com “Divertimento K.136”, uma das peças deste género mais reconhecidas, da autoria de Mozart.

Segue-se o também russo Anton Arensky, com a obra que dá título ao concerto, escrita um ano depois da morte de Tchaikovski, como forma de tributo, baseada na “Lenda: Cristo No Seu Jardim”, uma das 16 “Canções de Criança” do seu compatriota.

Antes da Quarta Sinfonia, é interpretada a peça “Fratres”, do estónio Arvo Pärt, escrita para cordas e percussão e cuja progressão sequencial foi usada em vários filmes, como “Haverá Sangue”, de Paul Thomas Anderson, “A Essência do Amor”, de Terrence Malick, e “O Clube”, de Pablo Larraín.

A Sinfónica volta à Quarta Sinfonia de Tchaikovski no domingo, dia 29, num concerto pelas 12:00 dedicado a famílias, apenas com a obra do compositor russo, e comentários de Rui Pereira, coordenador da Orquestra Sinfónica, programador e adjunto da direção da Casa da Música.

Tchaikovski constitui um dos mais destacados nomes do romantismo tardio, e várias das suas composições estão hoje entre as mais frequentemente tocadas por orquestras a nível mundial, ainda que não tenha sido inicialmente bem recebido pela crítica.

Ficou marcado por uma educação de cultura ocidental e pela tardia descoberta da tradição russa. Teve Mozart como compositor preferido e acabou por constituir uma referência de uma geração de músicos, também por ter sido o primeiro na Rússia a dedicar-se exclusivamente à composição.

Anúncio

País

Os números do Euromilhões

Sorte

em

Foto: O MINHO

É esta a chave do sorteio do Euromilhões desta terça-feira, 12 de novembro: 1, 21, 23, 25 e 39. (números) e 2 e 4 (estrelas).

Em jogo para o primeiro prémio está um valor de 104 milhões de euros.

Continuar a ler

País

Aprovada audição de ministro da Educação no Parlamento

Falta de funcionários nas escolas

em

Foto: DR / Arquivo

Os requerimentos do PCP, do Bloco de Esquerda e do CDS-PP para chamar o ministro da Educação ao parlamento foram hoje aprovados por unanimidade na Comissão de Educação, disse à agência Lusa a deputada comunista Ana Mesquita.

Tiago Brandão Rodrigues deverá, assim, responder aos deputados sobre falta de funcionários nas escolas, a requerimento do PCP e do BE.

O CDS-PP requereu a presença do ministro no parlamento para prestar esclarecimentos sobre o plano para não chumbar alunos no ensino básico, anunciado pelo governo.

Continuar a ler

País

Substituir funcionários nas escolas vai ser mais rápido, promete Ministério

Escolas

em

Foto: O MINHO / Arquivo

As escolas vão poder substituir funcionários de forma mais célere, podendo contratar ao fim de 12 dias de ausência do trabalho, anunciou hoje o Ministério da Educação.

Até agora, os diretores tinham que esperar um mês (30 dias) para poder resolver ausências prolongadas, recorrendo a uma “bolsa de contratação” que permitia suprir essas situações.

Desde o início do ano, a carência de funcionários tem levado ao encerramento de escolas, greves e à realização de manifestações por parte dos encarregados de educação, que temem pela segurança dos alunos.

O Ministério decidiu corrigir a situação e prepara-se para publicar um diploma que tornará o processo mais rápido: “O despacho, que seguirá agora para publicação, possibilita estas substituições ao fim de 12 dias de ausência”.

Quando o diploma for publicado, a substituição de assistentes operacionais passará a ser mais célere.

A Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais estima que as escolas precisem de “mais 6000 trabalhadores” e anunciou na segunda-feira uma greve nacional dos trabalhadores não docentes das escolas em protesto contra a “falta crónica” destes funcionários.

Em entrevista à agência Lusa, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, recordou que no seu mandado anterior foi alterada a portaria de rácios para que as escolas pudessem ter mais assistentes técnicos e que nos últimos três anos as escolas viram chegar mais 4.300 funcionários.

Entretanto, foi dada a possibilidade de contratar mais 1.067 funcionários.

“A generalidade dos processos de recrutamento dos 1.067 assistentes operacionais (AO) está terminada, estando estes AO já a trabalhar nos respetivos Agrupamentos de Escolas, o que possibilita esse acesso recentemente criado ao mecanismo de reserva de recrutamento, o qual permite colmatar possíveis faltas temporárias”, acrescenta hoje o gabinete de imprensa do Ministério da Educação.

Além destas contratações, a tutela garante que “têm sido outorgadas horas suplementares, em casos pontuais, suprindo também necessidades existentes”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares