Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Organização do Neopop quer elevar Viana do Castelo a capital da música techno

em

A organização do festival Neopop, que decorre entre quarta-feira e sábado, entregou hoje ao presidente da câmara de Viana do Castelo uma petição com 1.800 assinaturas que pretende elevar aquela cidade a capital mundial do techno.

“Nós vamos agora avaliar esta tramitação e vamos ver como é que nos podemos posicionar, quer a nível nacional, quer a nível internacional para sermos capital da techno”, afirmou o autarca socialista José Maria Costa.

O presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, que falava em conferência de imprensa em pleno centro da cidade, recebeu um dossiê com a petição intitulada “Todos pelo Techno, todos por Viana” e sublinhou que o festival, de “enorme importância económica” para a cidade, “é, hoje, identificado pela imprensa especializada como uma das grandes ofertas culturais do país”.

José Maria Costa destacou o local “icónico” onde decorre o festival, o forte de Santiago da Barra, e o facto do primeiro dia ser de entrada gratuita.

“Este ano, o primeiro dia é aberto aos vianenses para que cada vez mais a cidade sinta este festival. É a única cidade do país que tem um festival com esta qualidade e com esta ambição”, referiu.

Gustavo Pereira, da organização do Neopop, referiu que os bilhetes para “abertura de recinto, no dia 08, estão esgotados, sendo que a lotação do espaço é de 7.500 pessoas”.

Os bilhetes para o primeiro dia tinham de ser reservados ‘online’, sendo que o público do Porto foi o que mais ingressos reservou, seguido dos distritos de Viana do Castelo e Braga.

O responsável adiantou que a edição 2018 vai receber visitantes oriundos de 50 nacionalidades diferentes, destacando que o público de Espanha e França regista “o maior número de bilhetes comprados”.

Gustavo Pereira classificou a participação, no dia 08 de agosto, de St. Germain como a “maior atração do festival” que, este ano conta superar o número de participantes de 2017, cerca de 28 mil nos três dias do evento.

O programa incluindo as presenças de Jeff Mills, Marco Carola, Josh Wink, Solomun, Rebekah e Paula Temple, Rui Vargas, Adriatique, Agents of Time, Jeff Mills, Joseph Capriati, Ricardo Villalobos, Nina Kraviz, entre muitos outros.

A organização preparou ainda animação na praia fluvial da Argaçosa, junto ao parque de campismo que serve o festival, atividades no Teatro Municipal Sá de Miranda, um ‘sunset’ na praia Norte e duas exposições, ambas relacionadas com o festival e que pretendem homenagear dois colaboradores, que entretanto morreram: o fotógrafo Carlos Vilela e o gráfico José Quintas, responsável por todos os cartazes do festival até 2017.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Líderes do PSD de Viana “advertidos” no caso das duas listas às autárquicas

Eleições autárquicas de 2017

em

Carlos Morais Vieira, à esquerda, e Eduardo Teixeira, à direita, com o antigo secretário-geral do PSD. Foto: DR / Arquivo

O conselho de jurisdição nacional do PSD aplicou a sanção disciplinar de advertência aos líderes da distrital e da concelhia do partido, em Viana do Castelo, na sequência do caso das duas listas apresentadas à Assembleia Municipal nas últimas autárquicas.

De acordo com o acórdão 272018, a agência Lusa teve ontem acesso, o presidente da comissão política distrital, Carlos Morais Vieira, foi advertido por não ter enviado as listas a candidatar, em Viana do Castelo, às eleições autárquicas de 2017 ao plenário da secção local do PSD.

“Foram solicitados por diversas formas e com diversas insistências que os responsáveis distritais indicassem os nomes que integrariam as listas candidatas bem como o Programa Eleitoral com o objetivo de permitir que essa Assembleia se pronunciasse sobre os mesmos. Não foi indicado por qualquer forma, nenhum nome nem nenhum elemento do Programa Eleitoral, nem sequer apresentada qualquer justificação para tal”, lê-se no documento datado de 19 de dezembro.

Contactado pela agência Lusa, Carlos Morais Vieira disse ter sido notificado da decisão do conselho de jurisdição nacional, na quarta-feira, mas escusou-se a falar sobre o assunto.

Já o presidente da comissão política concelhia, Eduardo Teixeira, foi sancionado por ter entregado, no tribunal, uma lista concorrente aquele ato eleitoral sem poderes para o efeito e sem aprovação da distrital do partido.

“Tal lista não foi entregue pelo Mandatário com poderes para o ato, nem obteve aprovação distrital (…) O mandatário com poderes para o ato, não só entregou lista diferente como impugnou a anteriormente entregue”, adianta o acórdão.

À Lusa, Eduardo Teixeira disse não ter sido notificado da decisão e por esse motivo não quis prestar declarações.

Para eleições autárquicas de 2017, o PSD de Viana do Castelo apresentou duas listas de candidatos à Assembleia Municipal daquele concelho.

Uma das listas, apresentada pelo candidato do partido à Câmara de Viana do Castelo, homologada pelos órgãos nacionais e aprovada pela comissão política distrital, era encabeçada por Eduardo Viana, ex-secretário de Estado da Inovação, Investimento e Competitividade do anterior governo PSD/CDS-PP e atual deputado municipal.

A outra lista era liderada pelo presidente da comissão política concelhia, ex-vereador na Câmara de Viana do Castelo e ex-deputado na Assembleia da República, Eduardo Teixeira.

O Tribunal de Viana do Castelo rejeitou a lista à Assembleia Municipal apresentada e liderada por Eduardo Teixeira, por “irregularidade insuprível”. Também o Tribunal Constitucional “negou provimento” ao recurso.

Com aquela decisão ficou validada a lista à Assembleia Municipal encabeçada por Eduardo Viana.

No acórdão do conselho jurisdição nacional assinado pelo presidente do conselho de jurisdição nacional, Nunes Liberato e pelo relator, João Paulo Meireles, foi ainda aplicada a mesma sanção, a mais leve do regulamento de disciplina do partido, ao candidato às eleições autárquicas de 2017 e atual vereador do PSD na Câmara de Viana do Castelo, Hermenegildo Costa (também já notificado da decisão), e ao empresário Luís Sanches, na altura secretário-geral da concelhia.

De acordo com o documento, com 19 páginas, os quatro responsáveis foram sancionados pela “manifesta falta de zelo no desempenho de funções” e por “pôr em causa o bom nome do partido ou a confiança que está depositada no infrator”.

Àquelas infrações, Carlos Morais Vieira e Hermenegildo Costa juntam o “manifesto desrespeito pelas deliberações emitidas pelos órgãos competentes do partido”.

Já Eduardo Teixeira e Luís Sanches foram ainda sancionados por se terem “candidatado a qualquer lugar eletivo do Estado ou de autarquias locais, sem autorização do competente órgão do partido”.

No acórdão, o conselho de jurisdição justificou a sanção menos gravosa pelo facto de os “arguidos serem militantes ativamente empenhados, com exercício abnegado de funções e cargos no partido, com um historial de dedicação a servir as populações designadamente decorrente do exercício de cargos autárquicos” e, por “nenhum ter antecedentes disciplinares”.

Ao mandatário concelhio, Sandro Durães, não foram aplicadas sanções por “não se vislumbrar qualquer censura que lhe deva ser dirigida”.

“Agiu com poderes para o ato que lhe foram legalmente conferidos e reiterados. Seguiu as instruções de quem lhe conferiu tal instrumento de representação, entregou listas completas, com a documentação completa e sem irregularidades”, sustenta o acórdão.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Pastelaria assaltada em Viana do Castelo

Roubada caixa registadora

em

Ainda está em processo de averiguações, o assalto à mão armada de uma pastelaria na Freguesia de Chafé, em Viana do Castelo.

O crime ocorreu, ontem ao final da tarde, por um indivíduo sob ameaça de arma de fogo.

Segundo fonte do Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo, ao JN, o assaltante “roubou caixa registadora e pôs-se em fuga”, desconhecendo-se o valor do roubo no estabelecimento comercial, situado na rua de Estrada Velha.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Recolha de papel de embrulho no Natal evitou abate de 40 árvores

Foram recolhidos 1.880 quilos de papel e cartão

em

Foto: DR/Arquivo

A campanha de reciclagem “No Natal, separar é o melhor presente” recolheu 1.880 quilos de papel e cartão, evitando “o abate de aproximadamente 40 árvores”, informou hoje a Câmara de Viana do Castelo, promotora da ação.

Promovida em parceria com os Serviços Municipalizados de Saneamento Básico (SMSB) e a sociedade Resulima, que gere o aterro sanitário do Vale do Lima e Baixo Cávado e o Centro de Monitorização e Interpretação Ambiental, a campanha decorreu entre 24 de dezembro 06 de janeiro, através da instalação de 40 contentores em áreas residenciais da cidade.

“O material recolhido, com recurso a uma viatura específica, teve como destino final a central de triagem da Resulima, com vista à sua reciclagem”, especifica o município, em comunicado.

Com esta iniciativa, a Câmara de Viana pretendeu “fomentar a correta separação dos resíduos, designadamente do papel de embrulho, que todos os anos era depositado nos equipamentos destinados à descarga de resíduos indiferenciados, desaproveitando-se assim este material como recurso”.

Continuar a ler

Populares