Seguir o O MINHO

País

Ordem dos Médicos apela à oferta de equipamento de proteção ao SNS

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

A Ordem dos Médicos pediu hoje a todos os que tenham equipamento de proteção individual certificado que não estão a usar, designadamente em empresas obrigadas a encerrar e que usam esse material, que o coloquem à disposição do país.


Numa nota enviada às redações, a Ordem dos Médicos (OM) lembra que o surto tem levado ao encerramento de várias atividades profissionais, como consultórios de estomatologia e medicina dentária, condicionando também atividades em fábricas e oficinas ligadas à indústria automóvel, vidreira e de pinturas, onde é habitual o uso de luvas, máscaras e viseiras.

Lembrando que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) atravessa um momento crítico, com a pressão por causa do combate à Covid-19 – a doença provocada pelo novo coronavírus -, com problemas de stock em materiais de proteção individual, a OM apela à solidariedade de todos os que tenham material certificado que não estejam a usar.

“Continuam a chegar-me todos os dias vários relatos de médicos que trabalham sem condições mínimas de segurança, por falta de equipamentos básicos para todos os profissionais de saúde, como máscaras ou luvas”, escreve o bastonário da OM, Miguel Guimarães.

O bastonário diz que a OM tem reiterado junto da tutela a importância de se “distribuir massivamente” este material e de se reforçarem os stocks em Portugal “para proteção de todos”.

“Se os profissionais de saúde não estão devidamente protegidos colocam em risco os doentes e colocam em risco a sua própria vida, podendo ficar doentes e afastados dos serviços quando mais precisamos deles”, insiste o bastonário.

Miguel Guimarães diz que hoje mesmo pediu a intervenção da Ordem dos Médicos Dentistas junto dos seus associados, “no sentido de os médicos dentistas poderem ceder ao SNS material de proteção que não estejam, nesta fase crítica, a utilizar”.

Lembra ainda que os bons exemplos de países com mais sucesso no combate à pandemia estão associados à disseminação do uso destes materiais, como em Macau, ou à decisão de fazer testes em larga escala a bolsas de população, permitindo detetar mais cedo os casos assintomáticos, como na Islândia.

A OM diz também que já questionou a Direção-Geral da Saúde (DGS) no sentido de saber quantos são, até ao momento, os médicos e restantes profissionais de saúde com Covid-19, bem como os stocks de diversos equipamentos e necessidades de utilização estimadas até junho.

Na semana passada, a OM estimava que 20% de todos os infetados no país com Covid-19 fossem médicos.

Já o Sindicato Independente dos Médicos disse estimar que existam mais de 50 médicos infetados com o novo coronavírus e mais de 150 em quarentena.

Em resposta a esta situação, a diretora-geral da Saúde veio lembrar que há profissionais de saúde que se infetaram no seu contexto de vida do dia a dia, fora dos ambientes hospitalares.

Dois dias depois, o secretário de Estado da Saúde disse que os dados disponíveis, quando havia 331 casos confirmados, existiam cerca de 30 profissionais de saúde infetados, sendo 18 médicos.

Em Portugal, há 14 mortes e 1.600 infeções confirmadas de Covid-19.

O país está em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira, até às 23:59 de 02 de abril.

O novo coronavírus já infetou mais de 324 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 14.300 morreram.

Anúncio

País

Covid-19: Mais 6 mortos, 232 infetados e 149 recuperados no país

Boletim diário da DGS

em

Foto: DR / Arquivo

Portugal regista hoje 1.620 mortes relacionadas com a covid-19, mais seis do que no domingo, e 44.129 infetados, mais 232, dos quais 195 na zona de Lisboa e Vale do Tejo, segundo o boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Há 29.166 casos recuperados, mais 149.

(em atualização)

Continuar a ler

País

Agência de ‘rating’ espanhola baixa perspetiva de Portugal de “estável” para “negativa”

Devido ao impacto previsto da pandemia na economia e no endividamento público

em

Foto: DR / Arquivo

A agência de notação financeira espanhola Axesor manteve hoje a classificação não solicitada de Portugal em ‘BBB+’, mas baixou a perspetiva de “estável” para “negativa” devido ao impacto previsto da pandemia na economia e no endividamento público.

Na sua revisão semestral da classificação creditícia de Portugal, os analistas da Axesor Rating preveem uma contração da economia portuguesa que poderá superar os 9,4% no final de 2020, sendo esta quebra acompanhada da deterioração do mercado laboral, com uma taxa de desemprego estimada em 11,6% no final do ano (face aos 6,5% de 2019).

Apontando a elevada dependência do país face aos setores dos serviços, turismo e comércio internacional, a agência espanhola aponta o “elevado nível de dívida pública” de Portugal, “que poderá mesmo superar os 136% no final de 2020”, e antecipa uma “importante deterioração das finanças públicas portuguesas, com o excedente orçamental de 0,2% de 2019 a passar a um défice superior a 7% no atual exercício.

Ainda assim, a agência espanhola aponta uma “melhor situação face a crises anteriores, em resultado do importante processo de consolidação fiscal e da correção do mercado laboral observada nos últimos anos”.

“Consideramos que a perspetiva da nossa classificação de crédito da República Portuguesa poderá melhorar se a deterioração do Produto Interno Bruto (PIB) no próximo semestre for notavelmente inferior ao previsto, a recuperação da economia em 2021 acontecer a um ritmo muito superior ao estimado (6,3%) e as finanças públicas continuarem na senda de consolidação fiscal e redução da dívida que vinha acontecendo até agora”, sustenta.

Face ao impacto da crise sanitária, a Axesor aponta para um aumento de 9% dos gastos, acompanhada de uma redução na ordem dos 6,2% das receitas, sobretudo devido à redução desta com impostos sobre a produção e importações, em resultado da pandemia.

Ainda assim, a agência admite que esta situação poderá ser mitigada quando chegarem as ajudas do Fundo de Reconstrução Europeu, prevendo uma recuperação das receitas em 2021, com uma subida de 6,4%.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 531 mil mortos e infetou mais de 11,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal morreram 1.614 pessoas das 43.897 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

País

Não portugueses e estrangeiros sem residência têm de pagar teste em Portugal

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

Os cidadãos não portugueses ou estrangeiros sem residência em Portugal que não tenham teste negativo à covid-19 à chegada têm de o fazer no aeroporto e pagar e a companhia que os transportou terá multas de 1.000 euros/passageiro.

Segundo um despacho publicado hoje em Diário da República que determina a realização de controlo de temperatura e de testes à COVID-19 nos aeroportos, estas circunstâncias aplicam-se a voos a partir de origens identificadas como de risco epidemiológico pela Direção-Geral da Saúde e a partir dos países de língua oficial portuguesa e dos Estados Unidos.

Não será autorizada a entrada em Portugal dos cidadãos não nacionais ou dos estrangeiros sem residência em território nacional se estes não trouxerem já o comprovativo do teste negativo e se recusarem a fazê-lo no aeroporto. Neste caso, será a companhia que os transportou a responsável por custear o seu regresso.

Além disso, as companhias aéreas, logo após o check-in, deverão informar o aeroporto de chegada do número de passageiros que embarcaram sem prova de realização do teste molecular RT-PCR.

As companhias que violarem a proibição de não embarcarem passageiros que não sejam portugueses ou residentes em Portugal, sem testes com resultados negativos, serão objeto de coima no valor de 1.000 euros por passageiro sem teste molecular RT-PCR.

“Casos urgentes e inadiáveis devidamente fundamentados poderão ser excecionados. A infração será comunicada à ANAC, que instruirá o respetivo processo de contraordenação e aplicará as coimas e apreciará as circunstâncias excecionais eventualmente atenuantes”, explica.

O despacho refere ainda que “o produto das multas será consignado ao ressarcimento dos custos que a ANA, S. A. vier a incorrer com a realização dos testes à chegada e do controlo de temperatura”.

“Para esse efeito, mensalmente, a ANA, S. A., apresentará os respetivos custos à ANAC, que efetuará o pagamento no prazo de 15 dias”, acrescenta.

Quanto aos cidadãos portugueses e aos estrangeiros com residência em Portugal, serão submetidos a medição de temperatura e, caso se justifique, submetidos a testes no aeroporto, podendo sair das instalações depois de disponibilizarem os dados de contacto, mas ficam obrigados a permanecer confinados nos seus destinos de residência até receberem os resultados do teste molecular RT-PCR, seguindo as orientações da Direção-Geral da Saúde.

O despacho aplica-se aos aeroportos portugueses geridos pela ANA, S. A., com exceção dos aeroportos da Madeira e dos Açores, e entrou em vigor no sábado, devendo o serviço de testes à chegada nos aeroportos ser disponibilizado “logo que possível e o mais tardar até ao dia 08 de julho”.

Na sexta-feira, a ministra da Saúde revelou que nas anteriores 24 horas tinham sido feitos 200 testes à covid-19 a passageiros no Aeroporto de Lisboa provenientes do Brasil, Estados Unidos e Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP).

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 531 mil mortos e infetou mais de 11,3 milhões de pessoas em todo o mundo.

Em Portugal, morreram 1.614 pessoas das 43.897 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

Continuar a ler

Populares