Seguir o O MINHO

Braga

Ordem dos Enfermeiros denuncia “indignidade” nas urgências em Braga

“Há poucos enfermeiros para o número de utentes”

em

Foto: O MINHO

A Ordem dos Enfermeiros (OE) apontou hoje que as urgências do Hospital de Braga tem vivido “situações de indignidade e clara insegurança”, exigindo medidas “urgentes” ao Governo.

Em declarações à agência Lusa, a bastonária da OE, Ana Rita Cavaco, disse que esta entidade tem recebido “muitas fotografias”, as quais espelham a “falta de dignidade e a insegurança” das urgências do Hospital de Braga, equipamento que, em setembro, deixa de funcionar como Parceria Público Privada (PPP) com o grupo Mello Saúde e passa a integrar o Serviço Nacional de Saúde (SNS) como Empresa Pública.

“A ordem tem conhecimento desta situação e não é de hoje, mas é atual. Já foi feito, através do núcleo do Norte, um ofício ao conselho de administração do hospital. Recebemos muitas fotografias. Mas a postura do conselho de administração é de silêncio. O Governo não pode pactuar com esta postura e tem de tomar medidas urgentes. Não se pode negar o que está a acontecer”, disse a bastonária.

Ana Rita Cavaco apontou que “há poucos enfermeiros para o número de utentes” que têm acorrido às urgências, frisando que além da questão da dignidade, está em causa a segurança.

“Já não falamos só a falar da questão da dignidade e da privacidade dos doentes, mas sim da vigilância destes que está em causa. Não é possível aos enfermeiros vigiar os utentes que têm acorrido aos serviços”, disse a bastonária.

Confrontada com esta denúncia, a ministra da Saúde, Marta Temido, disse que “o atendimento dos doentes no SNS é sempre feito com a melhor resposta possível”, frisando não ter conhecimento das situações relatadas.

A governante, que falava aos jornalistas exatamente no Hospital de Braga após uma reunião com a entidade que vai cessar funções neste equipamento, disse “seria desejável que os doentes fossem atendidos com toda a celeridade”, garantindo “estar a trabalhar para ultrapassar quaisquer que sejam as dificuldades”.

“Eu sou uma ministra orgulhosa do SNS que temos, apesar de saber que há muito a fazer para o melhorar”, disse Marta Temido.

Confrontado com a denúncia da ordem dos enfermeiros, Vasco Luís de Mello, presidente do conselho de administração do Hospital de Braga, disse que a unidade hospitalar garante que a segurança dos doentes, que recorrem aos cuidados de saúde, está salvaguardada nos cuidados que presta e que o número de profissionais de saúde do Serviço de Urgência, nomeadamente enfermeiros, é o necessário para assegurar os cuidados à população.

“Em momentos de maior afluência, como aqueles que se registam no verão e no inverno, as equipas clínicas, médicas e de enfermagem, deste serviço, são nomeadamente, reforçadas para fazer face ao aumento de atendimentos. Recentemente, aliás, a equipa de enfermagem do Serviço de Urgência foi reforçada através da contratação de novos enfermeiros”, refere Vasco Luís Mello.

Refira-se, por fim que o Serviço de Urgência recebe em média, 600 utentes/dia, chegando a atender em momentos de maior afluência mais de 700 pessoas/dia, de acordo com dados disponibilizados pela administração do hospital.

(Notícia atualizada às 22h27 com declarações do administrador do Hospital de Braga)

Anúncio

Braga

Enfermeiros do Hospital de Braga anunciam possível greve de dois dias em março

Exigem aumento de ordenados com retroatividade

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO (Arquivo)

Os enfermeiros do Hospital de Braga decidiram hoje em plenário avançar com dois dias de greve em março se não houver “aumento dos ordenados”, “pagos com retroatividade”, disse à Lusa o representando de um dos sindicatos daqueles profissionais.

Em declarações à Lusa, o representante do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses, Nelson Fernandes, deu conta que a decisão dos profissionais em fazer dois dias de greve, a 17 e 19 de fevereiro e que a decisão ia ser dada a conhecer à administração do hospital.

Contactada pela Lusa, fonte do Hospital de Braga, que a 31 de agosto de 2019 deixou de funcionar como Pareceria Publico Privada, passando a funcionar como Entidade Pública Empresarial (EPE), remeteu para o comunicado de 10 de fevereiro, reforçando que “tudo tem feito” para dar resposta às reivindicações daqueles profissionais.

“O que nós queremos é que seja cumprida a lei, que haja uma atualização salarial dos atuais 1060 euros para 1201, pagos com retroatividade a setembro de 2019”, explicou o sindicalista.

Segundo explicou Nelson Fernandes, “a decisão de avançar com dois dias de greve vai ser dada a conhecer ao conselho de administração, estando a jornada de luta marcada para dias 17 e 19 de março.

No referido comunicado, o Hospital de Braga lembra que “valorizar e motivar os profissionais é um dos objetivos máximos do Conselho de Administração”, salientando que aquele órgão “está fortemente empenhado neste compromisso”.

Neste sentido, referem, “de forma a garantir uma aproximação às preocupações dos seus profissionais, o Conselho deliberou aplicar o Decreto – Lei n.º62/79, de 30 de março, que estabelece especificações do regime de trabalho dos profissionais de saúde e respetivas remunerações”.

O Hospital esclarece ainda que decidiu “efetuar o pedido de adesão aos Acordos Coletivos de Trabalho, garantindo a igualdade entre profissionais”, sendo que “neste momento, está a ser ultimado o procedimento de adesão a estes acordos, tendo sido previsto no orçamento de 2020 os respetivos impactos financeiros, quer das atualizações salariais quer da necessidade de recursos necessários com a passagem do horário normal de trabalho para as 35 horas semanais”.

Continuar a ler

Braga

Câmara de Braga acusa Plataforma Salvar a Confiança de “terrorismo político” e contesta providência cautelar

Câmara implica Plataforma na “tentativa de instrumentalização dos tribunais”

em

Foto: Sérgio Freitas / CM Braga

A Câmara de Braga contestou a providência cautelar posta no Tribunal Administrativo local por um grupo de cidadãos, contra a venda da antiga fábrica Confiança, acusando-os de, “terrorismo político” e “tentativa de instrumentalização dos tribunais”.

No documento, o jurista Paulo Viana diz que a Plataforma Salvar a Confiança “ficciona ilegalidades, para tentar controlar judicialmente decisões políticas legítimas”.

“Pode não se concordar com opções políticas, mas é nos órgãos da autarquia e nas eleições que aquelas se questionam, e não nos tribunais”, afirma, lembrando que esta é já a terceira providência cautelar intentada sobre o mesmo tema: a primeira foi intentada pelos mesmos autores e indeferida, em primeira e segunda instâncias; a segunda foi intentada pelo Ministério Público e igualmente indeferida”.

Paulo Viana lembra que os autores da ação sustentam, basicamente, que o uso/função aprovado pelo PIP é ilegal”, mas curiosamente apontam nulidade por violação do PDM nas não indicam qual a norma infringida… “

“Não há ilegalidade”

O advogado rebate ainda os argumentos da providência, nomeadamente a da ilegalidade da construção de uma residência universitária no prédio. O PDM- Plano Diretor Municipal – diz a Plataforma – prevê para o prédio um uso/função de equipamento, o que não se enquadraria no projeto.

Paulo Viana contrapõe que o projeto envolve uma residência universitária, um centro interpretativo de memória da Confiança e áreas de restauração, de apoio e de comércio.

“ O que o artigo 74º do regulamento do PDM prevê é um conceito alargado de equipamento, de natureza pública ou privada, “…que compreende as instalações e locais destinados a atividades de formação, ensino e investigação, saúde e higiene, segurança pública, cultura, lazer, educação física, desporto e abastecimento público ou dizem respeito às instalações coletivas, visando prestar um serviço extensivo à população interessada na sua área de influência e localizados em pontos estratégicos do território”.

E acrescenta:“O uso residencial não está proibido no PDM e, de resto, a construção de residências estudantis não corresponde ao uso habitacional tradicional”, argumenta, lembrando que o projeto “colmata a grave falta de habitação para universitários”.

Imóvel ao abandono?

O segundo argumento da Plataforma, que invoca o incumprimento do decreto-lei sobre as residências universitárias, é, também, rejeitado: “nunca se quis fazer uma residência nos termos do diploma, mas sim um alojamento para universitários”, contrapõe.

Paulo Viana lembra que o vencedor da hasta pública tem de apresentar um projeto e licenciá-lo, e salienta que, “se a providência vier a ser decretada o imóvel continuará a degradar-se e ao abandono, até porque os recursos judiciais demoram cinco anos a ser resolvidos”.

A primeira hasta pública de venda do prédio não teve licitadores, estando marcada outra para 10 de março em carta fechada. Se não houver comprador a Câmara doa o prédio à Universidade do Minho para o mesmo fim.

Continuar a ler

Braga

Detido em Fafe por tentar atropelar e disparar contra mulher e filho

Tenta atropelar mulher e filho

em

Foto: GNR Braga / Divulgação

Um homem de 53 anos foi detido em Fafe, na última terça-feira, por violência doméstica e posse ilegal de armas.

Segundo a GNR de Braga o homem terá causado alguns distúrbios dentro da sua própria habitação partindo peças de mobiliário. Perante o cenário de violência o filho e mulher do suspeito tentaram fugir com o suspeito a disparar com uma arma de fogo na direção destes.

Nenhum familiar do suspeito terá sido atingido.

No momento da chegada de GNR ao local do incidente o suspeito encontrava-se ao volante da sua viatura numa tentativa de atropelar o seu filho e companheira. A força policial presente interceptou o homem e fez prontamente a detenção.

Nas buscas à habitação do homem a GNR encontrou 16 armas brancas, oito armas proibidas, quatro armas de fogo, uma espingarda de ar comprimido, 385 cartuchos e munições e dois aerossóis de defesa (gás pimenta).

O detido está, neste momento, a ser presente no Tribunal Judicial de Guimarães, para aplicação de medidas de coação.

Continuar a ler

Populares