Seguir o O MINHO

Braga

As parcelas do custo de 180 milhões a que já chegou o estádio de Braga

em

Foto: YouTube de Stadiumscraft

ARTIGO DE LUÍS MOREIRA
Jornalista

O custo do Estádio Municipal de Braga foi, esta semana, motivo de polémica. Tudo porque eu mesmo escrevi, em notícia sobre os problemas surgidos nas ancoragens da bancada poente, que o mesmo já ia em 180 milhões de euros.

A JSD de Braga pegou nesse número e fez um panfleto criticando a gestão anterior do PS por tal exorbitância.

Foto: Divulgação / JSD Braga

Um aproveitamento político que – julgo – pretende pôr em evidência as dificuldades de tesouraria que os custos do estádio provocam ao erário municipal. E que se traduzem no pagamento à banca de 7,5 milhões dos 80 milhões que foi preciso pedir de empréstimos para a sua construção. A que acrescem os da SGEB, a parceria público-privada dos relvados nas freguesias, mais 6 milhões. 13 milhões por ano!

Reagiram os vereadores socialistas no final da última reunião de Câmara, na passada segunda-feira, argumentando, e cito de memória pois não estive presente, que os dados da JSD eram manifestamente exagerados, por motivos políticos e com a intenção de denegrir a anterior gestão do ex-presidente Mesquita Machado. E que o estádio teria custado 120 milhões!

Ora vejamos: os números são estes! Numa sentença recente sobre “obras a mais” a pagar pela Câmara ao consórcio que construiu o estádio em 2003, o Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga cita o Tribunal de Contas, dizendo que este informou que o estádio municipal custou 156 milhões.

Ora, o que fiz foi somar as seguintes parcelas:

1) 4 milhões de sentença que dá razão ao arquiteto Souto Moura pelo projeto;

2) duas sentenças favoráveis ao consórcio construtor (ASSOC) de 4 milhões cada, ou seja, mais oito.

3) Acresce que, no Tribunal Administrativo do Norte está em recurso uma outra decisão do Tribunal de Braga que aponta para 10 milhões. O julgamento foi feito e a Câmara condenada, tendo o mesmo acontecido após a sua repetição, por motivos jurídicos.

Ou seja, e como diria António Guterres, é só fazer as contas: 156, mais doze, mais 10, dá 178. Os outros dois são gastos que, calculo eu, a Câmara já terá feito com a reparação de 28 ancoragens, as estruturas que seguram a bancada.

Concluindo: se há engano, a culpa é dos tribunais que fizeram mal as contas! Será?

Vídeo: Construção do Estádio Municipal de Braga (2003)

Anúncio

Braga

Braga: Bombeiros ensinam técnicas a idosos que podem salvar a vida no dia a dia

Formação no quartel dos Bombeiros Sapadores de Braga

em

Foto cedida a O MINHO

Um grupo de pessoas, com mais de 60 anos, esteve no quartel da Companhia de Bombeiros Sapadores de Braga (BSB) para uma formação de conhecimentos e técnicas de suporte básico de vida.

Em nota enviada a O MINHO, a companhia refere que esta formação é bastante útil “no dia a dia dos seniores”, explicando que a visita ao quartel se realiza com periodicidade mensal e está inserida na VI edição do “Ciclo do Conhecimento”, um projeto que visa combater o isolamento e prolongar a qualidade de vida da população idosa do concelho de Braga.

O objetivo destas sessões, refere a associação, passa por uma “resposta social do município de Braga que visa criar e dinamizar regularmente atividades culturais, educacionais e de convívio num contexto de formação ao longo da vida, em regime não formal”.

Este ano o projeto abrange uma oferta formativa alargada, com o ensino de inglês, de tecnologias da informação e comunicação (TIC), de história de Braga, de filosofia para a vida e de língua portuguesa.

Esta edição traz algumas novidades formativas, nomeadamente as danças de salão, saúde e bem-estar (onde se inclui a formação em suporte básico de vida), matemática da vida e ginástica da mente.

Continuar a ler

Braga

Inauguração das luzes de Natal em Braga com concertos, dança e árvore de 16 metros

A 30 de novembro

em

Foto: Divulgação / CM Braga (2018)

Concertos e um espetáculo de dança marcam a inauguração das luzes de Natal em Braga, anunciou esta sexta-feira a autarquia. O dia escolhido para o arranque do Natal em Braga é o 30 de novembro, como já havia avançado, em exclusivo, O MINHO.

Em comunicado, a Câmara de Braga revela que a árvore de Natal terá 16 metros de altura e “promete surpreender os bracarenses e os milhares de visitantes que passam pela cidade”.

“À volta da árvore será colocado um presépio e nos jardins laterais estarão os reis magos. Para além do edifício conhecido como Arcada, na Praça da República, também na Rua do Souto haverá animação com luz e som”, sublinha a mesma nota.

Este ano, a animação percorre as principais ruas do centro histórico logo ao início da tarde, com espetáculos de dança e música. Os “Soldadinhos de Chumbo” do Grupo de Percussão da Equipa ESPIRAL dão o mote para o início das celebrações, percorrendo as ruas do centro urbano.

Na Avenida Central, estará situado o palco “Braga é Natal”, onde decorre o espetáculo de dança “The Christmas Broadway Ladies”, pela Companhia Backstage, ao início da tarde.

De seguida, realizam-se dois concertos: Voz Luminis, do Conservatório Bonfim, e o “Canto Lírico visita o Natal”, pelo grupo Ópera de Bolso.

Às 17:00, é inaugurada a iluminação de Natal, com milhares de luzes nas ruas, praças, avenidas do centro histórico, nas rotundas de todo o concelho e, este ano, como novidade, também na Avenida 31 de janeiro e na fachada do edifício Turismo.

O Monte Picoto volta a albergar uma estrela de Natal em tamanho gigante, para “iluminar a cidade”.

As festividades do dia 30 encerram com a atuação de um DJ convidado.

Continuar a ler

Braga

Obras em prédio revelam antiga necrópole romana na cidade de Braga

Sepulturas do período romano tardio e inícios da antiguidade

em

Foto: Fernando André Silva / O MINHO

Pelo menos oito sepulturas, com construção estimada entre o final do período romano (século IV) e o início da antiguidade, foram achadas durante sondagens arqueológicas numa obra de um prédio, situado no n.º 79 da Rua Alferes Alfredo Ferreira, no centro da cidade de Braga, disse a O MINHO o responsável pelos serviços de Arqueologia da Câmara de Braga.

Armandino Cunha revelou estas descobertas, salientando que, embora não se soubesse a localização exata, já se sabia que existiam algures junto à Praça Conde Agrolongo,

Obra onde foi descoberta a necrópole. Foto: Fernando André Silva / O MINHO

“Confirma-se a existência de uma necrópole tardia, utilizada entre o século quarto e o oitavo, que abrange o final do período romano e início da antiguidade tardia (idade média)”, disse o responsável.

A necrópole já era conhecida devido a documentos do século XVI (16) que referenciavam o enterramento junto aquela praça. “As primeiras noticias vindas a público sobre esta necrópole datam do século XIX”, adiantou ainda Armandino Cunha.

Sobre as sepulturas, o diretor do serviço salienta que “há um conjunto de sepulturas de caixa de duas águas e outras em covas, existindo ainda duas sepulturas abertas no saibro (sem tijolos).

Foto: Facebook de Evandro Lopes

De acordo com o responsável, não terá sido descoberto qualquer espólio durante a sondagem arqueológica levada a cabo por uma empresa privada (Imperium), contratada pelo dono da obra.

O prédio em questão, que foi durante muitos anos um espaço de restauração, está a ser requalificado para ali nascer uma unidade de alojamento local, apurou O MINHO.

Foto: Facebook de Evandro Lopes

Armadino Cunha explica a O MINHO que todas as obras no centro da cidade estão condicionadas a uma sondagem arqueológica, no seu início, para que seja documentado e, caso exista, recolhido espólio, para musealização.

“Todos os projetos de novas obras em locais referenciados são condicionadas por sondagens arqueológicas antes de ser emitida a licença camarária”, explica Armandino, destacando o esforço que a autarquia tem feito para documentar os diferentes períodos da antiguidade.

As sepulturas, depois de devidamente identificadas, serão destruídas, uma vez que é impossível musealizar as mesmas, como adiantou a O MINHO o professor e arqueólogo Luís Fontes, responsável pelos serviços de Arqueologia da Universidade do Minho.

Descobertas na Arcada e em São Lázaro

Recentemente, foi descoberta uma grande necrópole (com mais de 20 sepulturas), em São Lázaro, junto aos jardins de Senhora a Branca, também no centro da cidade, confirmou o responsável da UMinho.

Nessa descoberta, que foi possível graças, novamente, ao restauro de um edifício por parte de um empresário privado, foram encontrados alguns vestígios do período tardio do império romano, como é o caso de uma tacha de uma sandália.

Na Praça da República, num dos edifícios históricos, foi descoberto o alicerce de um torreão do antigo Castelo de Braga, que se situava onde hoje é a Arcada. Este é um dos achados que permite reescrever a história da cidade de Braga.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares