Seguir o O MINHO

Barcelos

Presidente da Câmara de Santo Tirso renunciou para não interferir na investigação

Joaquim Couto

em

Foto: DR

Joaquim Couto justificou, esta segunda-feira, no Porto, que a sua renúncia ao cargo de presidente da Câmara de Santo Tirso e demais cargos públicos e políticos foi para afastar suspeitas de interposição da sua parte na investigação da Operação “Teia”.


Em declarações à porta do Tribunal de Instrução Criminal (TIC) do Porto de onde saiu em liberdade mediante o pagamento de uma caução de 40 mil euros, o ex-autarca tirsense afirmou não ter cometido “nenhuma irregularidade que mereça reprovação”.

Acusado de ser o “cérebro” da trama que deu nome à operação e na qual é suspeito de, a expensas da autarquia, ter viajado para diversos países com a família, Joaquim Couto expressou o desejo de que o tempo lhe “dê razão”.

“Renunciei ao mandato na câmara, e a todos os cargos políticos, porque entendi que estávamos numa situação em que estava em causa a política e a atividade partidária, para que a justiça possa investigar e para que não haja nenhuma suspeita de interposição da minha parte nessa investigação, para que seja tudo claro e transparente”, afirmou na curta declaração aos jornalistas.

O advogado do casal Couto, Nuno Brandão, disse à Lusa, sobre a prisão domiciliária aplicada a Manuela Couto, que ambos estão “indiciados de crimes de corrupção, relacionados com a Câmara de Barcelos e com o IPO”, situação para a qual, disse, “parece não haver motivos”.

“Quando tivermos oportunidade de fazer uma defesa cabal tudo isto vai cair, porque não tem a mínima consistência”, argumentou o causídico.

Instado a pronunciar-se sobre se a libertação de Joaquim Couto era uma vitória e a prisão domiciliária de Manuela Couto uma derrota para a defesa, Nuno Brandão optou por falar da lei.

“Há aqui uma derrota de alguns princípios basilares do nosso estado de direito, porque aquilo que se tem feito são detenções injustificadas, exageradas, desproporcionadas, quando se podia ter conseguido o mesmo chamando aqui e ouvindo as pessoas”, disse.

Nuno Cerejeira Namora, advogado do presidente da Câmara de Barcelos, a quem as medidas de coação determinaram prisão domiciliária com pulseira eletrónica, considerou a “pena exagerada”, informando que o “recurso vai ser feito imediatamente e dentro de um ou dois meses esta decisão há de ser revertida”.

Sobre a diferença de tratamento do juiz que libertou Joaquim Couto mediante caução e mandou prender Miguel Costa Gomes, o advogado afirmou: “foi dito expressamente pelo senhor juiz: como não renunciou ao cargo, apanhou esta medida!”.

Ainda assim, reiterou o advogado, o seu “cliente continua a achar que tomou a melhor opção”, argumentando que “quem não deve não teme” e que “não ia entregar o poder por ordem do poder judicial”.

O autarca está “proibido de contacto com os arguidos e de contacto com os funcionários da câmara”, razão pela qual o advogado informou que vai ser pedida uma “aclaração para perceber se essa proibição abrange os vereadores e os contactos políticos do partido”.

Laranja Pontes, que fora libertado no sábado, mas que teve de apresentar-se no TIC para conhecer as medidas de coação, afirmou ter sido vítima de “um erro de ‘casting'” e que a sua defesa vai “provar que não houve nenhum facto ilícito” na sua atividade de “presidente do IPO e nas relações com a empresa de comunicação” de Manuela Couto.

A operação “Teia” centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos bem como no Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto e investiga suspeitas de corrupção, tráfico de influência e participação económica em negócio, traduzidas na “viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto”, segundo comunicado da Diretoria do Norte da Polícia Judiciária, o órgão de polícia criminal que apoia o Ministério Público neste caso.

Anúncio

Barcelos

Casal de emigrantes ferido em despiste em Barcelos

Acidente

em

Foto: DR

Um homem e uma mulher emigrantes, ambos de 54 anos, sofreram ferimentos ligeiros na sequência de um despiste de automóvel, por volta das 16:00 desta segunda-feira, na Estrada Nacional 306, em Alheira, no concelho de Barcelos, perto da fronteira com Sandiães, Ponte de Lima.

Numa zona de curva, em circunstâncias ainda por apurar, o carro em que seguiam acabou por embater contra um muro à face da estrada.

Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO

Foto: Vítor Vasconcelos / O MINHO

O casal foi transportado para o Hospital de Barcelos.

Os Bombeiros Voluntários de Barcelos prestaram socorro com nove operacionais e três viaturas.

A GNR registou a ocorrência.

Continuar a ler

Barcelos

Colisão fere motociclista em Barcelos

Acidente

em

Foto: O MINHO

Um homem de 48 anos ficou ferido na sequência de uma colisão entre um carro e uma mota, ao início da tarde desta segunda-feira, no cruzamento do Faial, em Vila Boa, Barcelos.

A vítima, que seguia na mota, foi transportada pelos Bombeiros de Barcelos para o hospital daquela cidade com ferimentos ligeiros.

O alerta foi dado às 13:50.

Os Bombeiros de Barcelos mobilizaram para o local dois operacionais apoiados por uma viatura.

A PSP registou a ocorrência.

Continuar a ler

Barcelos

Novo líder do PSD em Barcelos aponta conquista da Câmara como grande objetivo

Bruno Torres

em

Foto: Divulgação / PSD

Conquistar a câmara é o objetivo principal do novo líder da Concelhia do PSD de Barcelos.

Bruno Torres quer também aumentar o número de freguesias de maior social-democrata.

“Os barcelenses poderão contar com um projeto ambicioso para a próxima década que trará desenvolvimento ao concelho e nos recoloque na liderança do crescimento económico e social da região“, assegurou Bruno Torres, na cerimónia de tomada de posse, citado em nota de imprensa.

A cerimónia contou com a presença do vice-presidente da nacional social democrata, André Coelho de Lima, do presidente da distrital do PSD, Paulo Cunha, do eurodeputado José Manuel Fernandes e do deputado Carlos Eduardo Reis.

Bruno Torres vincou o processo de renovação em curso no PSD Barcelos e enalteceu a colaboração dos dirigentes que agora deixam os cargos na estrutura.

Foto: Divulgação / PSD

“As eleições do PSD Barcelos foram, sem dúvida, um marco a nível nacional, nas quais votaram cerca de dois mil militantes, o que é extraordinário, mesmo vivendo num contexto de pandemia“, disse Bruno Torres, notando que os militatentes votaram pela “mudança“.
A nova Comissão Politica do PSD Barcelos mantém “total confiança“ em todos os órgãos que estão em funções, nomeadamente os vereadores e o grupo parlamentar da Assembleia Municipal.

Com as autárquicas de 2021 no horizonte, Bruno Torres garante a apresentação de um projeto vencedor, com o objetivo de “conquistar para o PSD a Câmara de Barcelos e o máximo de juntas de freguesias“.

Para tal, promete “muito trabalho no terreno“, com uma política de proximidade, acrescentando novos protagonistas no terreno, juntando novas metodologias de trabalho e novas tecnologias na forma de comunicar.

“Vamos desenvolver esta estratégia através do contacto com a sociedade civil barcelense, com visitas às empresas, instituições de saúde, escolas, clubes e associações, concluindo com um diagnóstico das necessidades do concelho, apresentando as soluções concretas para cada problema“, adiantou Bruno Torres.
Para desenvolver o programa que sustenta o projeto político do PSD para Barcelos foi constituído um Conselho Estratégico, liderado por Xavier Barreto.

Continuar a ler

Populares