Seguir o O MINHO

Braga

Oficial. Semana Santa de Braga já é Património Cultural Imaterial

Publicado hoje em Diário da República

em

Foto: CM Braga / Arquivo

A Quaresma e as Solenidades da Semana Santa de Braga foram inscritas no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, segundo anúncio hoje publicado em Diário da República.

O anúncio, assinado pela subdiretora-geral do Património Cultural, Rita Jerónimo, dá conta que a Quaresma e as Solenidades da Semana Santa de Braga estão, por despacho de 12 de abril, inscritas no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial.

Segundo o texto, as tradições de Quaresma e da Semana Santa bracarenses respondem a critérios como a “importância da manifestação do património cultural imaterial enquanto reflexo da identidade da comunidade” em que aquelas tradições tiveram origem e são praticadas “traduzidas em práticas transmitidas intergeracionalmente, com recurso privilegiado à oralidade e à observação e participação direta”.

A inscrição no Inventário Nacional é a única forma de proteção legal do património cultural imaterial e está para o património cultural imaterial como a “classificação” está para os bens móveis e imóveis.

A submissão da proposta de inscrição da Quaresma e das Solenidades da Semana Santa de Braga foi efetuada em janeiro de 2016, mas a sua análise ficou suspensa durante alguns anos, devido a “limitações” da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC).

Segundo o município, a análise foi retomada no início de 2021.

A entidade proponente da inscrição no Inventário Nacional foi a Câmara de Braga, tendo contado com a participação da Delegação para o Turismo Religioso da Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte e também da Comissão da Quaresma e das Solenidades da Semana Santa de Braga, através das entidades que integram a mesma comissão.

A Quaresma e as Solenidades da Semana Santa de Braga são uma manifestação cíclica que decorre entre a Quarta-Feira de Cinzas e o Domingo de Páscoa.

Segundo a página da DGPC, a partir de 1933, com a criação da Comissão da Semana Santa, verificou-se um “especial incremento das dinâmicas associadas”.

“Não são apenas as seculares procissões dos Passos (1597) e do Senhor Ecce Homo (1513), completadas nas últimas décadas pela Procissão do Enterro do Senhor (1933) e pela renovada Procissão da Burrinha (1998), que perfazem a imponência da quadra. As ruas vestem-se de roxo e perfumam-se de incenso, tal como os principais templos que continuam a centralizar o exercício de práticas seculares”, acrescenta.

As principais celebrações decorrem na Sé, enquanto nos Congregados se desprendem as espadas da imagem da Senhora das Dores, pioneira desta devoção em Portugal e propulsora de um “peculiar exercício devocional”.

Em sete igrejas, adora-se o sepulcro do Senhor, “num desafio à contemplação da mais tenebrosa contingência da existência humana”, sendo que no domingo “estala a alegria”, com o compasso pascal.

Populares