Seguir o O MINHO

Região

O MINHO ‘bate’ Record e DN e termina 2020 entre os 10 jornais mais partilhados no país

Um feito que, até hoje, nunca tinha sido alcançado por um jornal regional

em

Foto: O MINHO

O jornal O MINHO terminou o ano de 2020 entre os 10 órgãos de comunicação portugueses mais partilhados nas redes sociais do país, um feito que, até hoje, nunca tinha sido alcançado por um jornal regional.

De acordo com o portal StoryBoard, que analisa, arquiva e divulga as notícias e os portais de internet mais partilhados do país, o jornal minhoto terminou precisamente na décima posição da tabela, contabilizando todo o engajamento alcançado nas redes socais Facebook, Twitter e Pinterest, as mais conotadas com partilha de notícias.

Esta distinção valoriza a ‘maratona’ dos diferentes ‘sites’ de orgãos de comunicação social, jornais digitais, blogues e portais de informação política e de entretenimento, pois o resultado final depende das partilhas ao longo de todo o ano, e não num período específico mais reduzido, como uma semana ou um mês.

Tabela dos portais de informação mais partilhados do ano em Portugal. Fonte: StoryBoard

Marco Araújo, administrador da PDG5 Media, proprietária do jornal O MINHO, manifestou orgulho na equipa que todos os dias tenta levar a mais ampla informação a uma base fiel de leitores que ultrapassa os 100 mil, diariamente.

“Estamos muito contentes com este que achamos ser um grande feito. Com os recursos que temos, este resultado só se pode dever à força da nossa equipa, feita de grandes profissionais, gente que se entrega ao projeto de corpo e alma e que forma um grupo de gente séria, amiga e trabalhadora”, manifesta o administrador e também economista.

E no ano em que completou cinco ‘primaveras’, a ‘escalada’ de O MINHO a nível nacional foi rompante. Não só aumentou o número de colaboradores, tanto a nível de jornalismo escrito como de fotojornalismo, como também aumentou a área de marketing, para crescimento mais sustentável. Recebeu ainda a atenção da revista Meios & Publicidade, que cunhou o nome de “case study” para a evolução sentida no jornal durante este ano que finda.

Reportagem da revista Meios & Publicidade sobre o jornal O MINHO. Foto: DR

Segundo a StoryBoard, O MINHO terminou 2020 com uma média estimada de ‘engajamento’ de 12,8 milhões de partilhas, comentários e reações nas redes sociais, a décima melhor marca no país. Em 2019, o nosso jornal tinha atingido o vigésimo-quarto posto com 3,6 milhões.

Voltando a este ano de 2020, um pouco abaixo, em décimo-segundo, ficou o jornal Record, que em 2019 ocupou o décimo posto desta tabela, contabilizando este ano uma média de 12,2. Já no décimo-primeiro lugar ficou o Diário de Notícias, com 12,6 milhões.

A liderar esta tabela ficou a SIC Notícias, pelo segundo ano consecutivo, com 41,7 milhões em termos de engajamento. De seguida ficou o Correio da Manhã, com 41,5. Seguem-se na tabela Jornal de Notícias (38,3M), Público (32M), TVI24 (29,6M), Observador (28,8M), Notícias ao Minuto (22,2M), Expresso (20,3M) e o portal/revista NIT (13,7), logo seguida de O MINHO.

Há cinco anos nascia o jornal que o Minho continua a merecer

O jornal O MINHO nasceu em 2015 fruto de uma parceria com um jornal local (Alto Minho) que acabou por não vingar. Após decisão de prosseguir sozinha com a administração do ‘site’, a PDG5 Media foi investindo ao longo dos anos e atingiu a consolidação financeira neste ano de 2020, dando lucro.

Repórteres, jornalistas, editores, fotojornalistas, técnicos de informática, técnicos de marketing e publicidade e outros colaboradores, para além das fontes e, claro, das centenas de milhares de leitores que nos seguem, ajudam a construir aquele que já é o maior jornal regional do país a nível de leitores e de interação nas redes sociais.

Da equipa de O MINHO fazem parte o administrador Marco Araújo; o diretor Thiago Correia; os editores Fernando André Silva e Pedro Luís Silva; os repórteres e jornalistas Luís Moreira, Rui Dias e Tomás Guerreiro; os fotojornalistas Paulo Jorge Magalhães e Ivo Borges; os colaboradores Vitor Vasconcelos, Luís Ribeiro, Armando Carriça e Domingos Costa; o responsável informático Rogério Moreira e o coordenador de marketing e publicidade André Teixeira.

Populares