Seguir o O MINHO

País

O “absurdo” da “demissão irrevogável” e “o parto da geringonça” nas memórias de Cavaco

em

O “completo absurdo” da “demissão irrevogável” de Paulo Portas, “o parto” da geringonça e o processo de escolha da procuradora-geral da República são alguns dos temas do segundo volume das memórias do antigo Presidente da República Cavaco Silva.

Com o subtítulo “Da coligação à ‘geringonça’”, o segundo volume de “Quinta-feira e outros dias” será publicado em 23 de outubro e apresentado no dia seguinte pela presidente da Fundação Champalimaud e antiga ministra da Saúde de Cavaco Silva, Leonor Beleza, de acordo com uma nota de imprensa divulgada hoje pela Porto Editora.

“O Governo PSD/CDS-PP passou por crises políticas graves, que exigiram da minha parte uma intervenção ativa, mas completou o comando da legislatura, assegurando o cumprimento dos compromissos assumidos pelo Estado. O país evitou um segundo resgate financeiro, reganhou o acesso aos mercados de financiamento externo e reencontrou uma trajetória de crescimento e criação de emprego. O Governo de coligação foi derrotado no parlamento após as eleições legislativas de outubro de 2015, sendo substituído por uma solução política inédita na nossa democracia, popularmente apelidada de ‘geringonça’”, lê-se na sinopse do livro, agora divulgada pela Porto Editora.

Na nota de imprensa são também revelados excertos de alguns capítulos, como sobre “a demissão irrevogável” de Paulo Portas, em 2013, do cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros, uma decisão de Cavaco Silva classifica como “um completo absurdo”.

“Fazer um comunicado anunciando a demissão em cima da posse da nova ministra das Finanças [Maria Luís Albuquerque], que teria lugar uma hora depois, parecia-me uma infantilidade pouco patriótica. Visava, propositadamente, destruir a credibilidade da nova titular da pasta, quer no plano interno, quer no plano externo. Absolutamente inaceitável”, escreve Cavaco Silva, que ocupou o cargo de Presidente da República entre 2006 e 2016.

Antes, no capítulo 11.º, Cavaco Silva fala sobre o processo de escolha de Joana Marques Vidal, em 2012, recordando que previamente à ‘luz verde’ para a sua nomeação, ouviu-a, procurando saber o que pensava sobre o funcionamento do Ministério Público.

Nessa conversa, o antigo Presidente da República revela como ficou surpreendido com a franqueza de Joana Marques Vidal (que irá abandonar o cargo na sexta-feira), que disse ser uma pessoa de esquerda e “vista como não alinhada com o Governo” então em funções.

Sobre “o parto do XXI Governo”, a geringonça, o antigo chefe de Estado, recorda a “posição dominante do PS desde os tempos da liderança de Mário Soares” sobre a impossibilidade de entendimentos com o PCP e o BE.

“Os líderes do PS com quem trabalhara como Presidente da República, José Sócrates e António José Seguro, haviam sido sempre categóricos na afirmação de que o PCP e o Bloco de Esquerda eram partidos em quem não se podiam confiar, empenhados em criar um clima revolucionário no país e minar os alicerces da nossa democracia de tipo ocidental”, refere Cavaco Silva, lembrando que também António Costa, já depois de ter sido eleito secretário-geral socialista, dissera-lhe, a propósito das opções estratégicas no plano externo, que entendimentos com comunistas e bloquistas “seriam impossíveis”.

No capítulo seguinte – o 22.º intitulado “um primeiro-ministro entre dois fogos”, Cavaco Silva conclui mesmo que “o primeiro ano do Governo do PS presidido por António Costa não foi bom para o país”, tendo-se construído uma “narrativa culpabilizadora” do executivo anterior liderado por Pedro Passos Coelho.

Repetindo uma expressão que ainda enquanto Presidente da República chegou a utilizar, Cavaco Silva refere que, tal como ele próprio antevira em dezembro de 2015, “no campo económico a realidade derrotou a ideologia”, com custos para todos os portugueses.

“A ostensiva retórica do ‘virar a página da austeridade’ permitiu iludir durante algum tempo, mas não todo. No princípio de 2017, já muitos tinham percebido que, virada a página apenas para alguns, a austeridade continuava patente na ausência de investimento público, nas cativações, na deterioração da qualidade dos serviços públicos e nos impostos, com a carga fiscal a crescer para níveis nunca vistos”, lê-se no 22.º capítulo.

Nas 536 página do segundo volume das suas memórias, Cavaco Silva fala ainda “o compromisso de Salvação Nacional”, “a dívida pública e os masoquistas”, “o período pós-troika e o Tribunal Constitucional”, “o orçamento do Estado para 2013 e os humores na coligação”, a privatização da TAP e a não privatização da RTP, as Forças Armadas, entre outros temas.

O primeiro volume de “Quinta feira e outros dias” foi lançado em fevereiro de 2017.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

País

Rui Rio defende que salário mínimo deve ser igual para todos

“O salário mínimo nacional é algo que todos nós temos consciência que está abaixo daquilo que é justo e, portanto, tem que ser igual para todos, não podemos discriminar”, diz o líder dos social-democratas

em

Foto: DR

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que o salário mínimo nacional tem que ser igual para todos, sem discriminar, e disse ainda concordar com a posição política do Presidente da República.

Marcelo Rebelo de Sousa explicou hoje que promulgou a nova base remuneratória da administração pública nos 635,07 euros porque as “certezas foram superiores às dúvidas”.

O Presidente da República disse que entendeu que “pesava mais um argumento de justiça social que era o não sacrificar aqueles que estão na situação mais difícil dentro da função pública”.

“Concordo com a posição política do Presidente da República e repito, é a mesma que eu já disse”, afirmou Rui Rio, que falava aos jornalistas à margem de uma visita ao Hospital de Bragança.

O líder do PSD referiu que o Presidente da República optou por “chamar a atenção, sem vetar”, até porque se vetasse o diploma, as coisas voltavam ao princípio e era “meramente simbólico”.

“O salário mínimo nacional é algo que todos nós temos consciência que está abaixo daquilo que é justo e, portanto, tem que ser igual para todos, não podemos discriminar”, salientou.

Para Rui Rio, o “salário mínimo nacional é pouco, é sempre pouco e não é maior porque a economia portuguesa não permite pagar mais, porque quem cumpre as funções, sejam elas quais forem, de uma forma satisfatória merece mais do que 600 euros por mês”.

“Nós não podemos discriminar as pessoas, não podemos dizer que os que trabalham no setor privado recebem menos e os do público mais ou vice-versa”, frisou.

Continuar a ler

País

Novo ciclo de avaliação de escolas vai incluir observação de aulas

Os parâmetros são classificados numa escala qualitativa de Excelente, Muito Bom, Bom, Suficiente e Insuficiente

em

Foto: DR/Arquivo

O novo ciclo de avaliação das escolas vai incluir observação de aulas e abranger mais escolas, incluindo profissionais privadas e colégios com financiamento público, mas também privados que voluntariamente peçam para ser avaliados, divulgou hoje o Ministério da Educação.

O novo ciclo de avaliação das escolas, que será o 3.º, deve arrancar até maio, e novamente sob a alçada da Inspeção-Geral de Educação (IGEC), tal como já tinha sido anunciado pelo secretário de Estado da Educação, João Costa, em janeiro, num encontro com jornalistas sobre os dados anuais dos resultados das escolas nos exames nacionais.

No documento hoje divulgado, o Ministério da Educação (ME) refere alterações de metodologia.

“Mantêm-se a análise de documentação e de indicadores sobre a escola, a aplicação de questionários de satisfação a alunos, profissionais e encarregados de educação, bem como as visitas às escolas e a realização de entrevistas com diversos elementos das comunidades educativas. Considerando que o processo de ensino/aprendizagem constitui o cerne da atividade da escola, foi integrada na metodologia a observação da prática educativa e letiva, a qual deverá incidir, preferencialmente, na interação pedagógica, nas competências trabalhadas e na inclusão de todos os alunos”, explica o comunicado do ME.

No mesmo documento o ME confirmou que a abrangência do novo ciclo de avaliação será alargada, com a novidade de as escolas particulares, voluntariamente, se poderem candidatar a ser avaliadas.

“O novo ciclo da Avaliação Externa das Escolas, além dos estabelecimentos públicos de educação e ensino – incluindo os do ensino artístico especializado, já anteriormente avaliados – passa a abranger, pela primeira vez, escolas profissionais privadas, estabelecimentos de ensino particular e cooperativo com contrato de associação ou de patrocínio. Novidade é também o facto de os restantes estabelecimentos de ensino particular e cooperativo poderem solicitar avaliação externa”, lê-se no comunicado.

Segundo a informação da tutela, o modelo de avaliação deste novo ciclo sofreu alterações em relação ao anterior, que decorreu entre 2011 e 2017, sendo uma delas a autonomização do domínio da autoavaliação nos parâmetros a serem escrutinados pelas equipas de avaliação, que deixa de estar englobado no domínio da liderança e gestão.

Os parâmetros são classificados numa escala qualitativa de Excelente, Muito Bom, Bom, Suficiente e Insuficiente.

O objetivo do ME é que a inclusão passe a ser a ‘dimensão chave’ para avaliar a qualidade das escolas, conferindo à análise um caráter e olhar mais abrangente.

“O que estamos a dizer é que uma escola não é boa apenas por um resultado que às vezes nem é conseguido na escola, é conseguido num centro de explicações no outro lado da rua, mas sim pelo trabalho que faz no progresso de cada aluno, na mobilidade social de cada aluno e no trabalho que faz com os alunos que à partida têm mais dificuldades”, disse João Costa aos jornalistas em janeiro, frisando que o objetivo é uma “análise qualitativa” ao trabalho da escola, centrada não apenas em resultados escolas, mas também nos resultados comunitários e sociais.

Tal como já tinha sido avançado por João Costa, as equipas inspetivas que se irão deslocar às escolas – ao ritmo da disponibilidade dos recursos humanos existentes – vão ser compostas por inspetores de educação da IGEC e peritos externos.

As equipas terão dois inspetores e dois peritos, mas poderão ser apenas de dois elementos – um inspetor e um perito – nos casos das escolas não agrupadas com menos de 500 alunos ou que tenham apenas um nível de ensino.

Segundo os documentos de enquadramento do novo ciclo de avaliação já disponíveis no ‘site’ da IGEC, que se referem maioritariamente a critérios e metodologia do processo, as equipas de avaliação são designadas pela inspeção-geral e os peritos externos constam de “uma bolsa de avaliadores selecionados por instituições de ensino superior, público ou privado, universitário ou politécnico ou das instituições de investigação que, para o efeito, celebrem protocolo com a IGEC.

“Os peritos externos são docentes do ensino superior, público ou privado, ou investigadores, detentores de currículo relevante para a realização da avaliação externa, nomeadamente experiência de trabalho em funções de docência e coordenação ou direção em escolas”, acrescenta ainda o documento que explica a metodologia.

Os ciclos de avaliação anteriores decorreram entre 2006 e 2011 e 2011 e 2017.

Continuar a ler

País

Governo investe 591 milhões em regadios para tornar agricultura mais exportadora

Capoulas Santos esteve em Vila Verde

em

Foto: DR/Arquivo

O ministro da Agricultura afirmou hoje, em Vila Verde, que até 2023 vão ser investidos 591 milhões de euros em regadios, para tornar o setor mais competitivo e aumentar a sua capacidade exportadora.

Segundo Capoulas Santos, neste momento já estão aprovados cerca de 200 projetos de pequenos, médios e grandes regadios, num investimento de 311 milhões de euros.

Estão ainda previstos mais 280 milhões de euros para ampliar em mais 100 quilómetros a rede de regadios.

“O objetivo é dotar o país de mais condições para uma economia competitiva, que, no contexto climático em que vivemos, é praticamente impossível sem disponibilidade de água”, referiu o ministro.

Capoulas Santos falava durante a assinatura do auto de consignação da empreitada da Rede de Rega do Bloco de Sabariz/Cabanelas, em Vila Verde, que tem um custo estimado de 8,1 milhões de euros, incluindo a recuperação de caminhos e a rede de drenagem.

Com captação direta no rio Cávado, aquele Bloco de Rega terá um comprimento de 20,8 quilómetros, equipará uma área com cerca de 345 hectares e beneficiará 433 explorações.

Para Capoulas Santos, os regadios são essenciais para melhorar as condições de competitividade da agricultura portuguesa os planos europeu e mundial.

“Nos últimos três anos, abrimos 53 mercados para países terceiros, isto é, extra União Europeia, para mais de 200 produtos portugueses, como hortícolas, frutícolas, carne, produtos transformados”, sublinhou.

Adiantou que neste momento estão “em negociação” mais cerca de meia centena de mercados, entre os quais a Índia e a China, para outras duas centenas de produtos portugueses, como fruta, láteos e carne de suíno.

“Isto para além de estarmos a bater recordes [de exportação] em vários setores. Nos hortofrutícolas, que é o exemplo mais paradigmático, ultrapassámos a barreira dos 1.500 milhões de euros de exportação e temos um enorme potencial para aproveitar pelo factor de termos condições únicas do ponto de vista climático que nos permitem termos legumes com sabores e colorações que são dificilmente batidos nos mercados internacionais”, acrescentou.

Continuar a ler

Populares