Seguir o O MINHO

País

Nuno Melo diz que congresso do CDS em novembro dava tempo para preparar eleições

Eleições legislativas 2022

em

Foto: Arquivo

O candidato à liderança do CDS-PP Nuno Melo pediu hoje ao líder que deixe o congresso do partido realizar-se em novembro, defendendo que com legislativas em 30 de janeiro “havia tempo mais do que suficiente” para o preparar.

“Faço um último apelo ao Francisco Rodrigues dos Santos para bem do nosso partido e do país, que tanto precisa de uma alternativa à direita: Ajude a pacificar o CDS da única forma possível. Elejam-se os delegados no próximo fim de semana e realize-se o congresso nas datas agendadas de 27 e 28 de novembro, ou numa data consensual logo após”, escreveu o candidato na sua página na rede social Facebook.

O Presidente da República comunicou hoje ao país que decidiu dissolver a Assembleia da República e marcar eleições legislativas antecipadas para 30 de janeiro.

Na ótica de Nuno Melo, “havia tempo mais do que suficiente para, realizando-se o congresso do CDS em 27 e 28 de novembro, discutir ideias, aprovar uma moção de estratégia global, legitimar a direção que os militantes entendessem dever enfrentar essas eleições e preparar uma campanha digna e atempada”.

O candidato e eurodeputado criticou também que, “quando se realizarem as eleições legislativas, a atual direção do CDS já não estará em mandato e o partido não terá qualquer estratégia aprovada que legitime a estratégia para as legislativas”.

“O adiamento do congresso por receio da derrota, quando dois candidatos estavam anunciados, a 24 horas da eleição de delegados, foi um erro que trouxe grande perturbação e indignação interna e está a custar muito caro ao CDS”, defendeu.

Numa conferência de imprensa para reação à dissolução do parlamento e à marcação de eleições legislativas antecipadas para 30 de janeiro, a porta-voz do CDS-PP foi questionada sobre esta posição de Nuno Melo mas recusou comentar por desconhecer o seu teor.

Ainda assim, Cecília Anacoreta Correia recusou que o congresso eletivo dos centristas se realize antes das eleições legislativas, marcadas para 30 de janeiro, argumentando que o partido tem “apenas seis semanas” para se preparar e apresentar as listas de candidatos a deputados.

Populares