Seguir o O MINHO

Região

Novos casos aumentaram 11% no distrito de Braga e 22% no de Viana do Castelo

Covid-19

em

Foto: O MINHO (Arquivo)

O distrito do Porto registou, entre a segunda e terceira semana de novembro, uma diminuição de novos casos de infeção por SARS-CoV-2, e o de Bragança o maior crescimento, segundo um relatório da Administração Regional de Saúde do Norte.

O documento, a que a Lusa teve hoje acesso, reporta a evolução epidemiológica nos concelhos da região Norte entre a primeira (de 01 a 07) e terceira semana (de 15 a 21) deste mês.

Dos seis distritos abrangidos pela Administração Regional de Saúde do Norte (ARS-N), o do Porto passou de 13.349 novos casos na segunda semana para 12.425 novos casos na terceira semana deste mês, o que representa menos 7% de novas infeções.

Entre os 18 municípios do distrito do Porto, nove acompanharam esta tendência: Felgueiras, Lousada, Marco de Canaveses, Matosinhos, Paços de Ferreira, Paredes, Penafiel, Porto e Santo Tirso.

Paços de Ferreira, Lousada e Felgueiras – os primeiros concelhos do país a ficar semiconfinados na segunda vaga da pandemia – foram os que registaram uma diminuição mais expressiva, com a mesma a fixar-se nos 33%, 32% e 27%, respetivamente.

Nestes municípios da zona do Tâmega e Sousa, desde 23 de outubro, o Governo determinou o dever de permanência no domicílio, a proibição de quaisquer celebrações e eventos com mais de cinco pessoas, bem como a obrigatoriedade de os estabelecimentos encerrarem às 22:00, com algumas exceções.

De acordo com o relatório da ARS-N, o distrito de Bragança foi o que registou o maior crescimento do número de novas infeções com o novo coronavírus, que provoca a covid-19.

Com o crescimento a fixar-se nos 40%, o distrito de Bragança passou de 424 novos casos na segunda semana de novembro para 595 na terceira semana.

Dos 12 municípios de Bragança, seis acompanharam a tendência de crescimento do número de novos casos, nomeadamente Bragança, Freixo de Espada à Cinta, Macedo de Cavaleiros, Miranda do Douro, Mirandela e Vimioso.

Os concelhos de Mirada do Douro, Vimioso e Freixo de Espada à Cinta mais do que duplicaram o número de novos casos de infeção pelo novo coronavírus, com o crescimento a fixar-se nos 308%, 260% e 108%.

Ao distrito de Bragança, sucedem-se os distritos de Viana do Castelo e Vila Real, que registaram um crescimento de 22% e 19%, respetivamente, do número de novos casos de covid-19.

Viana do Castelo passou de 626 novos casos na segunda semana de novembro para 762 novos casos na terceira semana, enquanto Vila Real passou de 806 para 959.

Paralelamente, o distrito de Braga registou um crescimento de 11% do número de novos infetados e o distrito de Aveiro (onde estão incluídos sete concelhos abrangidos pela ARS-N) de 4%.

No distrito de Braga, o número de novos casos passou de 7.045 para 7.832, e no distrito de Aveiro de 2.302 para 2.405 novos casos.

Portugal contabiliza pelo menos 3.971 mortos associados à covid-19 em 264.802 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 08 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23:00 e as 05:00, enquanto nos fins de semana e feriados a circulação está limitada entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo e entre as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira.

Anúncio

Barcelos

Bloco de Esquerda condena cartazes xenófobos em Barcelos

Política

Foto: Dr / Arquivo

A concelhia do Bloco de Esquerda em Barcelos veio a público condenar o teor da notícia avançada ontem em exclusivo por O MINHO, que dava conta de duas folhas com imagens de cariz xenófobo afixadas numa janela de um restaurante daquela cidade.

Em comunicado, a concelhia refere que “numa sociedade moderna, democrática, plural e civilizada é inconcebível que alguém ou alguma entidade comercial recorra a estas práticas para selecionar os seus clientes”.

“A legislação é explícita – ninguém pode ser alvo de discriminação racial, étnica ou por filiação partidária. A gerência deste restaurante praticou um crime e deve ser devidamente punida pela justiça”, afirma a concelhia.

“Estas imagens não representam mais do que discurso de ódio e xenofobia que não deve ter lugar na nossa sociedade e no nosso concelho”, finaliza a nota enviada ao nosso jornal.

Recorde-se que numa das janelas do salão do restaurante em causa foram encontradas afixadas pelo interior duas folhas a indicar a proibição de entrada, uma com a bandeira chinesa, outra com o símbolo do Partido Comunista.

Mariana Zhu, filha de chineses e residente em Barcelos, expôs a situação através do Twitter, levando à indignação geral.

Entretanto, e segundo disse a gerente do restaurante a O MINHO, as folhas já lá não estavam ontem, embora tenha referido também que desconhecia a situação. O proprietário não quis falar ao jornal.

As redes sociais do restaurante e do proprietário foram entretanto suspensas.

Continuar a ler

Guimarães

ASAE fiscalizou incumprimento do confinamento em operação que passou por Guimarães

Confinamento

Foto: DR / Arquivo

A ASAE instaurou hoje um processo-crime por especulação de preços e 19 contraordenações por incumprimento das medidas adotadas para conter a pandemia de covid-19, além de ordenar o encerramento de quatro estabelecimentos de restauração e bebidas.

Em comunicado, a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE), diz que “foram fiscalizados 198 operadores económicos, tendo sido instaurado um processo-crime por especulação de preços e 19 processos de contraordenação dos quais se destaca a falta de cumprimento das regras de ocupação, permanência e distanciamento físico nos locais abertos ao público e a falta de cumprimento das regras relativas a restrição, suspensão ou encerramento de atividades”.

Foi ainda determinada a suspensão da atividade em quatro operadores económicos da restauração e bebidas “pela existência de clientes no seu interior”, indica a ASAE.

A autoridade lembra que, com o estado de emergência, “esta atividade apenas poderá ser exercida para efeitos de confeção destinada ao consumo fora do estabelecimento, seja através de entrega ao domicílio, diretamente ou através de intermediário, ou para disponibilização de refeições ou produtos embalados à porta do estabelecimento ou ao postigo (‘take away’)”.

As ações de fiscalização contaram com cerca de 30 inspetores e decorreram nos concelhos de Guimarães, Lisboa, Porto, Matosinhos, Lamego, Coimbra, Aveiro, Castelo Branco, Coimbra, Santarém, Faro e Évora.

A operação foi direcionada a operadores económicos cuja atividade se encontra sujeita a novas regras de funcionamento, “tendo como principal objetivo a verificação do cumprimento integral das regras de lotação, ocupação, permanência e distanciamento físico em espaços públicos e estabelecimentos comerciais, bem como o cumprimento da determinação de suspensão de determinados tipos de instalações, estabelecimentos e atividades”, lê-se no comunicado.

A ASAE afirma que continuará a desenvolver “ações de fiscalização no âmbito das suas competências, em todo o território nacional, para garantia do cumprimento das regras de saúde pública determinadas pela presente situação pandémica”.

O decreto do Governo que regulamenta o novo confinamento geral devido à pandemia de covid-19 entrou em vigor às 00:00 de sexta-feira e decorre até 30 de janeiro.

Entre as restrições, o diploma prevê o encerramento do comércio e restauração, com exceção dos estabelecimentos de bens e serviços essenciais.

Os restaurantes e similares podem funcionar apenas em regime de ‘take away’ ou entregas ao domicílio.

Continuar a ler

Guimarães

Sábado com trânsito condicionado no acesso à A11 em Guimarães

Obras públicas

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Este sábado o trânsito esteve condicionado na rotunda de Silvares, no acesso a autoestrada A 11, no âmbito dos trabalhos de desnivelamento que decorreram no local.

Todas as entradas estavam encerradas pelas autoridades responsáveis pelo trânsito, com os automobilistas a circularem de forma bastante condicionada.

A autarquia tinha publicado um aviso, conforme noticiou O MINHO, a dar conta que este condicionamento decorre “dos trabalhos de pavimentação associados à empreitada em curso, da responsabilidade de execução da Infraestruturas de Portugal”.

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Foto: Ivo Borges / O MINHO

Era aconselhada a utilização de percursos alternativos ao nó de Silvares e da saída da Autoestrada A11 (Guimarães Centro), usando como alternativa o Nó Guimarães Sul.

“Em todos os trabalhos será acautelada a presença das autoridades responsáveis pela gestão da circulação rodoviária”, referiu a autarquia.

Continuar a ler

Populares