Novo líder do PAN eleito este fim de semana em Matosinhos

Inês Sousa Real. Foto: Lusa

O partido Pessoas-Animais-Natureza realiza o seu IX Congresso no sábado, em Matosinhos, para eleger uma nova liderança a que concorrem a atual porta-voz, Inês de Sousa Real, e o antigo dirigente Nelson Silva.

A reunião vai decorrer na Escola Básica de Matosinhos, no distrito do Porto, e tem início marcado para as 08:30.

Em foco vai estar a eleição da nova Comissão Política Nacional e do porta-voz (líder) do PAN, discussão e votação de três propostas de alteração aos estatutos, e ainda a discussão de 15 moções setoriais. O PAN vai também definir a orientação e estratégia política para os próximos anos.

As propostas de alteração aos estatutos são subscritas pelas duas listas candidatas à direção e também por um grupo de filiados que propõe a criação de uma “juventude PAN”.

De acordo com a informação transmitida à agência Lusa por fonte oficial do partido, participam no IX Congresso do PAN 136 delegados, todos eleitos em lista pelas assembleias regionais e distritais.

Neste congresso há dois candidatos à liderança: Inês de Sousa Real, deputada única e porta-voz do Pessoas-Animais-Natureza há dois anos, recandidata-se ao cargo e vai enfrentar o antigo dirigente Nelson Silva, que conta com o apoio da corrente interna de opinião “Mais PAN, Agir para Renovar”.

O ex-deputado integrou a direção de Inês de Sousa Real até fevereiro do ano passado, quando se demitiu, juntamente com outros, alegando “asfixia democrática interna”.

Os estatutos em vigor estipulam que o porta-voz do PAN é a pessoa que está em primeiro lugar na lista mais votada (por voto secreto) para a Comissão Política Nacional.

Na sua moção global de estratégia “Pelas causas que nos unem”, a atual líder reconhece que o mandato foi marcado por momentos atribulados, tanto a nível interno, com “falta de estabilidade”, como pelo que foi acontecendo no país e no mundo, como a guerra na Ucrânia, e que os últimos resultados eleitorais “não foram os desejados”, mas salienta que “há muito trabalho para realizar pelas causas PAN”.

Inês de Sousa Real diz contar na sua recandidatura à Comissão Política Nacional com pessoas “com experiência e de continuidade do trabalho que se pretende levar a cabo, mas também uma lista renovada com pessoas que trazem mais-valias”.

Entre alguns dos objetivos principais para o próximo mandato, a atual porta-voz assume quer “garantir que o PAN é o partido ambientalista de referência em Portugal” e que “não se afasta da sua génese política, a proteção animal como eixo prioritário”, a adesão ao partido político europeu dos ‘European Greens’, e a nível eleitoral “recuperar os votos que já foram do PAN e que migraram para outros partidos” bem como “trabalhar para captar as pessoas que têm um voto ao centro”.

Já Nelson Silva aponta que o PAN vive “a maior crise da sua, ainda curta, história”, com dois “desaires eleitorais”, nas últimas autárquicas e legislativas.

O candidato a líder elege como “missão primordial” do mandato até 2025 preparar o PAN para a “recuperação eleitoral” e estabelece como objetivos “preparar estrategicamente o partido para recuperar o eleitorado perdido em 2022”, bem como voltar eleger deputados na Assembleia Regional da Madeira e no Parlamento Europeu.

Na sua moção global de estratégia, Nelson Silva assinala ainda a necessidade de passar aos portugueses a “imagem de um partido exigente para com o Governo, nomeadamente na negociação do Orçamento do Estado e no recurso às ferramentas de fiscalização política” e não de “um partido suave, dócil, manipulável, por outras palavras, os ‘Verdes’ do PS”.

No seu mandato, Inês de Sousa Real viu o partido passar de quatro deputados eleitos para um e as últimas alterações aos estatutos rejeitadas pelo Tribunal Constitucional.

A líder foi também alvo de críticas quando foi noticiada na comunicação social a sua ligação a empresas agrícolas de produção de frutos vermelhos e viu o seu mandato contestado, com a demissão de vários membros da sua comissão política em rota de colisão com a sua liderança e pedidos que se demitisse e convocasse um congresso extraordinário, incluindo por parte do seu antecessor no cargo, André Silva.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Contratação de seguros de saúde aumenta 10% em 2022 para 3,4 milhões

Próximo Artigo

Juiz manda prender traficante que ia comprar droga ao Porto para vender em Guimarães e Famalicão

Artigos Relacionados
x