Seguir o O MINHO

Famalicão

O “novo circo” chega com tudo ao Minho

em

Foto: Thiago Correia

O circo é hoje uma arte que concilia a modernidade e a tradição. Não há espaço mais democrático, desde o mais pequenino, passando pelo mais engraçado, aqueles que buscam actividades desportivas ou querem exercitar a criatividade, há lugar para todos.

Uma arte popular, mas também uma arte que se integra nos diferentes movimentos culturais contemporâneos. O novo circo funde-se com a música, a dança e a iconoclastia de todas as culturas do mundo.

O Instituto Nacional de Artes do Circo nasceu da necessidade de espaços como esse no país. Sua nova sede, em Vila Nova de Famalicão, recebe neste sábado dia 14 de outubro das 10h as 13h, um open day para toda a gente da região que quiser conhecer o espaço.

“Havia uma lacuna muito grande de espaços e locais onde pudéssemos nos concentrar, ensaiar e criar”, explicou Bruno Machado que faz parte do conselho diretivo do instituto, junto com Juliana Moura e André Borges.

Bruno nasceu em Vila Nova de Famalicão, formado pela Chapitô e National Center For Circus Arts de Londres. Ele esteve em diversos países como Espanha, França, Inglaterra e percebeu que lá haviam vários espaços de circo que cá não havia. Logo depois ele conheceu a Juliana e juntos começaram a desenhar o projeto.

“Tivemos em contato com outros espaços de circo também, para nos ajudarem para perceber como que podíamos desenhar a coisa de uma forma mais correta e depois foi nascendo. Não conseguimos logo termos um espaço nosso porque a infraestrutura é muito grande e é um projeto arrojado, completamente privado”, comentou.

O projeto, nasceu em 2012 e inicialmente foi desenhado em Famalicão, porém para arrancar eles precisavam de um espaço que ainda não existia no concelho.

“Precisávamos de um espaço que em Famalicão ainda não existia e já tinha uma pequena estrutura na Maia, o espaço é um clube de ginástica, por isso em relação aos materiais de acrobacia que são materiais que não se encontram em qualquer sítio, tinha lá, então arrendamos um espaço daquele clube para arrancarmos com o projeto”, explicou Juliana, brasileira, nascida em Santo André, São Paulo, formada em Licenciatura em Dança pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e pela Escola Nacional de Circo também no Rio de Janeiro.

O INAC passou a ser o maior núcleo de “produção” e “partilha” de circo. Diariamente cerca de 35 pessoas envolvidas com o circo passavam pelo instituto.

Devido a grande procura e grande demanda o espaço passou a não ser o suficiente, fazendo com que eles voltassem a Famalicão.

“Já não podíamos estar lá, porque o próprio clube já tinha a atividade deles e a procura estava sendo muito grande para atividades também, não só profissionais como outras e isso uniu com o convite da própria câmara de Famalicão a voltarmos a casa, digamos assim” salientou.

A volta a Famalicão

Em setembro de 2017 o INAC volta a Vila Nova de Famalicão em um espaço amplo e arrojado. O Instituto possui suas instalações na zona do Lago Discount, Lugar do Xisto. No total são 1.500 metros quadrados dedicados a formação e criação a proporcionar o fomento as artes do circo.

“Em 2012 tínhamos esse primeiro objetivo que era suprir essa necessidade de formação cá. Só que depois percebemos que na verdade era necessário mesmo muito mais do que isso, não só formação, mas espaço para treino, atividades, ou seja, um lugar onde o circo pudesse ser trabalhado nas suas diversas áreas. Um ponto de encontro mesmo para que as pessoas viessem. Um lugar onde o profissional possa vir desde as 9h da manhã que vai ter um espaço. Por isso o nome instituto, podia ser escola profissional, podíamos ter focado só na formação, mas não estamos focados só nisso”, explicou Juliana.

“Em Portugal não existe espaços que estejam preparados para criação artística dentro do circo contemporâneo. Vamos acolher brevemente uma companhia espanhola e uma companhia italiana também, ainda este ano para residências artísticas. O INAC funciona em varias vertentes, em varias linhas de trabalho social, inclusão, profissional o de lazer com miúdos desde pequeninos até grandes”, completou Bruno.

Agora o INAC, além de ser referência internacional de formação de circo em Portugal, passará a ser também referência no que se diz respeito a espaço de formação, criação e apresentação.

Mercado de Trabalho

E o que esses profissionais podem esperar após a formação? Segundo Bruno, Portugal tem abraçado o circo de uma forma muito boa.

“Portugal, com esta explosão de turismo nestes últimos anos, veio crescendo, com isso também foi crescendo vários festivais. Então quando se fala no circo e nas artes de rua também, as coisas estão muito interligadas, houve mais mercado ainda para se criarem novas companhias e novos festivais e trazer alguns artistas que estavam lá fora com vontade de voltar a Portugal, mas não vinham porque não tinham trabalho”.

“O circo tem invadido até espaços mais formais, digamos assim, em relação a outras áreas é muito mais marginal, mas já começa a dividir espaço com a dança, com a musica, já se vê programações. Temos um festival só de circo, ou seja, a nível do território nacional, já se começa a expandir o mercado, começa a se ver a procura do circo contemporâneo não só para entretenimento, porque esse já havia”, afirma Juliana.

Hoje, o INAC atende cerca de trinta alunos de diversos países como Finlândia, Irlanda, Suécia, Israel e outros, além de quinze professores.

Mas como essas pessoas chegam ao instituto? Juliana conta diversos fatores.

“Elas chegam porque estão a procura de circo e quando se fala circo fala-se no mundo. Aquela essência nómada,  então assim não é difícil, a pessoa que se interessa pelas artes do circo geralmente tem o horizonte mais aberto, procura fora, então é muito natural essa troca cultural e aqui na Europa as fronteiras são muito próximas. Da nossa parte também como escola é importante dizer que nós temos um corpo docente com muita experiência e com boa formação, isso também chama a atenção. Nesse momento também temos um espaço que chama a atenção porque não há um espaço como esse em território nacional, com essa dimensão”.

Anúncio

Famalicão

Politécnico do Cávado e Ave abre novos cursos técnicos superiores em Famalicão

Nas antigas instalações da cooperativa de ensino Didáxis

em

O Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) vai começar a funcionar, a partir de setembro, também nas antigas instalações da cooperativa de ensino Didáxis, em S. Cosme, Famalicão, anunciou hoje aquela academia.

Em comunicado, o IPCA refere que ali serão ministrados cursos técnicos superiores profissionais nas áreas da Gestão, do Design, da Tecnologia e da Hotelaria e Turismo.

Segundo o IPCA, a escolha de Vila Nova de Famalicão para o funcionamento daqueles cursos relaciona-se com o objetivo de dar resposta às necessidades das empresas da região em termos de recursos humanos qualificados, mas também por aquele ser o município mais exportador do norte de Portugal e o terceiro do país.

No ano letivo 2018/2019, o IPCA começou a funcionar também em Famalicão, com um curso técnico superior profissional de Design de Moda nas instalações do Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário de Portugal (CITEVE).

Agora, o instituto entendeu alargar a sua oferta formativa a outras áreas, pelo que no próximo ano letivo vão estar em funcionamento em Famalicão os cursos técnicos superiores profissionais de Apoio à Gestão, Comércio Eletrónico, Design de Moda, Exportação e Logística, Eletrónica, Automação e Comando, Energia, Telecomunicações e Domótica e Sistemas Eletrónicos e Computadores.

O IPCA disponibiliza também cursos técnicos superiores profissionais no pólo de Guimarães (AvePark), em Braga e no campus em Barcelos.

Além destes cursos, o IPCA oferece ainda 14 licenciaturas, 14 mestrados e 8 pós-graduações que funcionam no campus de Barcelos, em regime laboral e pós-laboral.

Continuar a ler

Famalicão

Conselho Estratégico do PSD debate em Famalicão propostas para melhor política de educação

Conselho Estratégico Nacional (CEN) é responsável pela elaboração do Programa Eleitoral para as próximas Eleições Legislativas

em

David Justino, coordenador nacional do CEN. Foto: Divulgação / Arquivo

“Descentralização administrativa na Educação”. É este o tema escolhido pelo Conselho Estratégico Nacional (CEN) do PSD para um debate que decorre hoje, segunda-feira, pelas 21:30, na Casa das Artes em Vila Nova de Famalicão.

De acordo com o coordenador distrital da CEN, Emídio Guerreiro, a conferência, que terá como ponto de partida de análise e discussão, a experiência do Município na matéria, conta com intervenções de Leonel Rocha, vereador local da Educação e Jonas Maciel, diretor do agrupamento escolas de Gondifelos.

O encerramento está a cargo de David Justino, coordenador nacional do CEN e ex-ministro da Educação.

Em setembro haverá um segundo debate no distrito sobre os problemas da educação e respetivas propostas para um plano de governo a apresentar aos eleitores, intitulado “que escola temos, que escola queremos!” e que centrará a discussão em torno de aspetos como os da avaliação e da flexibilidade curricular.

Continuar a ler

Famalicão

Cinco feridos em acidente em Famalicão

Em Ribeirão

em

Foto: Facebook

Uma colisão rodoviária com três veículos, na freguesia de Ribeirão, em Vila Nova de Famalicão, provocou hoje cinco feridos ligeiros, disse à Lusa fonte dos bombeiros.

De acordo com os Bombeiros Voluntários de Famalicão, o alerta para o acidente, na estrada nacional 14, foi dado às 22:54, sendo que a via já se encontra transitável.

Do acidente, uma colisão frontal, resultaram cinco feridos ligeiros, todos transportados para o Hospital de Famalicão.

No local estiveram um total de 20 operacionais e seis veículos, entre elementos dos bombeiros e da GNR.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares