Nós, Cidadãos quer reaproximar pessoas da política

O movimento Nós, Cidadãos (NC) percorreu, no passado sábado, as ruas do centro histórico da cidade de Braga.

De acordo com comunicado do movimento NÓS, Cidadãos, o grupo foi bem acolhido junto da população, que se mostrava interessada e desperta para a nova realidade política e para o surgimento de novos movimentos de cidadania com o objetivo de mudar mentalidades no seio da sociedade portuguesa.

A arruada contou com apoiantes que se foram fazendo ouvir junto das pessoas que passavam ou que estavam nas esplanadas espalhadas pelas ruas da cidade. As pessoas iam lendo os panfletos que entretanto iam sendo distribuídos. Filomena Padrão, cabeça de lista por Braga do movimento/partido Nós, Cidadãos encabeçou a iniciativa, promovendo o contacto de perto com as pessoas que “acolheram com curiosidade esta nova forma de pensar a política e os problemas do país”.

Com esta iniciativa, o NC pretende aproximar as pessoas da política, apresentando-se como “alternativa credível e de verdadeira cidadania para as eleições legislativas do próximo dia 4 de outubro”.

Para Filomena Padrão, “o NC apresenta um programa de reaproximação das pessoas com a realidade política. Os problemas que atualmente o país enfrenta são problemas criados por alguns mas que afetam a generalidade da população. Daí, a necessidade urgente do envolvimento de todos para, em conjunto, pensar e tentar resolver os problemas que nos afetam a todos. Para isso, é extremamente importante o envolvimento de toda a sociedade para não acontecer o que aconteceu até aqui”, salientou a cabeça de lista pelo círculo de Braga pelo Nós, Cidadãos

Filomena Padrão e a sua equipa pretendem fomentar o emprego e a coesão social através da sustentabilidade social. Resgatar o sobreendividamento das famílias e das empresas, reformar o sistema fiscal para uma maior equidade constituem igualmente as prioridades para o distrito de Braga e, consequentemente, para o país.

Ainda durante a arruada, Filomena Padrão comprometeu-se com a criação de um “Provedor do Endividado”, em moldes semelhantes aos que se encontram definidos para o Provedor de Justiça e a agilização do processo de execução de penhora de bens imóveis, com soluções para o particular sobreendividado, que não impliquem a saída da habitação em que se encontre.

 
Total
0
Partilhas
Artigo Anterior

Monção: Ano letivo em risco a partir da próxima semana

Próximo Artigo

Fafe. Simplesmente... Fafe

Artigos Relacionados
x