Redes Sociais

Viana do Castelo

Nem o “coração fraco” impede ex-pescador de viver procissão em Viana

 a

Foto: Cristina Moreira

O coração “obrigou” Edmar Lomba a largar a faina a que entregou 59 anos de uma vida “escrava”, mas não o impede de viver com “emoção” a procissão ao mar, durante a romaria Agonia, em Viana do Castelo.

“O meu coração é fraco nesse ponto. Sinto-me emocionado. Qualquer coisinha que nos acontecesse no mar, uma pessoa lembrava-se logo da nossa padroeira, a Senhora da Agonia”, afirmou o pescador, reformado, hoje com 75 anos.

Era “moço” quando participou na primeira procissão ao mar realizada há 50 anos e, desde então, nunca “falhou”.

A procissão ao mar é um dos números mais emblemáticos da Romaria d’Agonia, mas também dos mais recentes, já que se realiza, sempre a 20 de agosto, desde 1968.

Já o culto em Viana do Castelo à padroeira dos pescadores tem a sua primeira referência escrita em 1744.

Além da Senhora da Agonia, são ainda transportadas ao rio e ao mar as imagens da Senhora de Monserrate, de São Pedro e da Senhora dos Mares.

Nas margens do Lima, milhares de pessoas concentram-se para ver e saudar a procissão de mais de uma centena de embarcações de pesca e de recreio.

Até “largar” a pesca, “por causa de problemas de coração”, Edmar Lomba “acompanhou a senhora” nos barcos dos “patrões”, mas, este ano, irá a bordo do “Tiago e Catarina”, em homenagem aos netos, a embarcação de pesca do único de quatro filhos que lhe seguiu as pisadas.

“Sou pobre, mas sou um homem de muita fé, sempre fui. Ir na procissão ao mar é como ir a Fátima. Sinto a mesma devoção”, desabafou, enquanto guardava o baralho de cartas que todas as manhãs lhe ocupa o tempo no Cantinho do Pescadores, um espaço de apoio à comunidade piscatória, criado no coração da ribeira.

Cinquenta anos depois da primeira procissão, Edmar Lomba diz que o número é “agora muito mais rico”, porque “os barcos são de melhor qualidade e porque a Nossa Senhora não subia o rio, no sentido da ponte Eiffel, até ao centro da cidade”.

“Os barcos iam até à barra e regressavam. Ora o povo está todo no centro da cidade, nas margens do rio. É uma loucura de gente a ver passar a procissão”, referiu, relembrando alguns “sustos” que se viveram nos primeiros anos daquele costume.

“Era um perigo muito grande porque naquele tempo deitavam muitos foguetes e, algumas das canas, caiam dentro dos barcos. As pessoas, com medo, tentavam fugir e os barcos adornavam. Uma vez caíram todos à água, mas não morreu ninguém”, contou.

No regresso a terra, os pescadores transportam os andores de novo à igreja situado no Campo da Agonia, passando pelas ruas da ribeira onde, durante a madrugada, foram confecionados, manualmente, os típicos tapetes de sal.

A confeção dos desenhos, gravados nas ruas com várias toneladas de sal colorido, realiza-se sempre na noite anterior ao dia da padroeira, mobilizando centenas de pessoas, sobretudo moradores daquela zona da cidade.

Nascido e criado na antiga rua do Loureiro, hoje Monsenhor Daniel Machado, no coração da ribeira de Viana onde também casou e criou os quatro filhos, Edmar Lomba diz que aquele costume já não é “como antigamente”.

“Hoje são poucos os que são filhos de pescadores. Já há pouca gente do mar”, lamentou, recordando que no seu tempo de rapaz, “a ribeira parecia uma família”.

“Havia pobreza, mas muita união”, sublinhou, apontando os 14 anos que “deu” à pesca do bacalhau como “garante do sustento que lhe permitiu comprar a casa onde, já viúvo, sobrevive com uma pequena reforma”.

Dos tempos “duros” da pesca do bacalhau, lembrou com “carinho” os 11 dias em que esteve internado no navio-hospital Gil Eannes, que prestava assistência hospitalar aos pescadores e tripulantes da frota bacalhoeira portuguesa na Terra Nova e Gronelândia.

“Ao escalar um bacalhau, a faca falhou-me e caçou-me a mão. Estive 11 dias dentro do Gil Eannes”, referiu, olhando em direção ao “Anjo Branco”, como era apelidado pelos pescadores. Está atracado na doca comercial da cidade, bem perto do “Cantinho dos Pescadores” onde Edmar Lomba, diariamente, “mata” o tempo antes do almoço e, à tarde, depois da sesta.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

BEI empresta 60 milhões para inédito parque eólico flutuante em Viana do Castelo

Investimento total de 125 milhões.

Publicado

 a

Foto: DR/Arquivo

O Banco Europeu de Investimento (BEI) concedeu hoje um empréstimo de 60 milhões de euros à Windplus, subsidiária da EDP, Repsol e Principle Power, para o funcionamento do primeiro parque eólico flutuante no mar, em Viana do Castelo.

Além do financiamento do banco da União Europeia, entram nesta fase, que prevê um investimento total de 125 milhões de euros, 29,9 milhões de euros do programa comunitário NER300, o “apoio direto de seis milhões de euros do Fundo de Carbono Português e o resto passará por investimento dos acionistas”, precisou o presidente executivo da EDP, António Mexia.

No início da cerimónia de assinatura do acordo de financiamento do Windfloat, Mexia notou que, no lançamento deste projeto, “muita gente acharia que o destino [do projeto] era flutuar, mas no fundo do mar”, tendo-se provado agora o contrário quando se entra na segunda fase do processo.

A primeira fase passou por verificar se a estrutura “iria sobreviver”, ao longo de cinco anos, aos mais de 15 metros de ondas da zona de Viana do Castelo. Nessa altura estavam envolvidas 210 pessoas, mais de 60 fornecedores, dois megawatts de potência instalada e um investimento de 23 milhões de euros.

Agora, o projeto por três anos, vai envolver mais de 450 pessoas qualificadas, um investimento de 125 milhões de euros e 25 megawatts de potência instalada.

As turbinas passam de dois megawatts para outras de 8,4 megawatts, que medem, desde o mar até à ponta da sua lâmina, 210 metros, ou seja, dois campos de futebol.

Mexia apresentou o WindFloat como um “projeto absolutamente pioneiro e inovador a nível mundial, no que diz respeito à energia renovável ‘offshore’ [no mar]”, já que em causa está a “tecnologia mais desenvolvida e mais competitiva da utilização do vento em mar e em sítios com profundidade, que impedem a utilização de estacas no fundo mar”.

Entre outras vantagens do projeto está o facto de “não deixar rasto”, ao serem utilizadas plataformas flutuantes.

Marcaram presença na cerimónia a ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, e o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, que desde segunda-feira também assumiu a Transição Energética.

Esteve igualmente presente o novo secretário da Energia, João Galamba, empossado na quarta-feira, em substituição de Jorge Seguro Sanches, no âmbito de uma remodelação governamental.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Viana do Castelo

José Maria Costa participa no maior encontro de autarcas do mundo

Global Parliament of Mayors Summit.

Publicado

 a

Foto: DR/Arquivo

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) convidou o presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, a participar no Global Parliament of Mayors Summit, o maior encontro de autarcas de todo o mundo, que decorrerá em Bristol, Inglaterra, entre 21 e 23 de outubro.

O evento vai juntar uma centena de presidentes de Câmara dos vários continentes, que terão como foco central os desafios globais da humanidade: a migração, a segurança das cidades e a saúde da população. Os participantes irão apresentar as suas experiências no relacionamento e tratamento destas questões, de forma a definirem uma política nacional e internacional para as referidas problemáticas.

“Estar no grupo de Bristol é uma oportunidade para apresentarmos o nosso trabalho, as nossas ideias e partilhar informação e conhecimento, promovendo a coesão e a preparação do futuro. As exigências da governação local são um desafio comum a todos os autarcas. Por isso, é com satisfação que vejo Viana do Castelo representada neste grupo de trabalho restrito”, disse o autarca socialista.

Para este encontro, a OCDE escolheu para debate a questão das migrações, da segurança urbana e da saúde pública. O objetivo é conhecer como os líderes das cidades encaram e lidam com estas questões. A troca de experiências de boas práticas e o debate permitirão que todos os participantes se comprometam, ativamente, a trabalhar juntos na promoção de mudanças e na melhoria da vida das populações.

O Global Parliament of Mayors Summit é um órgão de governação de autarcas de todos os continentes. Tem como base a experiência, o conhecimento e a liderança dos autarcas na solução dos desafios locais resultantes de problemas globais. É realçado e valorizado o conhecimento local, de forma a permitir que os autarcas participem ativamente nos debates sobre estratégia global. O formato da cúpula é pioneiro no mundo, atuando como um Parlamento global, no qual os participantes debatem intensamente os assuntos antes de votarem decisões e compromissos importantes.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Viana do Castelo

GNR apreende meia tonelada de amêijoa em Viana

Um suspeito foi identificado.

Publicado

 a

A Unidade de Controlo Costeiro da GNR apreendeu, na madrugada de hoje, em Viana do Castelo, 514 quilos de amêijoa japonesa, (Ruditapes Philippinarum), com o valor presumível de 4.630 euros, informou aquela força policial.

Em comunicado, aquela unidade da GNR ter identificado um homem e elaborado um auto de contraordenação.

A apreensão, realizada pelo Destacamento de Controlo Costeiro de Matosinhos resultou de uma operação de “fiscalização rodoviária que visaram as condições do transporte e o controlo da captura e comércio ilegal de bivalves”.

A Unidade de Controlo Costeiro da GNR adiantou que a ação visa “salvaguardar a proteção das espécies e a segurança alimentar, os militares detetaram o transporte sem o documento obrigatório de registo de moluscos bivalves, gastrópodes marinhos, equinodermes e tunicados vivos, comprometendo assim a rastreabilidade da mercadoria fiscalizada.

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Continuar a ler

Populares