Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Nem o “coração fraco” impede ex-pescador de viver procissão em Viana

em

Foto: Cristina Moreira

O coração “obrigou” Edmar Lomba a largar a faina a que entregou 59 anos de uma vida “escrava”, mas não o impede de viver com “emoção” a procissão ao mar, durante a romaria Agonia, em Viana do Castelo.

“O meu coração é fraco nesse ponto. Sinto-me emocionado. Qualquer coisinha que nos acontecesse no mar, uma pessoa lembrava-se logo da nossa padroeira, a Senhora da Agonia”, afirmou o pescador, reformado, hoje com 75 anos.

Era “moço” quando participou na primeira procissão ao mar realizada há 50 anos e, desde então, nunca “falhou”.

A procissão ao mar é um dos números mais emblemáticos da Romaria d’Agonia, mas também dos mais recentes, já que se realiza, sempre a 20 de agosto, desde 1968.

Já o culto em Viana do Castelo à padroeira dos pescadores tem a sua primeira referência escrita em 1744.

Além da Senhora da Agonia, são ainda transportadas ao rio e ao mar as imagens da Senhora de Monserrate, de São Pedro e da Senhora dos Mares.

Nas margens do Lima, milhares de pessoas concentram-se para ver e saudar a procissão de mais de uma centena de embarcações de pesca e de recreio.

Até “largar” a pesca, “por causa de problemas de coração”, Edmar Lomba “acompanhou a senhora” nos barcos dos “patrões”, mas, este ano, irá a bordo do “Tiago e Catarina”, em homenagem aos netos, a embarcação de pesca do único de quatro filhos que lhe seguiu as pisadas.

“Sou pobre, mas sou um homem de muita fé, sempre fui. Ir na procissão ao mar é como ir a Fátima. Sinto a mesma devoção”, desabafou, enquanto guardava o baralho de cartas que todas as manhãs lhe ocupa o tempo no Cantinho do Pescadores, um espaço de apoio à comunidade piscatória, criado no coração da ribeira.

Cinquenta anos depois da primeira procissão, Edmar Lomba diz que o número é “agora muito mais rico”, porque “os barcos são de melhor qualidade e porque a Nossa Senhora não subia o rio, no sentido da ponte Eiffel, até ao centro da cidade”.

“Os barcos iam até à barra e regressavam. Ora o povo está todo no centro da cidade, nas margens do rio. É uma loucura de gente a ver passar a procissão”, referiu, relembrando alguns “sustos” que se viveram nos primeiros anos daquele costume.

“Era um perigo muito grande porque naquele tempo deitavam muitos foguetes e, algumas das canas, caiam dentro dos barcos. As pessoas, com medo, tentavam fugir e os barcos adornavam. Uma vez caíram todos à água, mas não morreu ninguém”, contou.

No regresso a terra, os pescadores transportam os andores de novo à igreja situado no Campo da Agonia, passando pelas ruas da ribeira onde, durante a madrugada, foram confecionados, manualmente, os típicos tapetes de sal.

A confeção dos desenhos, gravados nas ruas com várias toneladas de sal colorido, realiza-se sempre na noite anterior ao dia da padroeira, mobilizando centenas de pessoas, sobretudo moradores daquela zona da cidade.

Nascido e criado na antiga rua do Loureiro, hoje Monsenhor Daniel Machado, no coração da ribeira de Viana onde também casou e criou os quatro filhos, Edmar Lomba diz que aquele costume já não é “como antigamente”.

“Hoje são poucos os que são filhos de pescadores. Já há pouca gente do mar”, lamentou, recordando que no seu tempo de rapaz, “a ribeira parecia uma família”.

“Havia pobreza, mas muita união”, sublinhou, apontando os 14 anos que “deu” à pesca do bacalhau como “garante do sustento que lhe permitiu comprar a casa onde, já viúvo, sobrevive com uma pequena reforma”.

Dos tempos “duros” da pesca do bacalhau, lembrou com “carinho” os 11 dias em que esteve internado no navio-hospital Gil Eannes, que prestava assistência hospitalar aos pescadores e tripulantes da frota bacalhoeira portuguesa na Terra Nova e Gronelândia.

“Ao escalar um bacalhau, a faca falhou-me e caçou-me a mão. Estive 11 dias dentro do Gil Eannes”, referiu, olhando em direção ao “Anjo Branco”, como era apelidado pelos pescadores. Está atracado na doca comercial da cidade, bem perto do “Cantinho dos Pescadores” onde Edmar Lomba, diariamente, “mata” o tempo antes do almoço e, à tarde, depois da sesta.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Viana do Castelo

Moullinex e Xinobi atuam no FeelViana em formato b2b

Concerto marcado para 01 de junho em Viana do Castelo

em

Foto: DR

Nomes incontornáveis da eletrónica portuguesa, Moullinex e Xinobi estão de regresso a Viana do Castelo no dia 1 de junho, para mais uma edição de “Sunsets by the Pool”, com uma atuação que marca o primeiro evento musical da temporada de 2019.

Os “Sunsets by the Pool”, dinamizados pela marca FeelViana, contam, este ano, com um b2b dos dois artistas.

Os músicos, que se juntaram em 2007 para trazer uma nova vida à música eletrónica portuguesa com a criação da editora Discotexas, contam já com uma projeção pelo mundo, e trabalharam e remisturaram nomes como Røyksopp, Cut Copy, Two Door Cinema Club, SBTRKT, Toro Y Moi, Nicolas Jaar e Riva Starr.

Os bilhetes são limitados e encontram-se disponíveis online através da plataforma xceed.

O evento “Sunsets by the Pool – Moullinex & Xinobi” tem lugar dia 1 de junho, no FeelViana Sport Hotel entre as 18:00 e as 22:00.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Viana Florida: Feira das Flores e Jardinagem decorre durante três dias no jardim público

Várias iniciativas

em

Foto: DR/Arquivo

A edição 2019 da Feira de Flores e Jardinagem, integrada no programa municipal Viana Florida, vai decorrer entre a próxima sexta-feira e domingo no jardim público de Viana do Castelo, informou hoje a Câmara local.

A feira, que abre portas na sexta-feira, às 18:00, integra várias iniciativas como um ‘showcooking’, intitulado “Aromatizar refeições práticas”, e ‘workshops’ sobre flores e plantas.

A feira conta ainda com música, pelo grupo “Viana Vocale”, no coreto do jardim público, bem como atividades infantis, como insufláveis, pinturas faciais, entre outras.

Ainda no sábado o programa inclui, no Mercado Municipal, um ‘workshop’ sobre arte floral, um roteiro pelos jardins da cidade e, pelas 16:00, no Estação Viana Shopping, a inauguração da instalação artística “Natureza em Suspenso”, de Madalena Martins.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Câmara de Viana atribui apoio anual de quase 300 mil euros a 26 associações

Protocolos

em

Foto: CM Viana do Castelo/Divulgação

A Câmara Municipal de Viana do Castelo informou hoje ter assinado protocolos na área social que implicam um apoio anual de quase 300 mil euros a ser distribuído por 26 associações ou juntas de freguesia do concelho.

Os acordos, assinados pelo autarca José Maria Costa e a pela vereadora com o pelouro da Coesão Social, Carlota Borges, representam “um apoio mensal global superior a 24 mil euros por parte da autarquia”.

Os protocolos “preveem, entre outros, apoios para a comparticipação de rendas e transportes de utentes, comparticipação das despesas com programas de reabilitação e administração de centros de convívio, apoiando igualmente necessidades específicas e pontuais de famílias sinalizadas”.

O município vai “também apoiar a prestação de serviços de alimentação e higiene a munícipes carenciados e apoiar o financiamento de Projetos de Intervenção Comunitária, entre outros”.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Patrocinado

Reportagens da Semana

Populares