Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Navio russo ancorado em Viana por falta de autorização da Enercon para carregar

Sanção de empresa alemã por causa da guerra

em

Embarcação ia carregar pás eólicas. Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

Um navio russo está ancorado à entrada do porto de Viana do Castelo porque a empresa fornecedora alemã não lhe deu permissão para levantar a carga. Em causa as sanções impostas à Rússia após a ofensiva militar sobre a Ucrânia.

A embarcação “vinha carregar pás eólicas e a Enercon, empresa com sede na Alemanha, deu instruções à filial de cá para não carregar”, explica a O MINHO o capitão do Porto de Viana e comandante da Polícia Marítima, Rui da Silva Lampreia.

Como o armador não tinha autorização para carregar e havia condições para o barco ficar fundeado (ancorado) à entrada do Porto, ali está já desde o passado dia 28 de fevereiro. “O armador deu indicações ao comandante do navio para não entrar no porto e permanecer no fundeador”, explicou.

Para já, a situação “está dependente do contexto internacional”, sendo que o armeiro está a fazer todos os esforços para levantar a carga. “Está a fazer tentativas para mudar o estado de bandeira do navio, mas tal não é adequado no atual contexto”, explica Rui Lampreia da silva.

O responsável adiantou que a permanência do navio à entrada do porto de Viana do Castelo vai depender do estado do mar, uma vez que a partir das 18:00 e até às 21:00 de sexta-feira as previsões apontam para o agravamento da agitação marítima, com ondas de quatro a cinco metros de altura.

Foto: Joca Fotógrafos / O MINHO

“Por questões de segurança poderei ter de determinar o afastamento do navio, para não se correrem riscos, [como] por exemplo o de se partir a amarra e o navio não ter tempo de reagir e dar à costa. Há vários fatores que têm de ser analisados em função das circunstâncias ambientais que também são relevantes”, sustentou Silva Lampreia.

Contactada pela Lusa, fonte da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) disse que, “neste momento, não existe nenhuma orientação no sentido de impedir a entrada ou saída de qualquer embarcação, seja de que nacionalidade for”.

“Por razões de segurança a embarcação recebeu água e combustível, por não haver indicações em contrário”, referiu a fonte, adiantando que as “questões comerciais” ultrapassam a administração da APDL.

A Rússia lançou no dia 24 de fevereiro uma ofensiva militar na Ucrânia, com forças terrestres e bombardeamento de alvos em várias cidades, que já mataram mais de 350 civis, incluindo crianças, segundo Kiev. A ONU deu conta de mais de 100 mil deslocados e quase 500 mil refugiados na Polónia, Hungria, Moldova e Roménia.

O presidente russo, Vladimir Putin, disse que a “operação militar especial” na Ucrânia visa desmilitarizar o país vizinho e que era a única maneira de a Rússia se defender, precisando o Kremlin que a ofensiva durará o tempo necessário.

O ataque foi condenado pela generalidade da comunidade internacional e a União Europeia e os Estados Unidos, entre outros, responderam com o envio de armas e munições para a Ucrânia e o reforço de sanções para isolar ainda mais Moscovo.

Notícia atualizada às 11h55 com mais informação.

Populares