Seguir o O MINHO

Futebol

“Não é por estas derrotas que vamos baixar os braços”

Micael Sequeira

em

Foto: DR

Declarações à ‘flash interview’ após o encontro SC Braga-Boavista (0-1), da 26.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol:

– Micael Sequeira (treinador adjunto do SC Braga): “Faltou dar continuidade ao que estávamos a fazer nos primeiros 30 minutos, em que controlámos o adversário e não permitimos grandes contra-ataques. Estivemos bem a anular as suas referências, criámos duas ou três situações boas, mas, infelizmente, não marcámos, não fomos eficientes.

Dominámos toda a primeira parte e acabemos por cima. Na segunda parte, até ao penálti, também controlámos, e depois tivemos menos paciência para circular, esperar pelo espaço, e não criámos as situações que precisávamos para finalizar.

(Sobre a fase final do jogo) Faltou circular mais a bola, procurar o espaço. O Boavista tem mérito, porque defendeu bem e foi uma equipa agressiva. Temos de reagir, acreditar no processo e preparar o próximo jogo.

(Sobre as duas derrotas após a paragem) Não foi uma má paragem. Não entrámos bem e temos de assumir, mas temos de olhar para a frente, acreditar no trabalho, nos jogadores. Tenho a certeza que vamos reagir de uma forma positiva.

Esta equipa tem jogadores mentalmente muito fortes. Tivemos um período com 10 jogos sem perder e os jogadores não se deixaram iludir. Não é por estas derrotas que vamos baixar os braços. Vamos reagir e estar à altura”.

– Daniel Ramos (treinador do Boavista): “(A vitória) assenta no rigor, no saber sofrer, no perceber que o jogo seria diferente em relação ao último [com o Moreirense], e termos mais bola e domínio, perante uma equipa do Braga que tem outros recursos.

Tentámos ser assertivos, com confiança, jogar sempre que possível e fazer aproximações à baliza contrária com perigo, o que não conseguimos tantas vezes como queríamos.

Fomos uma equipa rigorosa, determinada e unida, muito unida, e estou satisfeito pelo resultado e pelo que fomos como equipa.

Fechámos muito bem o espaço interior. A colocação dos nossos dois médios, e dos três homens da frente, a reduzir o espaço interior, obrigou o Braga a jogar por fora. Tínhamos sempre cinco jogadores [nas alas], mais três centrais por dentro, e anulámos essa grande arma do Braga, o jogo interior, principalmente pelos três avançados.

Reduzimos em muito a grande força do Braga, que não criou tantas oportunidades como é costume. Foi sinal de que o lado estratégico resultou, e fomos premiados.

(Sobre a primeira vitória em casa do SC Braga em 18 anos) Não sabia, mas é um registo. Fica para a história. É com satisfação que ganhámos neste estádio pela primeira vez. Depois de uma grande exibição no último jogo, e não levarmos pontos, hoje levámos três e passámos os 30, que é uma grande barreira. Teremos a mesma ambição nos jogos que faltam”.

– Paulinho (jogador do SC Braga): “Hoje não foi o nosso melhor jogo, mas fomos a melhor equipa. Não criámos tantas ocasiões como é costume, também por mérito do adversário, mas fomos a melhor equipa e o empate seria, no mínimo, o mais justo.

(Sobre as duas derrotas após a paragem) Temos de dar a volta. Antes dos 10 jogos que tivemos sem perder, também estávamos numa posição que não queríamos e chegámos ao terceiro lugar. Temos mais jogos e só dependemos de nós.

(Sobre o jogo da próxima jornada com o Famalicão) No Braga, todos os jogos são vitais. Não é aí que se decide nada, mas queremos ganhar, como queríamos ganhar hoje”.

– Cassiano (jogador do Boavista): “É uma vitória do grupo. Estou muito feliz e contente pelo jogo que fizemos, pelo que demonstrámos. Os adeptos estão longe, mas a dar energia positiva.

Fizemos um grande jogo com o Moreirense e o resultado não foi o que demonstrámos, mas sabemos da nossa qualidade. Na retoma, trabalhámos muito e evoluímos.

Atingir essa marca [os 32 pontos] é muito importante, mas temos equipa para mais. Vamos continuar a trabalhar muito para conseguirmos mais resultados”.

EM FOCO

Populares