Seguir o O MINHO

Braga

Museus D. Diogo de Sousa e Biscainhos, em Braga, receberam 28 mil visitantes

Desde janeiro

em

Museu dos Biscainhos. Foto: DR / Arquivo

As duas referências museológicas da cidade de Braga receberam, de janeiro a agosto deste ano, 28.320 visitantes ou utilizadores. Os principais usufrutuários dos museus são turistas espanhóis, franceses e portugueses. “Os residentes em Braga são sobretudo utilizadores dos museus, ou seja usufruem de atividades ou serviços, mais do que de visitas, ainda que se note um número maior de famílias que aproveita a gratuitidade dos domingos, para visitar”, afirma Isabel Silva, diretora dos dois museus, a O MINHO.

O Museu D. Diogo de Sousa, repositório de inúmeros achados arqueológicos descobertos nas escavações de Bracara Augusta, foi o mais concorrido, contando com a presença de 17.175 usufrutuários, durante o decorrer do ano. O Museu dos Biscainhos, símbolo do barroco, acolheu 11.145 visitas.

“Qualquer um dos museus é emblemático, respetivamente da ocupação romana e da expressão artística e social do Barroco, na região. Braga sempre teve uma centralidade, que se impôs ao longo da história. As coleções são muito significativas e culturalmente representativas e transcendem a importância local. Isto é, são uma referência no contexto da Península e da Europa”, afirma Isabel Silva, sobre a relevância cultural do espólio musealizado nos dois núcleos.

A pandemia provocou quebras significativas no número de visitantes e utilizadores dos museus, com estimativas a rondar os 70%, mas “sobretudo julho e agosto trouxeram alguma retoma, ainda muito longe dos anos anteriores”, acrescenta a diretora dos museus.

O parco financiamento dos museus é uma realidade transversal a todo país e, no caso dos ex-líbris museológicos de Braga, manifesta-se em carências “sobretudo ao nível de pessoal e manutenção dos imóveis”.

“Os museus há décadas que deixaram de ter autonomia administrativa e financeira. As verbas geradas são canalizadas para o Ministério das Finanças que centraliza a receita”, conclui Isabel Silva.

EM FOCO

Populares