Seguir o O MINHO

Região

Municípios do Baixo Tâmega reivindicam descontos na A4

Incluindo Celorico de Basto, no Minho

em

Túnel do Marão, A4. Foto: DR

A Associação de Municípios do Baixo Tâmega (AMBT) reivindica ao Governo descontos nas portagens da Autoestrada 4 (A4), como “medida de discriminação positiva”, de acordo com um ofício enviado à ministra da Coesão Territorial, Ana Abrunhosa.

“Tendo em conta que a proposta de Orçamento de Estado pede autorização ao parlamento para favorecer a promoção do investimento nas regiões de baixa densidade, vem a Associação de Municípios do Baixo Tâmega sensibilizar V/ Exa. e o Governo para a necessidade imperiosa de alargar a toda a extensão da A4 os descontos nas portagens para residentes e visitantes”, lê-se no ofício hoje divulgado pelos municípios.

Segundo a missiva da AMBT, associação que compreende as câmaras de Amarante, Baião, Celorico de Basto, Marco de Canaveses e Resende, impõe-se “sensibilizar” o Governo “para a importância da inclusão deste território na definição do novo modelo das portagens para o interior do país, em preparação, com descontos para quem vive, trabalha e visita estes territórios”.

“A região do Baixo Tâmega, com uma população residente de cerca de 160.000 habitantes, é na sua maioria território de baixa densidade. Embora situada a poucos quilómetros da Área Metropolitana do Porto, [a região] apresenta, face à média nacional e do norte de Portugal, indicadores negativos, pelo que medidas de discriminação positiva para este território terão sempre um efeito positivo para o seu desejado progresso”, lê-se na carta.

Assinala-se também que, naqueles concelhos, “para que os seus residentes tenham acesso a diferentes serviços e/ou equipamentos subsistem ainda demasiados custos associados à interioridade, como é, por exemplo, o acesso aos hospitais de Penafiel ou do Porto, a serviços descentralizados, ou mesmo a serviços culturais e de lazer localizados nos grandes centros urbanos”.

Para a AMBT, “não menos importantes são os custos de contexto das empresas localizadas nestes territórios e que, na sua relação com clientes externos, são penalizados diariamente com os custos nas portagens”.

Para aqueles municípios, “os pressupostos da Portaria 328-A/2018, de 19 de dezembro continuam a ser um instrumento importante, mas com as devidas alterações, como a inclusão de todo o traçado da A4, colocando desta forma a região em pé de igualdade com os utilizadores, por exemplo, da A28, uma vez que esta infraestrutura termina no Porto, tal como a A4”.

A AMBT defende, também, “o alargamento a todos os veículos sem exceção, através dos descontos de quantidade e descontos nos dias de descanso”.

Anúncio

Braga

DGS implementa plano sanitário em lar de Braga. Há 11 mortos em lares no concelho

Covid-19

em

Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

A comissão, composta pela delegação de saúde, proteção civil municipal, segurança social e Cruz Vermelha – que gere a evolução da pandemia do coronavírus no concelho de Braga – vai implementar um plano de contingência no lar da Irmandade de Santa Cruz, onde já faleceram duas pessoas e há registo de vários infetados com covid-19.

Fonte ligada ao processo disse a o MINHO que o plano, que hoje começou com uma operação de desinfeção a cargo dos Bombeiros Sapadores de Braga, é semelhante ao que foi aplicado no lar do Asilo de São José, implicando a separação total entre utentes e funcionários, e o isolamento dos idosos que tenham sintomas da doença ou esperam o resultado de testes de despistagem.

É liderado pelo delegado de saúde, cabendo à proteção civil da Câmara a sua concretização no plano logístico.

21 óbitos

Entretanto, Braga registava, até ontem, 21 óbitos por coronavírus, 11 dos quais eram utentes de quatro lares, .

Uma fonte contactada por O MINHO referiu que, faleceram seis pessoas que estavam internadas no Asilo de São José, duas na Resisénior, duas outras no lar da Irmandade de Santa Cruz e uma no lar da paróquia de Ferreiros.

A crescentou que, na generalidade, e depois de medidas de confinamento interno tomadas pela Delegação de Saúde de Braga, com a colaboração da Proteção Civil municipal e da Segurança Social, a situação estabilizou em todos eles.

Mas, em Braga, não há só falecimentos, nem notícias trágicas: um cidadão de 84 anos, que fora internado no Hospital local com a infeção, conseguiu vencer a doença, tendo sido considerado curado. Não teve, ainda, alta hospitalar porque tem um problema numa perna, que carece de tratamento médico autónomo.

Outro caso positivo é o do Lar de Conde de Agrolongo. Depois do surgimento de uma funcionária com a covid-19, que terá contraído em contacto familiar, a direção do organismo tomou todas as medidas profiláticas indicadas pela Delegação de Saúde, de tal modo que, quinze dias depois, nenhum dos 180 idosos que alberga ficou infetado.

Continuar a ler

Ave

Professora de Celorico de Basto morre com covid-19 aos 40 anos

Covid-19

em

Foto: Facebook

Uma professora de 40 anos, natural de Celorico de Basto, perdeu a vida na sequência de complicações de saúde agravadas pela infeção de covid-19, confirmou O MINHO junto de fonte da família.

Áurea Sofia Silva, natural da freguesia de Agilde, onde foi sepultada na passada terça-feira, terá sido internada no passado dia 25 de março, no Hospital de São João, no Porto, depois de ter sintomas graves provocados pelo vírus SARS CoV 2.

A professora de ciências e matemática numa escola de Matosinhos padecia de uma doença crónica autoimune, entre outras complicações de saúde e já tinha tido complicações respiratórias no início do mês de março, antes de ter testado positivo para o vírus.

Quatro dias antes de ter sido internada, Áurea Silva recorreu a um conhecido grupo das redes sociais onde profissionais de saúde esclarecem dúvidas dos utilizadores para procurar auxílio para o marido, que estava com febre.

A própria referiu que, dias antes, o marido tinha realizados testes para o covid-19, mas que este tinha dado negativo.

Celorico de Basto tem oito casos confirmados de infetados com covid-19, mais um do que ontem, segundo o relatório de hoje divulgado pela Direção-Geral da Saúde.

Braga, com 521 (+98 do que ontem) casos confirmados, Famalicão com 168 (+14) e Guimarães com 161 (+12) são os concelhos da região do Minho mais atingidos pela pandemia.

Existem 1.340 casos confirmados no Minho, mais 149 do que ontem.

Continuar a ler

Alto Minho

Presidente da Câmara de Viana doa salário para ajudar sem-abrigo e pobres

Covid-19

em

Foto: Divulgação / Arquivo

O presidente da Câmara de Viana do Castelo disse hoje que vai dar o seu salário de abril, de 2.500 euros líquidos, ao refeitório da paróquia de Nossa Senhora de Fátima, que serve diariamente cerca de 200 refeições.

No comunicado enviado às redações a informar da decisão de entregar o vencimento deste mês, o socialista José Maria Costa destaca “o trabalho do refeitório social do Centro Social e Paroquial de Nossa Senhora de Fátima, liderado pelo pároco Artur Coutinho, que serve diariamente cidadãos sem-abrigo e com extrema fragilidade económica”.

Em março, por proposta da maioria socialista, o executivo municipal aprovou, por unanimidade, “um apoio extraordinário de 20 mil euros” a esta instituição particular de solidariedade social, “cujo refeitório social está a servir cerca de 200 refeições por dia”.

Esta valência do Centro Social e Paroquial foi criada em 1990, inicialmente num espaço com capacidade para servir 36 utentes, que ali recorrem para ir buscar o almoço ou o jantar.

As novas instalações, num investimento de cerca de 250 mil euros, construídas com verbas do Centro Social da paróquia e com apoio da autarquia e do Centro Distrital da Segurança Social, abriram em agosto 2019, para responder ao aumento do número utentes que a antiga estrutura não tinha capacidade.

A paróquia de Nossa Senhora de Fátima, com outras valências de apoio social à infância, juventude e terceira idade, foi fundada 08 de dezembro de 1967, e o Centro Social surgiu em 1982. Tem atualmente cerca de 60 trabalhadores.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 1,5 milhões de pessoas em todo o mundo, das quais morreram quase 94 mil.

Dos casos de infeção, mais de 316 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Em Portugal, segundo o balanço feito hoje pela Direção-Geral da Saúde, registaram-se 409 mortes, mais 29 do que na véspera (+7,6%), e 13.956 casos de infeções confirmadas, o que representa um aumento de 815 em relação a quarta-feira (+6,2%).

Dos infetados, 1.173 estão internados, 241 dos quais em unidades de cuidados intensivos, e há 205 doentes que já recuperaram.

 

Notícia atualizada às 23h19 com mais informação.

Continuar a ler

Populares