Seguir o O MINHO

Região

Municípios do Alto Minho definem limites da Área Protegida na Serra d’Arga

Caminha, Vila Nova de Cerveira, Viana do Castelo e Ponte de Lima

em

Foto: DR/Arquivo

Os municípios de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Viana do Castelo e Ponte de Lima vão reunir-se nas próximas semanas para definir os limites da Área de Paisagem Protegida de Interesse Municipal que pretendem criar na Serra d’Arga.

Em declarações, hoje à agência Lusa, o coordenador do projeto “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora”, que envolve os quatro municípios do distrito de Viana do Castelo, Guilherme Lagido, adiantou que, “na primeira reunião formal das quatro autarquias, que decorrerá ainda este mês ou no início de outubro, além da delimitação da área a proteger será apreciado o regulamento que a regerá”.

“Será a primeira reunião formal de um processo que ainda vai demorar algum tempo. Os dois documentos finais, um relativo à delimitação da área e, o outro, ao regulamento, terão ainda de ser submetidos à apreciação das respetivas câmaras e assembleias municipais”, especificou Guilherme Lagido.

O responsável, que é também vice-presidente da Câmara de Caminha, explicou que a criação daquela área protegida resulta de um estudo realizado, entre 2017 e 2019, pelas empresas Território XXI, Floradata, Wenature, Miew Creative Studio, no âmbito de uma candidatura de Caminha, Viana do Castelo e Ponte de Lima a fundos do Norte 2020, no valor de 350 mil euros.

“A constituição da área protegida não é uma consequência da exploração de lítio em Portugal, mas antes o resultado da necessidade que os municípios sentiam de preservar e valorizar aquele território. Obviamente que preservar passa por não permitir que se estrague, nomeadamente, pela extração de lítio”, frisou.

O antigo diretor do Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG), informou que, inicialmente, o concelho de Vila Nova de Cerveira, concretamente a freguesia de Covas com área integrada na Serra d’Arga, não estava incluída no projeto, integração que, entretanto, formalizou.

“Sei que o município de Vila Nova de Cerveira já avançou com os estudos para integrar a criação da área protegida”, especificou, sublinhando que será um processo que terá um acompanhamento, bem de perto, do Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF).

Segundo Guilherme Lagido, “há vários anos que os municípios tinham intenção em classificar a Serra d’Arga, intenção que ganhou agora forma e acuidade com as conclusões do estudo realizado naquela zona”.

“Até agora não havia uma consciência concreta do património que lá existia. Este levantamento veio dar uma verdadeira noção do valor que ali está encerrado”, destacou.

No caso do distrito de Viana do Castelo, e segundo dados do coordenador do projeto “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora”, a Serra d’Arga abrange uma área de 10 mil hectares, dos quais 4.280 hectares encontram-se classificados como Sítio de Importância Comunitária.

Naquela área, “cerca de 90% dos 10 mil hectares da Serra d’Arga distribuem-se pelos concelhos de Caminha e Viana do Castelo, 8% no concelho de Ponte de Lima e os restantes 2% em Vila Nova de Cerveira.

O projeto “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora” foi apresentado publicamente em junho.

Na altura, Guilherme Lagido explicou que o “valor patrimonial” da Serra d’Arga “é de tal modo elevado, o conhecimento agora existente é de tal modo avançado”, que se tornou necessário “criar um mecanismo de proteção desse património”.

“É um bocado como arranjar uma arca que guarde esta joia que nós aqui temos. É firme determinação dos municípios avançar para esta classificação. Temos instrumentos como nunca tivemos para defender este território e, de forma abalizada, feitos por pessoas altamente credenciadas, ligadas às universidades, estudiosos, de elevado respeito científico e intelectual”, reforçou.

O projeto “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora”, “incide sobre o território classificado como Sítio de Importância Comunitária da Rede Natura 2000 Serra d’Arga, correspondendo a uma área com 4.493 hectares, totalmente inserida na sub-região do Alto Minho, e cuja conservação florística e faunística é imperativa”.

O projeto intermunicipal implicou um estudo entre o vale do Âncora e o maciço serrano, que incluiu o levantamento das espécies existentes.

A investigação permitiu ainda fazer “o levantamento do património construído, mais de 600 exemplares, entre igrejas, cruzeiros, alminhas, moinhos, fontanários”.

Foram efetuados atlas da flora, fauna e geologia, o inventário do património material, trilhos suportados por novas tecnologias através de uma aplicação móvel (app), um vídeo promocional e um documentário, reunidos numa página na Internet criada para o projeto.

Em julho, o Governo decidiu “excecionar” o sítio Rede Natura 2000 Serra d’Arga do conjunto de áreas a integrar no concurso para a prospeção de lítio.

Anúncio

Braga

Casal ferido após despiste na variante em Braga

Variante Sul

em

Foto: O MINHO

Um homem e uma mulher sofreram ferimentos na sequência de um despiste rodoviário na variante Sul de Braga, na tarde deste sábado.

Ao que apurámos, a viatura terá entrado em despiste, colidindo com um dos separadores de cimento laterais.

Foto: O MINHO

Uma das vítimas terá perdido a consciência na sequência do embate, mas acabou por recuperar os sentidos.

No local estiveram dois operacionais dos Bombeiros Sapadores de Braga e a equipa médica da VMER de Braga.

Foto: O MINHO

GNR e Brisa (concessionária da via rápida) registaram a ocorrência.

Continuar a ler

Região

Prisão preventiva para cinco dos sete detidos por roubo a idosos em Braga e Viana

Atuaram em outros onze distritos do país

em

GNR / Tribunal de Famalicão. Foto: O MINHO (Arquivo)

Cinco das sete pessoas detidas, na quarta-feira, por suspeita da prática de 197 crimes de roubo e furto qualificado a idosos ficaram em prisão preventiva, segundo a Guarda Nacional Republicana (GNR). Atuaram em 13 distritos do país, entre os quais Braga e Viana do Castelo.

Em comunicado, a GNR explica que os detidos foram presentes ao Tribunal Judicial de Sintra na sexta-feira, tendo sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva a cinco deles e apresentações semanais a um outro.

As sete pessoas foram detidas em Lisboa e em Évora por suspeitas da prática de 197 crimes de roubo e furto qualificado na sequência de uma operação realizada em 13 distritos do continente, segundo a GNR.

Os suspeitos, quatro mulheres e três homens com idades entre os 26 e os 63 anos, foram detidos pela Unidade de Intervenção, através da Secção de Informações e Investigação Criminal.

Na origem das detenções está uma investigação a vários crimes que ocorreram em 13 distritos de Portugal continental – Aveiro, Braga, Castelo Branco, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Portalegre, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

“Os suspeitos estão indiciados em 197 crimes, designadamente 63 por roubo, 102 por furto qualificado, 23 por furto simples e nove por violência após subtração, em que as vítimas eram predominantemente pessoas idosas, em situação vulnerável, encontrando-se habitualmente sozinhas nas suas habitações”, adianta a GNR.

A GNR deu cumprimento a 12 mandados de busca domiciliária.

No âmbito desta investigação, os militares da guarda já tinham anteriormente detido 14 pessoas, das quais 10 estão em prisão preventiva e três com apresentações no posto policial da área de residência.

Na operação participaram elementos da Direção de Investigação Criminal da GNR, dos Comandos Territoriais da GNR de Lisboa, Setúbal, Santarém e Évora, bem como da Polícia de Segurança Pública nas áreas de responsabilidade onde decorreram as diligências (Lisboa e Évora).

Continuar a ler

Ave

Papa Francisco abençoou paróquias de Fafe

Vaticano

em

Foto: Divulgação / Paróquia de Fafe

Um grupo de dez padres do arciprestado de Fafe foi recebido, na passada quarta-feira, pelo Papa Francisco, no Vaticano, durante uma peregrinação daqueles sacerdotes a Roma.

De acordo com nota divulgada pela paróquia de Fafe, os párocos receberam uma bênção apostólica do Santo Padre para o ministério sacerdotal, sendo a mesma extensível às comunidades paroquiais que os padres representam. Em troca, o Papa Francisco recebeu algumas ofertas, entre elas uma Cruz da Misericórdia.

Nesses dias, os dez párocos ficaram alojados no Pontificio Colégio Português, onde residem os padres Pedro Daniel e José Miguel, que durante alguns anos trabalharam em Fafe.

A comitiva fafense foi ainda acompanhada pelo monsenhor Ferreira da Costa, sacerdote bracarense ao serviço da Santa Sé, conhecendo vários espaços mais reservados do Vaticano, como o túmulo de são Pedro, na cripta dos Papas.

Tiveram ainda oportunidade de celebrar uma missa junto ao túmlo de Paulo VI, primeiro Papa a visitar Portugal.

Continuar a ler

Populares