Seguir o O MINHO

Viana do Castelo

Mulher grita durante discurso de Costa em Viana: “Não ao lítio. Vendidos. Portugal não está à venda”

Na cerimónia que assinalou a chegada do comboio elétrico à cidade

em

Foto: Gentilmente cedida por "Olhar Viana do Castelo"

A PSP identificou hoje, em Viana do Castelo, uma mulher que se manifestou contra a exploração de lítio em Portugal, enquanto o primeiro-ministro discursava na cerimónia que assinalou a chegada do comboio elétrico àquela cidade.


A mulher, que passava de bicicleta no local da cerimónia, gritou “Não ao lítio. Vendidos. Portugal não está à venda”.

“Não ofendi ninguém, apenas me manifestei contra a exploração do lítio em Portugal”, referiu Nina Verde Silva, residente em Vila Praia de Âncora, concelho de Caminha.

Confessou que a sua particular preocupação é a eventual exploração de lítio na Serra d’Arga.

“Mas sou contra a exploração tanto na Serra d’Arga como em qualquer outro ponto do país. Porque, como disse, Portugal não está à venda”, acrescentou.

No início do mês, numa audição parlamentar na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, o ministro do Ambiente e da Transição Energética disse ter sido decidido retirar do concurso para a prospeção de lítio os sítios da Rede Natura 2000.

“Já é público o que vou dizer. Na análise e discussão que está a ser feita pelas autarquias vamos retirar também os Sítios da Rede Natura 2000, que é exatamente a Serra d’Arga”, afirmou João Pedro Matos Fernandes na resposta à interpelação da deputada do PSD Liliana Silva, eleita pelo distrito de Viana do Castelo.

FOTOGALERIA [Olhar Viana do Castelo]: Viana em festa para receber comboio elétrico

Ponte de Lima, Viana do Castelo e Caminha iniciaram um projeto intermunicipal, intitulado “Da Serra d’Arga à Foz do Âncora”, que pretende alcançar a classificação da Serra d’Arga como Área Protegida, como forma de travar aquele projeto de prospeção de minerais.

Anúncio

Viana do Castelo

Câmara de Viana vai avançar com abate das 30 árvores, mas há contrapartidas ambientais

Ambiente

em

Foto: DR

A construção dos acessos ao porto de Viana do Castelo vai avançar com o abate de 30 árvores na avenida do Cabedelo, mas com contrapartidas ambientais disse hoje o presidente da associação de moradores daquela artéria.

Vítor Dinis, que falava à agência Lusa no final de uma reunião na Câmara de Viana do Castelo, convocada na sequência de uma alternativa apresentada por moradores no Cabedelo para evitar o abate de até 12 das 30 árvores, explicou que o acordo hoje alcançado será formalizado nos próximos dias.

“As contrapartidas são materialmente relevantes a médio e longo prazo, nomeadamente, a rearborização da avenida do Cabedelo, com exemplares de porte adulto e de outras zonas do lugar da freguesia de Darque. O memorando de entendimento contemplará ainda o calendário para a concretização dessa rearborização. No imediato, existe o compromisso da Câmara de qualificar e classificar as árvores situadas a montante e a jusante da rotunda a construir como de Interesse Público Municipal”, especificou.

Em causa está a construção de uma rotunda de acesso ao porto de mar da cidade, na avenida do Cabedelo, na freguesia de Darque, na margem esquerda do rio Lima que deveria ter sido iniciada no dia 11 de setembro, mas foi embargada por moradores que contestam o abate de 30 dos 170 plátanos existentes nos 628 metros daquela artéria.

Na semana passada, a associação de moradores apresentou uma solução alternativa que propunha o reposicionamento da rotunda, poupando o abate de cerca de 12 plátanos.

Na altura à Lusa, o presidente da Câmara, José Maria Costa, classificou a proposta de “interessante”, prometendo aferir, junto da equipa projetista, da sua viabilidade e apontando para hoje decisão final a tomar durante o encontro que decorreu com a associação de moradores.

Segundo Vítor Dinis, a autarquia disse que “a proposta não recolheu luz verde da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL), por representar uma expropriação adicional de três mil metros quadrados de terrenos”.

“Também no entendimento da equipa projetista da Câmara, parte das árvores que queríamos preservar teriam de ser abatidas para garantir o acesso de veículos de transporte especial ao porto de mar. É entendimento da Câmara que o custo/benefício ficaria em causa”, sustentou.

A Lusa contactou o autarca socialista, mas ainda sem sucesso.

Vítor Dinis adiantou que o autarca socialista deixou a sua palavra de que o abate das árvores “nunca avançará antes da formalização do entendimento” hoje alcançado.

“É um acordo abrangente, que salvaguarda as questões ambientais, paisagísticas e de segurança rodoviária que não teríamos alcançado se não tivéssemos tomado a posição inicial”, destacou.

Vítor Dinis garantiu que ao longo do impasse, a associação “assumiu uma posição de bom senso e de procura do equilíbrio entre a parte ambiental e económica”.

“Sendo uma infraestrutura de interesse para todo o concelho e para a região achamos que este diálogo trouxe um conjunto de contrapartidas que não teríamos conseguido se não tivéssemos agido como agimos. Este acordo, ainda assim, é benéfico para o Cabedelo”, referiu.

Parada desde 11 de setembro, a última fase da empreitada de três milhões de euros visa melhorar o acesso ao porto de mar para “atrair novas atividades económicas para a área de influência do porto, reduzir os custos operacionais inerentes aos tempos de ligação rodoviária do Porto aos principais polos de atividade, reduzir o ruído e as emissões poluentes, aumentar a segurança da circulação, e contribuir para o descongestionamento da circulação rodoviária, retirando o tráfego pesado das vias urbanas”.

A construção dos acessos rodoviários ao porto de mar foi iniciada em fevereiro de 2019. Os novos acessos, com 8,8 quilómetros e reivindicados há mais de quatro décadas, terão duas faixas de rodagem de 3,5 metros de largura, e representam um investimento superior a nove milhões de euros.

A obra é financiada pela Câmara de Viana do Castelo e pela Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

Continuar a ler

Viana do Castelo

Mais um morto e doze infetados no concelho de Viana nos últimos dias

Covid-19

em

Foto: O MINHO

O concelho de Viana do Castelo registou mais um óbito associado à covid-19 durante os últimos quatro dias, contabilizando agora 21 mortes pelo novo coronavírus.

No mesmo período de tempo, registaram-se mais doze infetados, somando agora aquele concelho 47 casos ativos do vírus. No passado dia 02 de outubro, eram 35 os casos.

Ao longo dos últimos quatro dias, o concelho viu ainda quatro pessoas curarem-se do SARS-CoV-2, existindo agora 296 pessoas recuperadas da doença que corre mundo.

No total acumulado, registam-se 364 casos de infeção desde o início da pandemia.

A nível distrital, o Alto Minho contava, nesta terça-feira, com 286 casos ativos (+44), 64 óbitos (+3) e 791 recuperados (+25).

O distrito soma 1.141 casos acumulados desde o início da pandemia, mais 72 do que no passado dia 02 de outubro.

Continuar a ler

Viana do Castelo

Sede de panificadora vendida a imobiliária de Viana do Castelo por 315 mil euros

Economia

em

Foto: DR / Arquivo

A comissão de credores de uma panificadora de Viana do Castelo que fechou com dívidas superiores a dois milhões de euros adjudicou a venda da sede por 315 mil euros, informou hoje fonte do gabinete do administrador de insolvência.

Contactada pela agência Lusa, a fonte escusou-se a revelar o investidor que apresentou a proposta de maior valor ao leilão eletrónico realizado no final de setembro.

Mas outra fonte, da comissão de credores, composta por cinco membros, disse à Lusa que o imóvel foi vendido à sociedade anónima José Manso Imobiliária.

Em causa está um edifício no Cais Novo, em Darque, na margem esquerda do rio Lima.

Segundo a fonte do gabinete do administrador de insolvência, explicou “não foi deduzida qualquer oposição, por parte da comissão de credores, quanto à adjudicação do imóvel ao proponente que apresentou a proposta de compra no valor de 315 mil euros”.

“Nesta fase estamos a cumprir todos os trâmites para adjudicar a venda do imóvel ao comprador”, especificou a fonte, adiantando que apesar da venda do imóvel, “o bem mais considerável em termos de liquidação, não se encontram reunidas todas condições que permitam o encerramento do processo e, o consequente rateio do produto da venda pelos credores”.

Aquela fonte apontou como exemplos “a marca da panificadora e a cobrança de créditos sobre entidades terceiras”.

“Está a ser analisada a melhor forma para cobrar esses valores. Eram muitos, alguns recuperados. Neste momento, estamos a tentar recuperar outros”, disse.

O pedido de insolvência da panificadora foi apresentado pela própria empresa, a sociedade Fernandes e Alves, com sede no Cais Novo, em Darque, em setembro de 2017, alegando dívidas no valor 1.358.974 euros, a mais de 200 credores.

Naquele valor não estavam contabilizados os créditos aos cerca de 60 trabalhadores que a empresa empregava na altura.

Em março de 2019, o tribunal local qualificou de dolosa a insolvência da panificadora fundada em 1945 e condenou um dos gerentes, entretanto falecido, a indemnizar os mais de 200 credores por dívidas superiores a dois milhões de euros.

Entre os principais credores da empresa, que, além da fábrica, detinha ainda quatro lojas, em regime de aluguer e concessionadas a outra empresa cujo proprietário também é credor, encontram-se além dos trabalhadores, a Caixa Geral de Depósitos, o Novo Banco, e a Segurança Social.

Continuar a ler

Populares