Seguir o O MINHO

Póvoa de Lanhoso

MP reabre queixa de professor contra escola de Póvoa de Lanhoso após passagem administrativa de alunos

em

Foto: DR / Arquivo

Transita para a Secção Especializada em Criminalidade Económico-Financeira do Ministério Público de Braga. E tem de ficar concluída no prazo de oito meses. A Procuradoria da República de Braga
anulou o despacho de arquivamento, proferido pelo Ministério da Póvoa
de Lanhoso, ao inquérito saído da queixa de Luís Filipe de Sá, ex-professor da Escola Gonçalo Sampaio, contra a Diretora, por lhe terem alterado, em 2016, as notas negativas de cinco alunos do nono ano à disciplina de Geografia. Dois deles – argumenta – ingressaram no
Ensino Secundário, área profissional, sem habilitação.

O MP da Póvoa não viu ilegalidades na atuação da diretora Luísa Maria Rodrigues, e arquivou a queixa, mas o de Braga deu razão à “reclamação hierárquica” do advogado José Dantas e reabriu o inquérito, com a categoria de “corrupção e afins”.

A Procuradoria quer que a investigação englobe a apreensão dos registos individuais dos alunos, bem como de duas atas, do Conselho de Turma, uma das quais quando foi decidido que haveria uma época extra de exames.

Pede que seja averiguada a identidade dos docentes que participaram nas reuniões, constituindo como arguidas as que votaram o exame extraordinário e alteraram as notas de inglês de dois alunos. Manda, ainda, que sejam apreendidas as provas de Geografia dos exames extra, para se ver se foram mudadas as notas de dois outros.

Na queixa, o docente acusara a Escola de ter “adulterado” as notas “sem o avisar”.  Acrescentou, “estranhamente”, e com repetição de provas fora dos prazos, dois alunos foram aprovados, tendo entrado na Escola Profissional da “Associação em diálogo” . Por serem “estudantes com necessidades especiais”. O professor diz, ainda, que um dos sete alunos dos cursos vocacionais de Design e Tecnologia – e que tinha reprovado – passou de nota negativa, de nove para 19 valores.

E anota que o comportamento dos jovens nas aulas se “pautava por grande falta de vontade de trabalhar, inércia em executar as tarefas mínimas que lhes eram propostas, e falta constante de material básico”.

Escola cumpriu

Ao MP, a Diretora contrapôs que a queixa “não corresponde à verdade” e que “os cinco certificados de conclusão do nono ano estão corretos, pois necessitaram apenas de 70 por cento dos módulos e não de cem”.

Mais disse, que três dos alunos, por não terem tido cem por cento, apenas podiam prosseguir os estudos a nível vocacional, motivo pelo qual foram para a Escola Secundária Sá de Miranda em Braga, onde excecionalmente funcionaria uma turma do 10º ano da área vocacional.

Quanto aos restantes, disse que “estariam numa escola profissional, e
tal não devia acontecer, mas, que essa situação nada tem a ver com a escola”.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

Póvoa de Lanhoso

Póvoa de Lanhoso: As mensagens de despedida a Manuel Baptista

em

Várias mensagens encheram hoje as redes sociais após a notícia da morte de Manuel Baptista, antigo Presidente da Câmara Municipal da Póvoa de Lanhoso, eleito pelo PSD, ex-líder da Comunidade Intermunicipal (CIM) do Ave e vereador no corrente mandato na autarquia.

Município da Póvoa de Lanhoso

Avelino Silva, Autarca da Póvoa de Lanhoso

Ricardo Rio, Autarca de Braga

Paulo Cunha, Autarca de Famalicão

Manuel Baptista (1959-2019): Pai do cheque bebé, exemplo nacional nas políticas sociais

Emídio Guerreiro, Deputado (Guimarães)

Jorge Paulo Oliveira, Deputado (Famalicão)

Humberto Carneiro, Provedor da Santa Casa da Póvoa de Lanhoso

PSD Póvoa de Lanhoso

José Manuel Fernandes, Presidente da Distrital do PSD/Braga

GD Porto D’Ave, Póvoa de Lanhoso

Paulo Gago, Presidente da Junta de Fonte Arcada

 

Continuar a ler

Póvoa de Lanhoso

Manuel Baptista (1959-2019): Pai do cheque bebé, exemplo nacional nas políticas sociais

Natural de Guimarães, ainda pequeno instalou-se com a família na Póvoa de Lanhoso. Entre 2005 e 2017, foi Presidente da Câmara. Morreu hoje, com 59 anos

em

Manuel José Torcato Soares Baptista é natural de Urgezes, Guimarães, mas desde pequeno instalou-se com a família em Porto D’Ave, freguesia de Taíde, onde fez todo o seu percurso académico.

Com 59 anos, era empresário do ramo têxtil.

Com uma vida muito ligada ao associativismo foi presidente do Grupo Desportivo de Porto D’ Ave antes de se tornar presidente da Junta da Freguesia da Póvoa de Lanhoso.

Durante 12 anos (2005-2017) foi Presidente da Câmara, ganhando sempre por largas maiorias.

Pela sua mão, Póvoa de Lanhoso foi um dos primeiros concelhos do país a implementar o cheque bebé, medida várias vezes destacada a nível nacional. Aliás, as políticas sociais foram sempre a sua prioridade. Era muito acarinhado pelo povo e deixou o cargo por limitação de mandatos.

Em setembro de 2018 foi homenageado no dia do concelho.

Na altura, o atual presidente, Avelino Silva, referiu-se a ele dizendo: “Durante três mandatos, a Câmara foi sempre a sua primeira prioridade, entregando-se de corpo e alma às funções de presidente, com claro prejuízo para a sua vida pessoal e profissional. O Baptista trouxe para a política a dimensão humana e social que tantas vezes falta aos líderes políticos. A sua gestão marcou pela positiva uma fase importante da nossa história recente. Os Povoenses reconheceram-lhe a capacidade de trabalho e a sua sensibilidade para os problemas das famílias mais desprotegidas”.

“Foram anos onde a Póvoa de Lanhoso se tornou um exemplo nacional nas políticas sociais, o que diz muito da sua forma de ser. O Batista foi um Presidente respeitado pelo país fora, nomeadamente na CCDR, o que muito ajudou a conseguir investimento para o nosso concelho. Teve, também, o respeito dos seus colegas na comunidade do Ave, que o escolheram para liderar a CIM, numa altura fundamental de negociação do novo quadro comunitário”.

Foto: Arquivo

A terminar referiu que “o Manuel Baptista é um líder admirado e acarinhado pelos povoenses. E hoje queremos agradecer-lhe tudo que fez e que continua a fazer pelo desenvolvimento da nossa terra”.

Póvoa de Lanhoso: As mensagens de despedida a Manuel Baptista

Atualmente, Manuel Baptista era vereador com os pelouros da Gestão urbanística e fiscalização municipal,
planeamento e ordenamento do território, gestão da qualidade e contraordenações.

Morreu hoje, 15 de fevereiro de 2019, vítima de doença.

O Município da Póvoa de Lanhos decretou três dias de luto nacional.

O corpo ficará em câmara ardente nos Paços do Concelho.

O funeral realiza-se no próximo domingo, pelas 15:30 na Igreja Paroquial de Taíde.

Continuar a ler

Póvoa de Lanhoso

Ex-presidente da Câmara da Póvoa de Lanhoso Manuel Baptista morreu aos 59 anos

Município decretou três dias de luto municipal

em

Foto: DR

O ex-presidente da Câmara da Póvoa de Lanhoso Manuel Baptista morreu na madrugada de hoje, aos 59 anos, vítima de doença oncológica, disse à Lusa fonte municipal.

Manuel Baptista foi presidente daquela Câmara entre 2005 e 2017, sempre eleito pelo PSD.

Nas últimas eleições autárquicas, não se pôde recandidatar, por causa da lei de limitação de mandatos, mas integrou a lista do PSD em segundo lugar, tendo sido eleito vereador.

Manuel Baptista (1959-2019): Pai do cheque bebé, exemplo nacional nas políticas sociais

O município decretou três dias de luto municipal.

O corpo ficará em câmara ardente nos Paços do Concelho.


Nota de Redação

Neste momento de luto, endereçamos os nossos mais profundos sentimentos ao Município da Póvoa de Lanhoso pela morte de Manuel Batista, que nos apanhou de surpresa e à qual não conseguimos ficar indiferentes.

Em nome de O MINHO,
Thiago Correia

(Diretor)

Continuar a ler

Populares