Seguir o O MINHO

Região

Movimentos querem que Governo “abra as portas” na apresentação da lei das minas

Anti-lítio

em

Foto: Facebook de Susana Araújo / Grupo "Movimento SOS Serra d'Arga"

Dezassete associações e movimentos cívicos pediram hoje “transparência” na implementação da nova lei da mineração e reivindicaram a divulgação dos locais e datas e a participação pública nas sessões do roteiro de apresentação que o Governo vai realizar.


Em causa está o roteiro para a apresentação dos princípios base da nova lei das minas junto das autarquias dos territórios diretamente abrangidos e que foi anunciado em janeiro, pelo secretário de Estado Adjunto e da Energia, João Galamba.

Os movimentos cívicos disseram, em comunicado enviado à agência Lusa, que o ministério tutelado por João Pedro Matos Fernandes decidiu “realizar estas reuniões à porta fechada”, pelo que decidiram assinar “um pedido de transparência” que foi hoje entregue ao Ministério do Ambiente e da Ação Climática.

Os signatários consideram que “a forma de atuar do ministério não garante informação clara, transparente e abrangente às populações potencialmente afetadas e à sociedade civil em geral”.

“De forma a assegurar uma maior transparência, e assim salvaguardar a participação democrática dos cidadãos, os movimentos requerem a divulgação pública dos locais e das datas do roteiro de apresentação às autarquias e a participação pública nas mesmas apresentações”, salientaram.

As associações e movimentos defendem a “participação pública” nestas apresentações, “seja por via direta, com participação do público interessado, ou por via indireta, dando acesso a representantes de movimentos e associações locais e regionais, às organizações não governamentais (ONG) de caráter regional ou nacional, à comunicação social e a outros representantes da sociedade civil, como, por exemplo, o executivo das Juntas de Freguesia”.

“O regime democrático baseia-se numa relação de confiança entre os cidadãos e os representantes por eles eleitos. A total opacidade de um processo que, pela sua importância, exigiria transparência máxima, a gritante ausência de informação, o total afastamento dos cidadãos da tomada de decisões que os afetam diretamente são fatores que acentuam a desconfiança dos cidadãos nos agentes políticos, descredibilizam as instituições e debilitam o sistema democrático”, afirmou, no comunicado, Luís Silva Santos do Movimento Cidadãos por Uma Estrela Viva.

E continuou: “ao prosseguirmos com este plano de fomento mineiro, nos mesmos termos em que o temos feito até agora, corremos o risco de minar, não apenas o futuro destas regiões, mas o próprio sistema democrático”.

“E isso é para nós, enquanto movimento cívico, absolutamente inaceitável”, frisou.

O Governo quer criar em 2020 um ‘cluster’ do lítio e da indústria das baterias e vai lançar um concurso público para atribuição de direitos de prospeção de lítio em nove áreas do país.

Para além dos dois contratos já anunciados em Montalegre e Boticas, serão abrangidas as áreas de Serra d’Arga, Barro/Alvão, Seixo/Vieira, Almendra, Barca Dalva/Canhão, Argemela, Guarda, Segura e Maçoeira. A aposta faz parte da proposta de Orçamento do Estado para 2020 (OE2020).

No sábado, o secretário de Estado João Galamba irá a Viana do Castelo apresentar a nova lei das minas às autarquias do Alto Minho.

Para esse dia foi já agendada uma “concentração/manifestação pacífica” por cinco movimentos cívicos do Minho que se opõem à prospeção e exploração de lítio e de outros minerais.

O “pedido de transparência” hoje divulgado foi assinado pela Associação Guardiões da Serra da Estrela (Covilhã, Fundão), Associação Montalegre Com Vida (Montalegre), Associação Unidos em Defesa de Covas do Barroso (Boticas) CERVAS – Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens (Gouveia), Corema – Associação de Defesa do Património (Caminha), Em Defesa da Serra da Peneda e do Soajo (Arcos de Valdevez), Movimento ContraMineração Beira Serra (Guarda, Coimbra), Movimento ContraMineração Penalva do Castelo, Mangualde e Sátão (Viseu) e Movimento de Cidadãos por uma Estrela Viva (Seia).

Ainda pelo Movimento de Defesa do Ambiente e Património do Alto-Minho (Caminha) Movimento Lisboa Contra as Minas (Lisboa) Movimento Não às Minas – Montalegre, Movimento SOS Serra d’Arga (Viana do Castelo), SOS – Serra da Cabreira – Bastões ao Alto! (Vieira do Minho) Petição Pela Preservação da Serra da Argemela/contra a Extração Mineira (Covilhã), PNB – Povo e Natureza do Barroso (Vila Real) e SOS Terras do Cávado (Braga).

Anúncio

Aqui Perto

Sobe para 12 número de infetados em fábrica de conservas em Vila do Conde

Covid-19

em

Foto: DR / Arquivo

São 12 os casos confirmados de infeção por covid-19 por entre os trabalhadores de uma fábrica de conservas situada em Caxinas, no concelho de Vila do Conde, anunciou hoje a empresa. Há ainda uma criança infetada por familiares que trabalham no mesmo local.

Em declarações à RTP, a presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz, confirma o foco, indicando que o mesmo terá tido origem numa familiar de uma funcionária que chegou do Brasil na semana passada. Os dois primeiros casos conhecidos dentro da fábrica, enter os quais a familiar da mencionada viajante, foram conhecidos na segunda-feira.

Hoje, sabe-se que o número de casos confirmados com o novo coronavírus já vai em doze, mas estão ainda a ser efetuados testes a todos os 170 trabalhadores e aos seus familiares, podendo o número subir durante os próximos dias.

A autarca sublinha que, para já, a empresa não encerrou, estando apenas a linha de produção onde foram detetados trabalhadores covid-positivos suspensa. Refere ainda que uma delegação da ARS Norte está a avaliar a situação dentro da empresa para determinar se é necessário o encerramento temporário da mesma de forma a evitar um novo surto na região.

Dos 170 trabalhadores, a grande maioria reside em Vila do Conde e no concelho vizinho da Póvoa de Varzim. A criança infetada terá frequentado um jardim de infância em Aver-o-Mar, no concelho poveiro, o que levou as autoridades de saúde locais a fazerem uma inspeção à instituição, para determinar se é necessário o encerramento temporário.

A administração da empresa, cujos elementos são italianos, já estarão a caminho de Portugal para avaliar a situação e guardam para mais tarde um comunicado sobre o assunto.

Continuar a ler

Ave

GNR apreende armas e 120 preservativos em rusga em alterne de Cabeceiras de Basto

Crime

em

Foto: DR / Arquivo

Dois homens foram constituídos arguidos na sequência de uma rusga efetuada por militares do Núcleo de Investigação Criminal da GNR, num alegado bar de alterne, em Cabeceiras de Basto, foi hoje anunciado.

Em comunicado, o comando territorial de Braga dá conta da operação, onde foram identificadas sete mulheres, entre os 30 e os 45 anos, doze clientes, entre os 18 e os 65 anos e apreendidos 120 preservativos e 1.260 euros.

“A ação foi efetuada na sequência de uma investigação, iniciada em novembro do ano passado, relacionada com crime de lenocínio, tendo os militares do NIC [de Fafe] dado cumprimento a três mandados de busca, dois em residências e um em estabelecimento comercial”, explica a GNR.

Foram ainda realizadas duas buscas domiciliárias, às residências do proprietário do estabelecimento e arrendatários do espaço, em Chaves e Felgueiras, tendo sido apreendido uma arma transformada para calibre 6.35mm, onze munições e um aerossol gás pimenta.

Os suspeitos foram constituídos arguidos por crime de lenocínio e posse de armas proibidas e os factos remetidos ao Tribunal Judicial de Cabeceiras de Basto.

Continuar a ler

Região

Tesla vai promover ‘test drives’ em Braga e Caminha

Carros elétricos

em

Foto: Divulgação / Tesla

A iniciativa ‘Tesla On Tour’ vai passar em Braga nos dias 17 e 18 de julho e em Caminha (Moledo) entre 13 e 15 de agosto, anunciou hoje a empresa de carros elétricos.

Nesses dias, estarão disponíveis para ‘test drive’ as viaturas Model S, Model X e Model 3.

Além dos ‘test drives’, a equipa da Tesla estará disponível para responder a questões dos interessados em saber mais sobre mobilidade elétrica.

Em comunicado, a Tesla adianta que, “este ano, será possível ter uma experiência completamente sem contacto”.

“Graças à conectividade da Tesla, é possível organizar um ‘test drive’ sem toque. Previamente a equipa da Tesla entrará em contacto com os clientes e organizará todo o processo. Após a chegada, o cliente será guiado remotamente até ao carro. Além das recomendações do Tesla Advisor, o cliente encontrará pequenos tutoriais no ecrã central com informações básicas sobre como utilizar o carro”, é explicado.

“O ‘test drive’ sem toque é apenas uma das formas através das quais a Tesla está a mudar a maneira como as pessoas compram carros”, acrescenta a empresa.

Em comunicado, a Tesla refere que, mesmo após a entrega, que também pode ser feita remotamente, “oferece um novo tipo de experiência em relação ao Serviço Após Venda”.

“Os Model S, Model X e Model 3 requerem significativamente menos manutenção do que os veículos tradicionais devido à sua reduzida complexidade mecânica e menos peças móveis. Quando um Tesla precisa de agendar uma manutenção, a nossa abordagem é dupla: centros de serviços físicos e a nossa frota de serviço móvel. Equipada maioritariamente com um Model S adaptado, os nossos técnicos de serviço móvel podem efetuar até 80% das reparações em casa ou no local de trabalho do cliente”, acrescenta.

Além de Braga e Moledo, a ‘Tesla On Tour’ vai passar por Tróia, Alcantarilha, Lagos, Aveiro, Figueira da Foz e Albufeira.

Mais informação sobre a iniciativa pode ser consultada no site da empresa.

Continuar a ler

Populares