Seguir o O MINHO

Braga

Movimento quer acabar com beatas nas ruas de Braga

“Braga para Todos” pede eco-pontas e coimas

em

O movimento bracarense Braga para Todos vai lançar a iniciativa #bragasembeatas, que pretende, ao longo do próximo Verão, retirar as pontas de cigarro das ruas da cidade.

Foto: Divulgação

Em comunicado enviado a O MINHO, aquele movimento explica que a ação se irá desenvolver entre 15 de julho e 28 de setembro, semanalmente, todos os sábados de manhã.

“E todos estão convidados à participação”.

Na mesma nota, o Braga para Todos deixa dois desafios à autarquia: colocar eco-pontas espalhados pela cidade (como já acontece em Guimarães) e definir coimas para quem deitar beatas para o chão (como, segundo dizem, já acontece em Leiria).

Eco-pontas e papa-chicletes instalados em Guimarães (2017). Foto: Divulgação / CM Guimarães (Arquivo)

“Há milhares de beatas na rua e mesmo que as pessoas queiram colocá-las nos caixotes do lixo comum estes são escassos e, no calor, uma beata mal apagada pode ser perigoso. Por isso sugerimos a criação de eco pontas em madeira, em locais onde por norma se concentram pessoas a fumar”, diz a responsável do movimento.

Elda Fernandes. Foto: Facebook

“Nesta matéria, a primeira ação é o edil criar condições para as pessoas não deitarem as beatas para o chão, depois, caso não cumpram, defendemos multas”, acrescenta Elda Fernandes.

As ações de limpeza irão decorrer entre as 10:00 da manhã e o meio-dia, sendo a Avenida Central o ponto de encontro dos voluntários interessados em participar.

Segundo noticiou o jornal PÚBLICO, em maio passado, o partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) apresentou um projecto-lei para regulamentar o fim que deve ser dado às pontas de cigarro, diploma esse que será debatido no Parlamento, esta quarta-feira, 12 de junho.

Anúncio

Braga

Braga quer “fotografar a inclusão” e desafia cidadãos

As melhores imagens vão estar expostas no Museu D. Diogo de Sousa

em

Foto: DR/Arquivo

No âmbito do Projecto de Mediadores Municipais e Interculturais (PMMI), o Município de Braga desafiou os cidadãos a captar imagens de objectos ou situações que simbolizem a inclusão. Com a iniciativa ‘Fotografa a Inclusão’, o Município pretende sensibilizar para a diversidade existente no concelho.

As melhores imagens vão estar expostas no evento ‘Celebrando a Interculturalidade’, que terá lugar nos dias 25 e 26 de outubro, no Museu D. Diogo de Sousa.

Os interessados em participar devem enviar as suas fotografias até 31 de agosto por email: [email protected] As imagens podem ser captadas através de máquina fotográfica ou telemóvel.

O PMMI é composto por quatro mediadores, que representam as comunidades mais representativas de Braga e, um coordenador, colaborador municipal.

Compete ao Mediador Intercultural fazer a “ponte”, entre o cidadão estrangeiro/de etnia e as instituições locais de apoio à sua legalização, integração plena e, assim, dar resposta adequada às necessidades dos diferentes cidadãos em contextos e com diferentes características.

O PMMI tem entre os seus objectivos estratégicos criar condições para que as diferentes comunidades do concelho se possam conhecer (comunicação) e, promover o reconhecimento mútuo das diferentes comunidades existentes e sua interacção (diversidade/inclusão).

Continuar a ler

Braga

“Variações” estreia-se hoje em cerca de 60 salas de cinema portuguesas

Protagonizado pelo ator Sérgio Praia

em

Antestreia do filme Variações. Foto: Paulo Jorge Magalhães / O MINHO

“Variações”, filme de João Maia sobre o músico António Variações, que morreu em 1984, aos 39 anos, protagonizado pelo ator Sérgio Praia, estreia-se hoje em cerca de 60 salas de cinema portuguesas.

O filme é inspirado na vida do barbeiro minhoto António Joaquim Rodrigues Ribeiro, que desejou viver da música e que em Lisboa se transformou em António Variações, marcando a música portuguesa a partir dos anos 1980.

António Variações nasceu em 1944 em Fiscal, no concelho de Amares, que acolheu na segunda-feira a antestreia de “Variações”.

O filme é protagonizado pelo ator Sérgio Praia que, além da interpretação física do músico, também canta todas as canções, recriando as sessões de composição e gravação embrionária dos temas em várias cassetes – sozinho em casa com um gravador e uma caixa de ritmos – até à primeira atuação de Variações, na discoteca Trumps, em Lisboa, em 1981.

Em julho do ano passado, durante a rodagem do filme, o ator partilhou que andava anda há mais de dez anos a preparar a personagem, tendo o mais importante sido perceber humanamente quem era o músico.

“Se tivesse feito filme há dez anos não tinha densidade. Foi preciso este cansaço para hoje conseguir perceber melhor aquilo que ele viveu, a busca constante, o faz-não-faz. Este tempo foi bom para o meu trabalho”, afirmou o ator na altura em declarações à Lusa.

Além de Sérgio Praia, o elenco inclui, entre outros, Filipe Duarte, Victoria Guerra, Augusto Madeira, Filipe Albuquerque, Lúcia Moniz, Afonso Lagarto, Maria José Paschoal, José Raposo e Dinarte Freitas.

O filme foca-se sobretudo na transformação de António Ribeiro em António Variações, num período de vida entre 1977 e 1981, a época em que um barbeiro ambicionava viver da música, gravava canções em cassetes e ensaiava com músicos amadores, muito antes de editar oficialmente qualquer canção.

Arrojado e irreverente, influenciado pelo fado, pela música popular e pelo pop rock, António Variações morreu aos 39 anos, a 13 de junho de 1984. Deixou apenas dois álbuns editados pouco antes de morrer: “Anjo da guarda” (1983) e “Dar e receber” (1984).

No filme, Sérgio Praia interpreta todas as canções, que foram gravadas num álbum, a ser editado na sexta-feira.

Em julho, a banda sonora foi apresentada ao vivo no festival Alive, em Oeiras, em julho. Em palco, Sérgio Praia esteve acompanhado por Armando Teixeira (sintetizador) e pelos músicos Vasco Duarte (guitarra), David Santos (baixo) e Duarte Cabaça (bateria).

O músico e produtor Armando Teixeira, que assina a direção musical do filme, teve acesso às cassetes que António Variações deixou com dezenas de canções, excertos, ensaios, experimentações; as mesmas cassetes que foram recuperadas para o projeto Humanos, em 2004, e das quais é agora retirado um tema inédito, intitulado “Quero dar nas vistas”.

Continuar a ler

Braga

Pudim Abade de Priscos ainda pode vencer 7 maravilhas doces de Portugal

Doce tradicional de Braga

em

Foto: DR

O concurso 7 Maravilhas Doces de Portugal resolveu repescar todos os doces classificados na segunda posição de cada distrito para voltarem a concorrer à meia-final do concurso.

No distrito de Braga, o vencedor foi o Bolinhol de Vizela, por ter angariado mais votos via telefone, com o Pudim Abade de Priscos, de Braga, a classificar-se na segunda posição.

Durante esta quarta-feira, este pudim tradicional de Priscos estará a votos até às 17:30 de forma a juntar-se aos doces de Vizela como representantes do distrito nas meias-finais do concurso que elege o doce português favorito da população.

Continuar a ler

EM FOCO

Anúncio

ÚLTIMAS

Vamos Ajudar?

Reportagens da Semana

Populares