Seguir o O MINHO

País

Morcegos podem ser controlo eficaz e natural de pragas

Estudo da Universidade de Lisboa.

em

Foto: DR

Uma experiência de investigadores da Universidade de Lisboa comprovou que os morcegos são um controlo de pragas natural eficaz, salvando culturas de arroz dos insetos e evitando a desflorestação.

Num estudo publicado na revista Agriculture, Ecosystems and Environment, analisa-se o papel de várias espécies de morcegos que se alimentam de “pragas de insetos nefastos” para a agricultura, especialmente a cultura do arroz, na ilha de Madagáscar.

As pragas destroem grandes quantidades de arroz e para arranjar mais campos de cultivo, 1% das florestas de Madagáscar desaparece todos os anos.

“Verificámos que algumas espécies estão a tirar partido da modificação do habitat para caçarem os insetos que se aglomeram sobre os arrozais do país. Várias destas espécies são aves e morcegos insetívoros que, através da supressão de pragas agrícolas, podem fornecer um valioso serviço às populações locais”, descreveu Adrià López-Baucells, coautor do artigo e estudante de doutoramento no Centro de Ecologia, Evolução e Alterações Ambientais (cE3c) da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL).

Na investigação, usaram-se gravadores ultrassónicos de última geração e técnicas moleculares para analisar a alimentação de morcegos insetívoros e analisaram-se geneticamente as suas fezes para descobrir o que comiam.

Em Madagáscar habitam 36 espécies de morcego únicas no mundo, mas entre a população são vistos como um incómodo que espalha doenças.

No entanto, além de pragas que afetam a agricultura também comem os mosquitos que espalham doenças como a malária ou a elefantíase.

Anúncio

Aqui chegado…

...temos uma pequena mensagem para partilhar consigo. Cada vez mais pessoas lêem O MINHO, jornal estritamente digital, líder de audiências. Ao contrário de outros órgãos de informação, optámos por não obrigar os leitores a pagarem para lerem as nossas notícias, mantendo o acesso à informação tão livre quanto possível. Por isso, como pode ver, precisamos do seu apoio.

Para podermos apresentar-lhe mais e melhor informação, que inclua mais reportagens e entrevistas e que utilize uma plataforma cada vez mais desenvolvida e outros meios, como o vídeo, precisamos da sua ajuda.

O MINHO é um órgão de comunicação social independente (e sempre será). Isto é importante para podermos confrontar livremente todo e qualquer tipo de poder (político, económico ou religioso) sempre que necessário.

Inspirados na filosofia seguida pelo jornal inglês "The Guardian", um dos mais importantes órgãos de comunicação do Mundo, também nós achámos que, se cada pessoa que lê e gosta de ler O MINHO, apoiar o futuro do nosso projeto, este será cada vez mais importante para o desenvolvimento da sociedade que partilhamos, a nível regional. Pela divulgação, partilha e fiscalização.

Assim, por tão pouco como 1€, você pode apoiar O Minho - e só demora um minuto. Obrigado.

País

Ordem dos Médicos pede “apuramento das causas” de aumento da mortalidade infantil

Dados provisórios.

em

Foto: DR

A Ordem dos Médicos pediu hoje um “apuramento rápido” das causas do “aumento da mortalidade infantil”, que, segundo dados provisórios da Direção-geral da Saúde, registou em 2018 o valor mais elevado desde 2013.

De acordo com os dados oficiais ainda provisórios, os valores da mortalidade infantil são apenas ligeiramente acima dos que foram verificados em 2016.

Segundo dados provisórios hoje divulgados no site da Direção-geral da Saúde (DGS), a taxa de mortalidade infantil foi no ano passado de 3,28 mortes por cada mil nados vivos, quando em 2017 tinha sido de 2,69 e em 2016 de 3,24.

A evolução da taxa de mortalidade infantil (até ao 1.º ano de vida), hoje noticiada pelo Correio da Manhã, levou a Ordem dos Médicos a apelar à DGS para que retire conclusões finais sobre as causas de cada morte.

Na nota, o bastonário Miguel Guimarães considera que os dados, ainda preliminares, são “preocupantes”.

A nota da Ordem aponta refere que os números brutos da mortalidade infantil mostram que em 2017 houve 229 óbitos e em 2018 se registaram 289, ou seja, um acréscimo de 60 mortes num ano.

“A mortalidade infantil é um dos indicadores com evolução mais positiva no nosso país, motivo de referência a nível internacional. Sabemos que o aumento da idade média da maternidade e o maior recurso a tratamentos de fertilidade podem ter algum impacto negativo na mortalidade infantil. Ainda assim, este aumento merece uma rápida análise por parte do Ministério da Saúde para evitar um clima de desconfiança dos utentes em relação ao sistema de saúde”, refere a Ordem dos Médicos.

Na nota hoje divulgada no site, a Direção-geral da Saúde considera que “o número de mortes infantis em 2018 (dados provisórios) não se reflete de forma relevante na taxa de mortalidade infantil, uma vez que também se verificaram mais nados-vivos”.

Aliás, a DGS destaca que o valor da taxa de mortalidade infantil em 2018 é “similar ao verificado em 2016”.

E já nesse ano, em 2016, a autoridade de saúde frisa que Portugal se situava entre os melhores países da União Europeia no que se refere à mortalidade infantil.

Continuar a ler

País

CAP avisa que bactéria ‘Xylella fastidiosa’ pode ser “problema muito grave”

Apelo.

em

Foto: DR

O presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP) avisou hoje que a bactéria ‘Xylella fastidiosa’ é “perigosa” e pode ser um “problema muito grave”, pedindo aos agricultores para alertarem imediatamente para eventuais infeções.

A ‘Xylella fastidiosa’ “é perigosa, porque ataca um conjunto vastíssimo de culturas agrícolas permanentes muito importantes”, como “oliveiras, videiras, amendoeiras e até o próprio sobreiro”, disse à agência Lusa Eduardo Oliveira e Sousa, em Beja, após uma reunião do Conselho Consultivo do Baixo Alentejo e Algarve da CAP.

“Se não houver uma particular atenção no sentido de tentarmos conter o espalhar da bactéria, ela pode transformar-se num problema muito grave e, por isso, há que alertar as pessoas para a gravidade do assunto”, afirmou, defendendo que “é fundamental que os agricultores assumam uma postura de completa transparência”.

Ou seja, sublinhou, “é necessário que os agricultores, na desconfiança de qualquer sintoma que possa porventura estar relacionado com a bactéria ‘Xylella fastidiosa’, imediatamente lancem o alerta às entidades competentes”, nomeadamente as respetivas associações de agricultores e direções regionais de Agricultura ou a Direção-geral de Alimentação e Veterinária.

“Há um plano que o Governo está a implementar para tentar que a ‘Xylella fastidiosa’ não se transforme num problema grave no país, mas, para isso, é preciso que todos tenhamos consciência de que ela não pode ser escondida”, alertou.

Eduardo Oliveira e Sousa lembrou que o problema da ‘Xylella fastidiosa’ “agravou-se em Itália, porque os agricultores que a descobriram nas suas oliveiras a tentaram esconder”.

“Em vez de irem imediatamente dizer que tinham o problema, tentaram passar despercebidos e isso deu origem a um espalhar da bactéria, que depois se tornou incontrolável”, disse.

Em Portugal, a bactéria foi descoberta numa planta ornamental, a lavanda, que “já tinha vários anos”, estava num canteiro e “foi imediatamente destruída, queimada”, contou.

“Será esse o processo que virá a acontecer noutras situações que possam ocorrer, mas é preferível isso acontecer [de forma] pontual, localizada, do que corremos o risco de a ‘Xylella fastidiosa’ se alastrar”, alertou.

Portugal informou oficialmente a Comissão Europeia da presença da bactéria em 41 plantas de lavanda no jardim do Zoo de Santo Inácio, no concelho de Vila Nova de Gaia, no distrito do Porto, segundo disse à Lusa na sexta-feira fonte comunitária.

Já um ofício do Ministério da Agricultura, ao qual a Lusa teve acesso, refere que a presença da bactéria foi confirmada no dia 03 deste mês “numa sebe ornamental de Lavandula dentata” no jardim do zoo.

A bactéria foi detetada “num único canteiro” e o Ministério da Agricultura tirou amostras e “a planta foi destruída quando acusou positivo e imediatamente após a comunicação do ministério”, disse na sexta-feira à Lusa fonte do zoo.

O ministro da Agricultura, Luís Capoulas Santos, assegurou, no mesmo dia, que o Governo tem um plano de contingência para fazer face à bactéria ‘Xylella fastidiosa’ e que é necessário estar atento aos seus sintomas nas plantas.

Desde 2015, têm sido detetadas diferentes subespécies da bactéria ‘Xylella fastidiosa’ em França, Espanha e Itália em espécies ornamentais e também agrícolas.

Continuar a ler

País

Diplomas sobre defesa da floresta entram em vigor na terça-feira

Medida.

em

Foto: DR/Arquivo

Os diplomas que alteram o regime dos planos de ordenamento florestal, o regime de ações de arborização e rearborização de espécies florestais, e as normas de produção e comercialização de materiais florestais foram hoje publicados em Diário da República.

No quadro da defesa da floresta e valorização do território, estes três decretos-lei do Governo, aprovados em Conselho de Ministros, em 06 de dezembro, e promulgados, depois, pelo Presidente da República, vão entrar em vigor na terça-feira para “complementar as medidas em vigor no domínio do ordenamento florestal”.

O diploma que “altera o regime jurídico dos planos de ordenamento, de gestão e de intervenção de âmbito florestal” visa clarificar o regime de vinculação dos Programas Regionais de Ordenamento Florestal (PROF), em conformidade com o disposto na Lei de Bases Gerais da Política Pública de Solos, de Ordenamento do Território e de Urbanismo.

Neste âmbito, o decreto-lei do Governo esclarece “como se opera a revogação dos PROF, atualmente em vigor, em função da degradação da respetiva forma jurídica”, com uma norma revogatória que determina a anulação de 21 PROF.

Na definição de PROF, o diploma acrescenta que, além de todas as entidades públicas, “os PROF vinculam ainda, direta e imediatamente, os particulares relativamente: à elaboração dos planos de gestão florestal; às normas de intervenção nos espaços florestais; e aos limites de área a ocupar por eucalipto”, excluindo as normas com incidência territorial urbanística.

Relativamente à norma transitória, o decreto-lei determina que “os PROF atualmente em vigor mantêm a sua vigência até à aprovação dos novos PROF que os venham substituir”, alterando assim a anterior redação que referia que “os PROF atualmente em vigor mantêm a sua vigência até ao final do prazo neles previsto”.

Outro dos decretos-lei publicados hoje em Diário da República é o que “altera o regime jurídico a que estão sujeitas, no território continental, as ações de arborização e rearborização com recurso a espécies florestais”.

“Considerando a experiência já existente com a aplicação deste regime jurídico, verifica-se a necessidade de reforçar o seu caráter dissuasor no que respeita à prossecução de ações ilegais de arborização ou rearborização, clarificando igualmente as responsabilidades do agente executante da ação, independentemente do seu título”, sustentou o Executivo, prevendo, ainda, a possibilidade do arranque e remoção de plantas que não cumpram as exigências agora estabelecidas.

Sobre arborizações e rearborizações com espécies do género ‘eucalyptus’, o diploma indica que o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) tem que fazer uma gestão nacional da área global destas espécies florestais, “de forma a aproximar-se progressivamente dos valores fixados na versão atual da Estratégia Nacional para as Florestas”.

Para a defesa da floresta e valorização do território foi, também, publicado o decreto-lei do Governo que “altera as normas gerais aplicáveis à produção e comercialização de materiais florestais de reprodução utilizados para fins florestais”.

“Pretende-se igualmente contribuir para a redução das rearborizações e arborizações ilegais, aumentando o nível de exigência para a comercialização de plantas ao utilizador final através da necessidade de ser verificado o cumprimento da regulamentação nacional relativa ao regime jurídico das ações de arborização e rearborização”, lê-se no diploma.

Na perspetiva de agilizar processos e facilitar o controlo da aplicação da legislação, o executivo defendeu que é necessário “desmaterializar os procedimentos inerentes, nomeadamente o licenciamento de fornecedor de material florestal de reprodução, a submissão de materiais de base ao Catálogo Nacional de Materiais de Base, e a emissão dos certificados principal e de qualidade externa, com recurso a uma plataforma eletrónica específica a ser criada”.

Publicados hoje em Diário da República, estes três decretos-lei do Governo entram “em vigor no dia seguinte ao da sua publicação”, ou seja, na terça-feira.

Continuar a ler

Populares